Como o Excel mudou (e ainda muda) a minha vida?

O meu primeiro contato com a ferramenta Excel foi em 2008, eu ainda era um estagiário de uma fundação de apoio da Universidade Federal do meu estado. Na época eu só sabia mesclar as células... Vamos lá entender essa jornada!

Dentro das minhas atividades, não existia uma exigência grande com o Excel, porém, eu sempre ficava admirado quando eu via uma formatação nova ou um gráfico bacana.

Na época, o meu foco era o conteúdo da faculdade. onde eu tinha que manter boas notas para garantir a minha bolsa.

Até que certo dia tive uma entrevista de emprego em uma grande empresa de logística, onde tive que realizar dois testes: um de contabilidade (basicamente uma análise de balanço) e outro de Excel.

Comecei respondendo o de contabilidade, pois o conteúdo estava fresco na minha mente, tendo em vista que eu estava tendo aulas sobre o tema naquele semestre.

Após isso, encarei o teste de Excel. Lembro como se fosse hoje, era apenas uma questão: inserir uma tabela dinâmica de um conjunto de dados. Coisa simples para mim para os dias de hoje e que naquela época eu nem tentei, pois não tinha capacidade fazer.

Alguns minutos após o prazo do término do teste, o entrevistador (que também era o chefe do departamento daquele cargo que estava sendo oferecido) entrou na sala e eu mostrei o teste de contabilidade e em seguida informei que não fui capaz de fazer o de Excel. Daí ele me disse: é fácil amigo! E me mostrou em segundos (e de fato era fácil). Ele curtiu a resolução de contabilidade e me disse que entraria em contato.

No dia seguinte, recebi uma ligação com a famosa frase: “a empresa optou por outro candidato e o seu currículo ficará na nossa base de dados”.

Foi frustrante, mas eu estava empregado e segui em frente.

Alguns meses depois, recebi uma ligação do RH daquela empresa, informando que o meu currículo tinha sido selecionado para participar de um outro processo seletivo, porém para outra vaga em outra área.

Fui para a entrevista normalmente. E não teve teste de contabilidade e nem de Excel. Realizei as entrevistas com o RH, o supervisor e o gerente da área. Alguns dias depois tive a excelente notícia que a vaga era minha.

No primeiro momento nem Excel o meu PC tinha, o cargo era de auxiliar e a empresa tinha como política reduzir custos com licenças da MS, fornecendo essa ferramenta apenas para os casos necessários.

Com duas semanas de empresa eu estava na mesa do meu chefe argumentando que eu precisava do Excel para entregar melhores resultados. E ele me disse: me dê dois exemplos da sua necessidade. Foi simples, mostrei a limitação do BR Office em relação aos filtros e a dificuldade de as fórmulas não ter a mesma nomenclatura do formato da MS. Consegui a licença (só para vocês terem noção da conquista, no meu setor tinha um funcionário que estava lá há 05 anos e ainda estava com o BR Office, será que ele conseguiu argumentar direito?).

O tempo foi passando e eu fui tendo contato com outras pessoas (incluindo o meu supervisor) e recebendo dicas de fórmulas, pesquisas na internet e entre outras fontes. Tudo isso para entregar o melhor resultado na minha área, de forma eficiente, claro.

Até que no final do ano fui convidado para assumir um outro cargo (agora assistente) com outras funções, dessa vez uma atividade mais analítica. Momento esse em que o meu gerente perguntou se eu precisava de alguma coisa para assumir o cargo e eu respondi prontamente: sim, preciso de um curso de Excel Avançado.

Ele remeteu a solicitação para os aprovadores e tive a oportunidade de fazer o curso 100% custeado pela empresa.

Até hoje agradeço! Por dois motivos: consegui aprimorar os meus conhecimentos, mas principalmente foi onde conheci a minha noiva (rs).

Enfim, após finalizar o curso e assumir o novo cargo, tive um salto interessante no conhecimento da ferramenta. Desenvolvi painéis, relatórios com gráficos e tabelas e virei referência no setor para sempre dá dicas sobre a ferramenta, como por exemplo, PROCV, SE e a TABELA DINÂMICA (rs). Até que certo dia um amigo que sabia que eu tinha um certo grau de timidez, jogou uma proposta na mesa. Sugeriu que eu ministrasse um treinamento para os colegas do setor com dois intuitos: Ajudar os colegas e recuperar um pouco o investimento feito pela empresa (rs).

Eu aceitei e jogamos a ideia no email, e mais ou menos 16 pessoas aceitaram participar do treinamento. Daí fizemos em duas turmas aos sábados. Deu certo e foi possível passar os principais temas, desde algumas fórmulas/funções até chegar em alguns gráficos. Nessa empresa eu lembro de ter ministrado 4 a 5 turmas. E uma delas foi justamente a equipe inteira do gerente que anos atrás aplicou aquele teste de contabilidade e Excel, onde eu não passei por não saber fazer a tabela dinâmica.

Confesso que no dia desse treinamento eu estava muito emocionando e orgulhoso daquele momento.

Alguns meses depois, eu fiquei sabendo de um curso novo em minha cidade sobre uma ferramenta e conceito que eu sabia que iria ajudar ainda mais nas minhas atividades. O curso era Dashboard com Excel. Ou seja, o objetivo era fazer com que os números da empresa e KPIs pudessem ser apresentados de forma dinâmica em uma única tela (em uma única aba).

Solicitei ao meu gerente e ele conseguiu aprovação. Ou seja, mais um curso que a empresa custeou. Agradeci bastante e apliquei na segunda-feira seguinte ao término do curso. O diretor gostou dos novos modelos e pediu para padronizar todos os materiais da sua diretoria (Administrativa e Financeira) aos padrões que eu sugeri e foi aprovado. Incluindo o departamento do gerente daquela vaga que eu não fui selecionado. Ou seja, mais um momento de orgulho e de crescimento profissional e pessoal.

Além disso, consegui automatizar algumas rotinas via macro (eu sempre pesquisei na internet as diversas soluções) e consegui reduzi o tempo de atualização dos meus relatórios em 2/3.

Tive muitos momentos bons nessa empresa, cresci bastante e sou grato até hoje. Mantenho muitos colegas em meu coração. Mesmo após 5 anos de saída.

Em janeiro de 2014 fui para outro desafio, dessa vez uma multinacional da indústria automotiva. Um projeto que me encheu os olhos e o coração de orgulho. Por se tratar da construção de uma nova planta no meu estado. Na zona da mata norte de PE. No meio do canavial.

Cheguei nesse desafio mais maduro e já como analista. Lembro que passei duas semanas sem acesso a sistemas e só com o MS office. O que eu pensei? Vou tentar fazer um dashboard aqui. Quem sabe fica legal, né?

Após um dia inteiro de trabalho, mostrei ao meu team leader, depois ao meu coordenador, ambos gostaram e levaram para o diretor da fábrica. Alguns minutos depois o meu coordenador retorna com o seguinte feedback: Ewerton, o nosso diretor financeiro gostou muito do dashboard e só pediu uma coisa. Que você atualize e envie todos os dias para ele com cópia para as seguintes pessoas.

Pronto, criei uma demanda relevante e pude colocar no meu portfólio.

Com o tempo, alguns colegas foram demandando dicas de Excel, eu fui ficando responsável por elaborar as apresentações de resultado e sempre estudando a ferramenta e pesquisando as soluções para os diversos problemas sobre planilhas.

Nessa empresa foi possível realizar alguns treinamentos visando ajudar os colegas com as principais funções do Excel e gráficos.

Além disso, foi a empresa em que eu mais exercitei o meu relacionamento e gestão de gente. Cresci bastante nessa empresa, junto com a fábrica que também cresceu do zero (já que foi construída literalmente em um canavial).

Recentemente cheguei na empresa que mais emprega no país e já vivencio coisa novas. Desafios grandes e estimulantes que me fazem dar o melhor a cada dia. Uso o Excel diariamente. Pois, é a linguagem mais utilizada.

Eu continuo pesquisando e estudando tudo que envolve Excel, BI, e ferramentas de análise. Pois, acredito que não se pode parar um instante e que essa ferramenta tem muita coisa a ser explorada.

Além disso, faço alguns trabalhos fora do meu horário comercial e que também envolve o Excel. Entre aulas, criação de painéis e consultoria financeira (utilizando muitos relatórios em Excel).

Deu para entender que o Excel está em várias fases e dimensões da minha vida, não é (rs)?

Noiva, emprego, aulas particulares, renda principal, renda extra e etc.

Por que eu quis falar tudo isso?

Porque gostaria de afirmar que é possível mudar as coisas. Com esforço.

Para mim o Excel esse vetor. Para você pode ser outra coisa, outra técnica ou ferramenta.

Eu sempre gostei de números e o Excel ainda é a ferramenta que apresenta de forma excelente esses dados.

Então, se você está em um ambiente em que a linguagem ainda é o Excel. Estude essa ferramenta. Procure cursos, amigos, vídeos no youtube e etc. Corra atrás. Dar tempo.

Lembra da entrevista que eu não passei e que depois eu fui selecionado para a mesma e meses depois estava ministrando um treinamento da ferramenta que me eliminou do processo do cargo anterior.

Nem tudo está perdido.

E, claro, se precisar de ajuda, pode contar comigo.

Abraço!

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(0)
Tags: carreira dashboards excel gestão