Mais comentada

Atenção humana e o peixinho dourado

A capacidade de concentração dos seres humanos anda curta

A Microsoft realizou uma pesquisa há um certo tempo (2015) que mostrou que o tempo de atenção dos seres humanos já é mais curto que o dos peixinhos dourados. E a tecnologia pode ter muito a ver com essa situação.

A capacidade de concentração de dois mil entrevistados, no Canadá, foi observada através das respostas a perguntas e participação em jogos online.

Ainda forma realizados exames de eletroencefalogramas em outros 112 voluntários canadenses para monitorar sua atividade cerebral.

O resultado desta pesquisa, mostra que a capacidade de concentração dos humanos está sendo reduzida pelo impacto dos dispositivos portáteis e das mídias digitais. Em treze anos (2000 – 2013) a capacidade da atenção humana caiu de 12 para 8 segundos. Isto representa, um segundo menos da capacidade de atenção estimada por cientistas do peixinho dourado.

Por outro lado, as pessoas que tendem a usar várias telas ao mesmo tempo - como aquelas que usam o celular enquanto assistem à televisão ou olham para outra tela - tendem a ter dificuldade para filtrar a informação que chega por estes dispositivos digitais.

A notícia tranquilizadora dada pelos pesquisadores é que nossos cérebros podem estar se adaptando às novas tecnologias - e uma capacidade de atenção mais curta pode ser simplesmente um efeito colateral normal.

Quatro coisas que você não sabia sobre peixes-dourados

1. Os peixinhos-dourados não eram animais de estimação quando começaram a ser criados. Eram parte da janta. Os peixes modernos (carassius auratus auratus) são uma versão domesticada da carpa selvagem que vive nos rios da Ásia. Seus ancestrais eram os "chi", que no passado distante foi o peixe mais comumente usado como alimento em toda a China. A coloração dos chi era cinza prateado.

2. Por volta de 1240, porém, os peixes-dourados foram domesticados e passaram a ficar diferentes dos chi. Eles eram mais mansos e comiam prontamente o que lhes era dado. Em lagos públicos, os peixes-dourados viviam ao lado de chi, tartarugas e outros peixes.

3. Os peixes-dourados se espalharam por rios e lagos de todo o mundo. O chi continua aparecendo nos rios do leste e do centro da Ásia. Mas peixes-dourados aparecem em lugares distantes da sua origem, como Europa, África do Sul, Madagascar e nas Américas. Há também peixes-dourados em rios da Oceania e do Caribe. Acredita-se que as populações se disseminaram a partir de animais de estimação que foram libertados no meio ambiente.

4. Peixes-dourados são comuns em laboratórios - por assimilarem tarefas facilmente e por existirem em abundância na natureza.

Eles são uma das espécies mais usadas para estudos sobre cognição e percepção visual. Acredita-se que os peixes-dourados podem ver as mesmas cores que os humanos - algo que nem mesmo os primatas conseguem. A visão da cor azul é prejudicada nos primeiros anos de vida, mas isso melhora com o tempo. Esse mesmo padrão é observado em humanos.

Referências: BBC Brasil e BBC Earth – Four secrets your goldfish is hiding from you.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(0)
Tags: administração atenção humana peixinhos dourados trabalho