Memória Empresarial

MEMÓRIA EMPRESARIAL: DIFERENCIAL PARA O NOVO MILÊNIO A celebração dos 500 anos do descobrimento do Brasil simboliza em grande escala a relevância da preservação da memória para os países, as instituições e as pessoas, aí se incluindo o acervo de suas criações e patrimônios. Afinal, é pela trilha da memória que delineamos nossa identidade. Também um número crescente de organizações vem se dando conta desse processo, ao recorrer às modernas técnicas de resgate e sistematização de seus acervos documentais. Preparam-se, assim, para perenizar a marca que as diferencia na história ou no mercado, e assim agregam a seus ativos um diferencial competitivo com vistas ao terceiro milênio que se avizinha. De fato a memória reavivada emerge nas organizações competitivas como eficaz instrumento de gestão e mesmo como ferramenta para a evolução. As organizações que já se conscientizaram disso (empresas do setor industrial ou financeiro, do segmento de serviços, indústrias, instituições financeiras, do segmento de serviços etc.) vêm fazendo a opção de recuperar e tratar seus arquivos e acervos documentais de modo a transformá-los em fontes de informação. As mais atualizadas técnicas de recuperação da memória empresarial ou organizacional viabilizam delinear com nitidez a trajetória de seu crescimento, de suas transformações e consolidação. Isto é, transformam-na em espécie de plataforma de onde o passado pode proporcionar vigor suficiente para embasar com segurança saltos rumo ao futuro. Quase sempre a identidade da organização emana de um centro de documentação e memória articulado e eficaz. Ele atua como a “caixa preta” da empresa ou instituição, orientando-a tanto em períodos de bonanças quanto em tempos de turbulência. Instrumentaliza planos de gestão ao resgatar as ações institucionais, mercadológicas, estratégicas e institucionais empreendidas. E mais: racionaliza e otimiza a exposição do empreendimento junto ao público externo: seu cliente. A implantação de um centro nervoso da memória numa organização, costuma demandar enfoque multidisciplinar, podendo envolver técnicas de biblioteconomia e documentação arquivística, museologia e pesquisa histórica. Um trabalho de resgate da memória empresarial pode incluir, por exemplo, desde o levantamento do cenário histórico que marcou a implantação do empreendimento até o delineamento do papel específico desempenhado por seu fundador (ou fundadores) e/ou outros “protagonistas” em seu processo de evolução ou consolidação. O cumprimento de etapas como essas torna possível a transformação de um acervo documental ou histórico em um centro dinâmico, apto a transmitir a tradição revigorada do empreendimento ao seu todo orgânico. “A memória, onde cresce a história, que por sua vez a alimenta, procura salvar o passado para servir o presente e o futuro”, escreveu Le Goff. Com efeito, a revivificação da memória numa organização pode fazer toda a diferença no processo de sua inserção competitiva nos novos tempos. Telefone para contato: (011) 3667-3472 e-mail: irenebutti@yahoo.com.br
Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração