Mais comentada

Taylor, Fayol e Ford

Capítulo 3

1. Explique a historia da escola da administração cientifica.
A abordagem típica dessa Escola é a ênfase nas tarefas e seu nome deriva da aplicação de métodos científicos (observação, experiência, registro, análise) aos problemas da administração, com vistas a alcançar maior eficiência industrial, produzir mais, a custos mais baixos.
O objetivo inicial de F. Taylor estava voltado para eliminar os desperdícios nas indústrias americanas, comprovadamente um dos elementos importantes na formação dos preços dos produtos. Dessa forma, visava-se alcançar maior produtividade e, como menores custos e melhores margens de lucro, enfrentar a crescente concorrência em todos os mercados.
Para Taylor, a organização e a administração das empresas devem ser estudadas e tratadas cientificamente e não empiricamente. A improvisação deve ceder lugar ao planejamento e o empirismo à ciência. Assim, a obra de Taylor se reveste de especial importância pela aplicação de uma metodologia sistemática na análise e na solução dos problemas da organização, no sentido de baixo para cima.
Taylor foi o primeiro a fazer uma análise completa do trabalho na fábrica, inclusive dos tempos e movimentos, estabelecendo padrões de execução. Ele treinou os operários, especializou-os de acordos com as fases do trabalho, inclusive o pessoal de supervisão e direção; instalou salas de planejamento e organizou cada unidade, dentro do conjunto.

2. Explique a teoria clássica da administração.
Enquanto Taylor e outros engenheiros americanos desenvolviam a chamada Administração Científica nos Estados Unidos, em 1916 surgia na França, espraiando-se rapidamente pela Europa, a chamada Teoria Clássica da Administração (Henri Fayol). A Teoria Clássica partia do estudo do todo organizacional e da sua estrutura para garantir a eficiência a todas as partes envolvidas, fossem elas órgãos (seções, departamentos, etc.) ou pessoas (ocupantes de cargos e executores de tarefas). A preocupação com a estrutura da organização como um todo constitui, sem dúvida, uma substancial ampliação do objeto de estudo da TGA (abordagem anatômica e estrutural).

3. Quais as origens da abordagem clássica.
1. O crescimento acelerado e desorganizado das empresas, ocasionando uma gradativa complexidade na sua administração
2. A necessidade de aumentar a eficiência e a competência das organizações, no sentido de obter o melhor rendimento possível de seus recursos e fazer face à concorrência e à competição que se avolumavam.
O panorama industrial no início deste século tinha toda uma variedade incrível de empresas, com tamanhos altamente diferenciados, problemas de baixo rendimento da maquinaria utilizada, desperdício, insatisfação generalizada entre os operários, concorrência intensa, mas com tendências pouco definidas, elevado volume de perdas, decisões mal formuladas, etc.

4. Explique a revolução industrial.
Esses princípios nortearam a evolução das sociedades através dos séculos, do período medieval ao mercantilista, tendo o seu grande despertar no principio do século XVI, com as grandes descobertas através da navegação e das invenções, iniciando-se assim o que podemos chamar de primórdios da Revolução Industrial. Nessa época situam-se os sistemas de produção industrial, que, corno as civilizações, passou pôr diversas fases. No início predominou o sistema familiar, que em algumas sociedades persistem até hoje. O crescimento do comércio também necessitava de racionalização nos métodos de registro (anotações/ contabilização). Luca Pacioli, em 1494, escreveu Summa de aritmética, geométrica, proporcionai et proportionalista. Foi o primeiro sistema de partidas dobradas decorrente da necessidade de os mercadores saberem suas posições de créditos e débitos, fornecerem posição de caixa e inventário.

5. Explique a obra de Taylor.

a) 1º Período
O primeiro período corresponde à época da publicação do seu livro shop management ( Administração de Oficinas), 1903, onde se preocupa exclusivamente com as técnicas de racionalização do trabalho do operário, por meio do Estudo dos Tempos e Movimentos( Motion- Time Study). Taylor começou por baixo, junto com os operários no nível de execução, efetuando um paciente trabalho de análise das tarefas de cada operário, decompondo os seus movimentos e processos de trabalho, aperfeiçoando-os e racionalizando-os gradativamente. Portanto em Shop Management Taylor coloca que:
1. o objetivo de uma boa Administração é pagar salários altos e ter baixos custos unitários de produção;
2. para isso a administração deve utilizar processos científicos de pesquisa, afim de criar processos padronizados que permitam o controle das operações fabris; os empregados devem ser cientificamente colocados em serviços ou postos com os materiais e condições de trabalho adequados, para que as normas possam ser cumpridas;
3. os empregados devem ser cientificamente adestrados para aperfeiçoar suas aptidões e, portanto, executar um serviço ou tarefa de modo que a produção normal seja cumprida;
4. uma atmosfera de íntima e cordial cooperação deve ser cultivada entre a Administração e os trabalhadores, para garantir a continuidade desse ambiente psicológico

b) 2º Período
No segundo período corresponde à publicação do seu livro princípios da administração científica (1911), quando concluiu que a racionalização do trabalho operário deveria ser logicamente acompanhada de uma estruturação geral da empresa e que tornasse coerente a aplicação dos seus princípios. Taylor assegurava que as indústrias de sua época padeciam de males que poderiam ser agrupados em três fatores:
a) Vadiagem sistemática por parte dos operários, que reduziam propositadamente a produção a cerca de um terço da que seria normal, para evitar a redução das tarifas de salários pela gerência. Há três causas determinantes de vadiagem no trabalho:
• o engano disseminado entre os trabalhadores, de que maior rendimento do homem e da máquina terá como resultante o desemprego de grande número de operários;
• o sistema defeituoso de Administração, comumente em uso, que força os operários à ociosidade no trabalho, a fim de melhor proteger os seus interesses;
• os métodos empíricos ineficientes, geralmente utilizados em todas as empresas, com os quais o operário desperdiça grande parte do seu esforço e do seu tempo.
b) Desconhecimento, pela gerência, das rotinas de trabalho e do tempo necessário para sua realização.
c) Falta de uniformidade das técnicas ou métodos de trabalho.

6. Explique a administração como ciência.
Para Taylor, a organização e a Administração devem ser estudadas e tratadas cientificamente e não empiricamente; a improvisação deve ceder lugar ao planejamento e o empirismo, à ciência. Sua obra não deve ser avalizada em termos de um ou outro de seus elementos, mas, principalmente, pela importância da aplicação de uma metodologia sistemática na análise e na solução dos problemas de organização. O principal objetivo da Administração deve ser o de assegurar o máximo de prosperidade ao patrão e, ao mesmo tempo, o máximo de prosperidade ao empregado. O princípio da máxima prosperidade para o patrão acompanhada da máxima prosperidade para o empregado devem ser os dois fins principais da Administração. Assim, deve haver uma identidade entre empregados e empregadores.

7. Explique:

a) Organização racional do trabalho.
Taylor verificou que, em todos os ofícios, os operários aprendiam a maneira de executar as tarefas do trabalho por meio da observação dos companheiros vizinhos. Como, entre os diferentes métodos e instrumentos usados em cada trabalho, há sempre um método mais rápido e um instrumento mais adequado que os demais, estes métodos e instrumentos melhores podem ser encontrados e aperfeiçoados por uma análise científica e um acurado estudo de tempos e movimentos, em vez de ficar a critério pessoal de cada operário.

b) Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos.
A análise do trabalho refere-se à divisão e subdivisão de todos os movimentos necessários à execução de cada operação. A essa análise do trabalho seguia-se o estudo dos tempos e movimentos, ou seja, a determinação do tempo médio que um operário comum levaria para a execução da tarefa, por meio da utilização do cronômetro.

c) Conceito de eficiência.
Fazer bem e corretamente. O trabalho eficiente é um trabalho bem executado.

d) Estudo da fadiga humana.
O estudo movimentos baseia-se na anatomia e fisiologia humanas. Observou-se que a fadiga leva à uma certa diminuição da capacidade produtiva do operário, doenças e acidentes, e conseqüentemente diminuição da produtividade. Com este estudo pretendia-se racionalizar todos os movimentos, eliminando aqueles que produzem a fadiga.

e) Divisão do trabalho e especialização do operário.
Uma das decorrências do estudo dos tempos e movimentos foi a divisão do trabalho e a especialização do operário a fim de elevar sua produtividade. Com isto, cada operário passou a ser especializado na execução de uma única tarefa ou de tarefas simples e elementares, para ajustar-se aos padrões descritos e às normas de desempenho estabelecidas pelo método.

f) Desenho de cargos e tarefas.
É a maneira pela qual um cargo é criado e projetado e combinado com outros cargos para a execução das tarefas.

g) O que é uma tarefa.
É toda atividade executada por uma pessoa no seu trabalho dentro da organização. A tarefa constitui a menor unidade possível dentro da divisão do trabalho em uma organização.

h) O que é um cargo.
É o conjunto de tarefas executadas de maneira cíclica ou repetitiva.

i) Rotinização do trabalho.
A administração científica trouxe a preocupação com a racionalização do trabalho do operário e com o desenho dos cargos mais simples e elementares. A ênfase sobre as tarefas a serem executadas levou os engenheiros americanos a simplificarem os cargos no intuito de obter o máximo de especialização de cada trabalhador.

j) Incentivos salariais e prêmios de produção.
Para alcançar umas maior colaboração do empregado perante à empresa, Taylor e seus seguidores desenvolveram planos de incentivos salariais de prêmios de produção. A idéia básica era a de que a remuneração baseada no tempo não estimulava ninguém a trabalhar mais e de veria ser substituída por remuneração baseada na produção de cada operário.

k) Tempo padrão.
É o tempo médio necessário para o operário realizar a tarefa racionalizada – constitui o nível de eficiência equivalente a 100%.

l) Criação de riquezas.
Com o plano de incentivo salarial, Taylor procurava conciliar os interesses da empresa obter um custo de produção cada vez mais reduzido e, conseqüentemente, maior produtividade e maior rendimento com os interesses dos operários em obter salários mais elevados.

m) Homo Economicus.
Isto é, do homem econômico. Toda pessoa é concebida como influenciada exclusivamente por recompensas salariais, econômicas e materiais.

n) Condições de trabalho.
O conforto do operário e a melhoria do ambiente físico (iluminação, ventilação, aspectos visuais da fábrica, eliminação do ruído etc.) passaram a ser muito valorizados, não porque as pessoas o merecessem, mas porque eram essenciais para a obtenção da eficiência do trabalhador.

o) Padronização.
A organização racional do trabalho não se preocupou somente com a analise do trabalho, estudo dos tempos e movimentos, fadiga do operário, divisão do trabalho e especialização do operário e com os planos de incentivos salariais. Foi mais além, e passou a se preocupar também com a padronização dos métodos e processos de trabalho, com a padronização das máquinas e equipamentos, ferramentas e instrumentos de trabalho, matérias-primas e componentes, no intuito de reduzir a variabilidade e a diversidade no processo produtivo e, daí, eliminar o desperdício e aumentar a eficiência.

p) Conceito de padrão.
É uma unidade de medida adotada e aceita comumente como critério. A padronização é a aplicação de padrões em uma organização para obter uniformidade e redução de custos.

q) Supervisão funcional.
É a existência de diversos supervisores, cada qual especializado em determinada área e que tem autoridade funcional (relativa somente a sua especialidade) sobre os mesmos subordinados.

r) A divisão do trabalho e a especialização da supervisão.
A supervisão funcional representa a aplicação da divisão do trabalho e da especialização no nível dos supervisores e chefes. A administração funcional é um tipo de organização que permite que especialistas – e não-mestres – transmitam a cada operário o conhecimento e a orientação.

8. Quais são os princípios da administração cientifica segundo Taylor?
1 – Princípio do planejamento;
2 – Princípio do preparo;
3 – Princípio do controle;
4 – Princípio da execução.

9. Cite e explique os princípios básicos de Ford.
Henry Ford (1863-1947) fez uma das maiores fortunas do mundo graças ao constante aperfeiçoamento de seus métodos, processos e produtos. Por meio da racionalização da produção, idealizou a linha de montagem, o que lhe permitiu a produção em série, isto é, moderno método que permite fabricar grandes quantidades de um determinado produto padronizado. Na produção em série ou em massa, o produto é padronizado em seu material, mão-de-obra, desenho e ao mínimo custo possível. A condição precedente, necessária e suficiente para a existência da produção em massa, é a capacidade de consumo em massa, seja real ou potencial.
Ford adotou três princípios básicos:
a) Princípio de intensificação: consiste em diminuir o tempo de duração com o emprego imediato dos equipamentos e da matéria-prima e a rápida colocação do produto no mercado.
b) Princípio de economicidade: consiste em reduzir ao mínimo o volume do estoque da matéria-prima em transformação. A velocidade da produção deve ser rápida.
c) Princípio de produtividade: consiste em aumentar a capacidade de produção do homem no mesmo período (produtividade) por meio da especialização e da linha de montagem.

10. Explique o fordismo.
A racionalização da produção proporcionou a linha de montagem que permite a produção em série. Na produção em série ou em massa, o produto é padronizado, bem como o maquinário, o material, a mão-de-obra e o desenho do produto, o que proporciona um custo mínimo. Daí, a produção em grandes quantidades, cuja condição precedente é a capacidade de consumo em massa, seja real ou potencial, na outra ponta.

11. Explique:

a) Principio da intensificação.
Diminuir o tempo de duração com a utilização imediata dos equipamentos e matéria-prima e a rápida colocação do produto no mercado.

b) Principio da economicidade.
Reduzir ao mínimo o volume do estoque da matéria-prima em transformação, fazendo com que o automóvel fosse pago à empresa antes de vencido o prazo de pagamento dos salários e da matéria-prima adquirida. A velocidade de produção deve ser rápida.

c) Principio da produtividade.
Aumentar a capacidade de produção do homem no mesmo período (produtividade) por meio da especialização e da linha de montagem. O operário ganha mais e o empresário tem maior produção.

12. Por que Ford foi considerado um gênio do marketing?
Ford teve uma incrível intuição de marketing: concluiu que o mundo estava preparado para um carro financeiramente acessível. Em seguida, buscou as técnicas de produção em massa como a única forma de viabilizá-la. Então definiu o preço de venda e desafiou a organização a fazer com que os custos fossem suficientemente baixos para garantir aquele preço. Assim, deu ao mercado o que ele queria: modelos simples e acessíveis.

13. Explique o principio da exceção.
É um sistema de informação que acusa os resultados concretos que divergem ou se distanciam dos resultados previstos. O princípio da exceção se baseia em relatórios condensados e resumidos que mostram apenas os desvios ou afastamentos, omitindo as ocorrências normais, tornando-os comparativos e de fácil utilização e visualização.

14. Explique a apreciação critica da administração cientifica.
Uma nova revolução industrial foi provocada pela Administração Científica – a conseqüência imediata foi a redução no custo dos bens manufaturados, tornando-se disponível para as massas. No entanto inúmeras críticas são feitas à Administração Científica:

- O mecanismo de abordagem restringiu-se a tarefas e fatores do operário – como um arranjo rígido e estático de peças
- A superespecialização que robotiza o operário, privando o operário da satisfação do trabalho e violando a dignidade humana – trata-se de uma decomposição analítica das funções e a negação da visão da situação a cada nível
- Visão microscópica do homem, tomando-o isoladamente e como um apêndice da maquinaria industrial
- Ausência de comprovação científica de suas poucas pesquisas e experimentação científica para comprovar suas teses
- Abordagem incompleta da organização, ignorando a vida social interna dos participantes da organização – omite a organização informal e os aspectos humanos da organização
- Limitação do campo de aplicação – se restringiu aos problemas de produção na fábrica, não considerando os demais aspectos da vida da organização, como financeiro, comercial, logístico

Contudo, essas limitações e restrições não apagam o fato de que a Administração Científica foi o primeiro passo na busca de uma teoria administrativa...um passo pioneiro e irreversível...uma vez que as teorias que seguiram buscaram aprimorar os princípios da Administração Científica.

15. O que é mecanismo da administração cientifica?
A administração científica restringiu-se às tarefas e aos fatores diretamente relacionados com o cargo e a função do operário. Embora a organização seja constituída de pessoas, deu-se pouca atenção ao elemento humano e concebeu-se a organização como “um arranjo rígido e estático de peças”, ou seja, como uma máquina.

16. Explique à afirmativa “produtividade como conseqüência do conhecimento”? Taylor apregoava que a produtividade exigia que a execução fosse dissociada do planejamento, isto é, que fosse baseada no conhecimento tecnológico sistemático. A partir de seu trabalho resultou uma tremenda expansão do número de pessoas educadas requeridas para a força de trabalho e, por fim, em uma guinada no enfoque do trabalho, passando hoje do esforço físico para o conhecimento.

17. O que é a superespecialização do operário?
A especialização do operário, através da fragmentação das tarefas, torna supérflua sua qualificação: facilita-se com isso a seleção, o treinamento e a supervisão do pessoal. A partir daí, a divisão do trabalho contribui para facilitar a execução da tarefa e permitir a constante troca de indivíduos, além de incorporar forças de trabalho de nível mais baixo, ampliando o mercado de trabalho.

18. Explique a visão microscópica do homem.
O esquema de Taylor implica na proliferação do trabalho desqualificado que coexiste com uma estrutura administrativa monocrática, alienante, na qual a principal virtude é a obediência às ordens.

19. Explique:

a) A omissão do trabalho em grupo.
Uma das críticas é que Taylor perpetrou um erro ao basear seu sistema, visando à produtividade industrial, em princípio que individualiza cada operário em termos de suas relações com seus instrumentos de trabalho, companheiros e superiores, quando nenhum resultado de recentes pesquisas no terreno social-psicológico é mais impressionante do que a unanimidade de opinião quanto à importância do grupo informal.

b) A ausência de comprovação científica.
A Administração Científica é criticada por pretender criar uma ciência sem o cuidado de apresentar comprovação científica das suas proposições e princípios.

c) A abordagem incompleta da organização.
A Administração Cientifica é incompleta, parcial e inacabada, por se limitar apenas aos aspectos formais da organização, omitindo a organização informal e os aspectos humanos da organização.

d) Limitação do campo de aplicação.
A Administração Cientifica também ficou restrita aos problemas de produção na fábrica, não considerando os demais aspectos da vida da organização, como financeiros, comerciais, logísticos, etc. Além disso, o desenho de cargos e tarefas retrata suas concepções a respeito da natureza humana e se fundamenta em uma expectativa de estabilidade e previsibilidade das operações da organização.

e) Abordagem prescritiva e normativa.
A Administração Científica se caracteriza pela ocupação em prescrever princípios normativos que devem ser aplicados como receituário em todas as circunstâncias para que o administrador possa ser bem-sucedido.

f) Abordagem de sistema fechado.
Se caracteriza pelo fato de visualizar somente aquilo que acontece dentro de uma organização, sem levar em conta o meio ambiente em que ela está situada.

g) Pioneirismo na administração.
A Administração Cientifica constitui o ponto de partida da administração nos seguintes aspectos:

1 – É o primeiro esforço cientifico para analisar e padronizar os processos produtivos com o objetivo de aumentar a produtividade e a eficiência.
2 – Obteve enorme êxito na racionalização das empresas da época.
3 – Complementou a tecnologia da época, desenvolvendo técnicas e métodos que racionalizaram a produção logrando forte aumento da produtividade.

20. Quais são os alicerces fundamentais da administração cientifica.
1 – Comando e controle;
2 – Uma única maneira certa;
3 – Mão-de-obra, não recursos humanos;
4 – Segurança, não insegurança.

21. Faça um resumo da administração cientifica.
A administração científica é um modelo de administração criado pelo americano Frederick Winslow Taylor no fim do século XIX e início do século XX e que se baseia na aplicação do método científico na administração com o intuito de garantir o melhor custo/ benefício aos sistemas produtivos. Taylor procurava uma forma de elevar o nível de produtividade conseguindo que o trabalhador produzisse mais em menos tempo sem elevar os custos de produção. Assim, ele observou que os sistemas administrativos da época eram falhos. A falta de padronização dos métodos de trabalho, o desconhecimento por parte dos administradores do trabalho dos operários e a forma de remuneração utilizada foram as principais falhas estudadas por Taylor. Taylor propõe a racionalização do trabalho por meio do estudo dos tempos e movimentos. O trabalho deveria ser decomposto, analisado e testado cientificamente e deveria ser definida uma metodologia a ser seguida por todos os operários com a padronização do método e das ferramentas. Os operários deveriam ser escolhidos com base em suas aptidões para a realização de determinadas tarefas (divisão do trabalho) e então treinados para que executem da melhor forma possível em menos tempo. Taylor, também, defende que a remuneração do trabalhador deveria ser feita com base na produção alcançada, pois desta forma, ele teria um incentivo para produzir mais. Os 4 princípios fundamentais da administração científica:
• Princípio de planejamento;
• Princípio de preparo dos trabalhadores;
• Princípio de controle;
• Princípio da execução.

Capítulo 4

1. Explique a obra de Fayol.
A Administração como ciência tem de ser regida por uma serie de regras. De tal forma enumerou Fayol uma serie de princípios gerais a serem respeitados afastando-os de qualquer tipo de rigidez já que a administração e questão de medida e bom senso devendo ser adaptados a quaisquer circunstancias.
Assim, são princípios gerais da administração para Fayol:
1. Divisão do trabalho – consiste na especialização das tarefas e das pessoas para aumentar a eficiência;
2. Autoridade e responsabilidade – autoridade e o poder de dar ordens e o poder de esperar obediência. A Responsabilidade e o dever de prestar contas e uma conseqüência natural da autoridade. As duas devem estar equilibradas;
3. Disciplina – depende da obediência. Respeito as normas estabelecidas; 4. Unidade de comando – cada empregado deve receber ordens de somente um empregador. E o principio da autoridade única;
5. Unidade de direção – uma cabeça e um plano para cada grupo de atividades que tenham o mesmo objetivo;
6. Subordinação dos interesses individuais aos interesses gerais;
7. Remuneração do pessoal – deve ser justa e garantida para a satisfação dos empregados e para a organização em termos de retribuição;
8. Centralização – concentração da autoridade no topo da hierarquia da organização;
9. Cadeia escalar – e o principio do comando. Linha de autoridade que vai dos escalões mais altos para os mais baixos;
10. Ordem – um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar. Ordem material e humana;
11. Eqüidade – amabilidade e justiça para alcançar lealdade do pessoal;
12. Estabilidade do pessoal – a rotatividade tem um aspecto negativo sobre a eficiência do pessoal
13. Iniciativa - a capacidade de visualizar um plano e garantir pessoalmente o seu sucesso;
14. Espirito de equipe – união e harmonia entre as pessoas.

2. Segundo Fayol quais eram as funções básicas da empresa?
1 – Funções técnicas;
2 – Funções comerciais;
3 – Funções financeiras;
4 – Funções de segurança;
5 – Funções contábeis;
6 – Funções administrativas.

3. Quais funções básicas da empresa hoje?
Hoje, as funções recebem o nome de áreas da administração: assim, as funções administrativas recebem o nome de área de administração geral; as funções técnicas recebem o nome de área de produção, manufatura ou operações; as funções comerciais, de área de vendas/ marketing. As funções de segurança passaram para um nível mais baixo. As funções contábeis passaram a se subordinar às funções financeiras. E, finalmente, surgiu a área de recursos humanos ou gestão de pessoas.

4. Qual o conceito de administração?
Prever, organizar, comandar, coordenar e controlar.

5. Quais funções do administrador?
1 – Previsão;
2 – Organização;
3 – Comando;
4 – Coordenação;
5 – Controle.

6. Explique a organização formal.
É um sistema planejado de esforço cooperativo no qual cada participante tem um papel definido a desempenhar e deveres e tarefas a executar. Abrange problemas de estruturas, normas, métodos e processos de trabalho, como concebidos pelos criadores da organização.

7. Qual a diferença em administração e organização?
Administração é um todo do qual a organização é uma das artes. O conceito amplo de administração, como um conjunto de processos entrosados e unificados abrange aspectos que a organização por si só não envolveria, tais como previsão, comando e controle.
Organização como unidade ou entidade social, ou qualquer empreendimento humano moldado intencionalmente para atingir determinados objetivos.

8. Quais são os princípios gerais da organização?
1 – Organização como uma entidade social na qual as pessoas interagem entre si para alcançar objetivos específicos.
2 – Organização como função administrativa e parte do processo administrativo.

9. Explique a administração como ciência.
Pretendia-se elaborar uma Ciência da Administração. Fayol defendia a necessidade de um ensino organizado e metódico da administração, de caráter geral para formar administradores.

10. O que é a teoria da organização?
A Teoria Clássica concebe a organização como se fosse uma estrutura. Essa maneira de conceber a estrutura organizacional é influenciada pelas concepções antigas de organização tradicionais, rígidas e hierarquizadas.

11. Explique o principio escalar.
Baseia-se no princípo da unidade de comando, que significa que cada empregado deve se reportar a um só superior.

12. Faça um resumo da obra de Fayol.
Henri Fayol (1841 - 1925) nasceu em Constantinopla e faleceu em Paris. Aos 19 anos formou-se em engenharia de minas indo trabalhar em uma indústria de mineração de carvão e aço - Compagni Comenantry Four Chambault et Decazeville - onde desenvolveu toda sua carreira. Começou como engenheiro e terminou como diretor da mesma empresa (1888 a 1918), salvando-a de uma situação difícil.
Criou o Centro de Estudos Administrativos, onde se reuniam semanalmente pessoas interessadas na administração de negócios comerciais, industriais e governamentais. Fayol desenvolveu um conjunto de "princípios de administração geral" que considerava útil para toda situação administrativa em qualquer tipo de empresa. No prefácio de seu livro afirma que: "A administração constitui fator de grande importância na direção dos negócios: de todos os negócios, grandes ou pequenos, industriais, comerciais, políticos, religiosos ou de qualquer outra índole. " (Fayol, p.19). Seu livro "Administração Geral e Industrial" (1916) somente foi publicado quando tinha 70 anos e está dividido em duas partes: a primeira trata da importância do ensino da administração e a segunda sobre os princípios e elementos da administração. A partir da Primeira Guerra Mundial, o Fayolismo adquiriu impulso e popularidade, tornando-se conhecido como "uma escola de chefes". Os outros trabalhos do autor são pouco conhecidos e seus maiores divulgadores são Lyndall Urwick e Luther Gulick.

13. Faça um comparativo da obra de Taylor com a de Fayol.
Tayor tinha uma visão mecanicista e racionalista em relação aos empregados. Segundo ele, era possível medir o tempo necessário para execução de cada uma destas tarefas e, com isso, determinar um padrão para todos os trabalhadores, pois os homens são vistos como adjunto da máquina no desempenho de tarefas produtivas e devem almejar unicamente a riqueza da empresa, como bem de todos.

Para Fayol os princípios de administração eram mais flexíveis, ele prezava o fator humano, sempre presente nas organizações e, apesar de ter considerado a teoria de Taylor um tanto rígida, concordou que sua obra complementou a teoria de Tayor.
Fayol defendia a harmonia entre os empregados, os incentivos materiais e salariais.
Para alguns, Fayol é considerado, hoje, o pai da administração moderna.

Capítulo 5

1. Quais as criticas a Abordagem clássica?
A Teoria Clássica pretendera desenvolver uma nova filosofia empresarial, uma civilização industrial, na qual a tecnologia e o método de trabalho constituem as preocupações básicas do administrador. Todavia, apesar da hegemonia da Teoria Clássica e do fato de não ter sido questionada por nenhuma outra teoria administrativa durante as quatro primeiras décadas do século XX, seus princípios em sempre foram pacificamente aceitos. Em um país democrático, como os Estados Unidos, os trabalhadores e sindicatos passaram a visualizar e interpretar a Administração Científica como um meio sofisticado de exploração de empregados a favor dos interesses patronais.

2. Quais as origens da Teoria das Relações Humanas?
A Teoria das Relações Humanas tem suas origens nos seguintes fatos:

1 – A necessidade de humanizar e democratizar a administração;
2 – O desenvolvimento das ciências humanas;
3 – As idéias da filosofia pragmática de John Dewey e da Psicologia Dinâmica de Kurt Lewin;
4 – As conclusões da Experiência de Hawthorne.

3. Explique a experiência de Hawthorne.

a) Primeira Fase
Na primeira fase da experiência foram escolhidos dois grupos de operários que faziam o mesmo trabalho e em condições idênticas: um grupo de observação trabalhava sob intensidade de luz variável, enquanto o grupo de controle tinha intensidade constante. Pretendia-se conhecer o efeito da iluminação sobre o rendimento dos operários. Os observadores não encontraram correlação direta entre ambas as variáveis, mas verificaram, desapontados, a existência de uma variável difícil de ser isolada, denominada fator psicológico.

b) Segunda Fase
A segunda fase da experiência começou em 1927. Foi criado um grupo de observação (ou grupo experimental): cinco moças montavam os relés, enquanto uma sexta operaria fornecia as peças para abastecer o trabalho. A sala de provas era separada do departamento (onde estava o grupo de controle) por uma divisão de madeira. O equipamento de trabalho era idêntico ao utilizado no departamento, apenas incluindo um plano inclinado com um contador de peças que marcava a produção em fita perfurada. A produção foi o índice de comparação entre o grupo experimental (sujeito a mudanças nas condições de trabalho) e o grupo de controle (trabalho em condições constantes).

c) Terceira Fase
Preocupados com a diferença de atitudes entre as moças do grupo experimental e as do grupo de controle, os pesquisadores se afastaram do objetivo inicial de verificar as condições físicas de trabalho e passaram a se fixar no estudo das relações humanas no trabalho. Verificaram que, no grupo de controle, as moças consideravam humilhante a supervisão vigilante e constrangedora.

4. O que é organização informal?
É o conjunto de grupos espontâneos que existe em toda organização e que condiciona fortemente o comportamento de seus membros.

5. Explique as conclusões da experiência de Hawthorne.
Após tal experiência o homem passou a ser considerado como o fator mais importante no processo produtivo e mostrou-se que elementos psicológicos, motivacionais e grupais influenciam na produtividade e procedimentos do indivíduo, dando origem ao que conhecemos nos dias atuais por trabalho em equipe. Tudo isso culminou nas seguintes conclusões:
• O trabalho deve ser realizado em atividade grupal;
• A produtividade cresce de acordo com a satisfação nas necessidades humanas e não pelo autoritarismo ou por recompensas salariais de produção;
• O empregado reage como membro do grupo;
• O objetivo da administração é formar chefias comunicativas, democráticas, persuasivas e compreensivas.
• A importância do conteúdo do cargo: trabalhos simples e repetitivos tornam-se monótonos, reduzindo a satisfação e eficiência do trabalhador;

6. Qual a diferença da abordagem social da abordagem não individual?
Significa que a administração não pode tratar os empregados, um a um, como se fossem átomos isolados. Precisa sim tratá-los como membros de grupos sujeitos às influências sociais desses grupos. Os trabalhadores não reagem à administração, a suas decisões, normas, recompensas e punições como indivíduos isolados, mas como membros de grupos sociais e cujas atitudes são influenciadas por códigos de conduta grupal.

7. Explique:

• A civilização industrializada e o homem.
1 – O trabalho é uma atividade tipicamente grupal;
2 – O operário não reage como indivíduo isolado, mas como membro de um grupo social;
3 – A tarefa básica da administração é formar uma elite capaz de compreender e de comunicar;
4 – Somos tecnicamente competentes como nenhuma outra idade na História o foi, e combinamos isso com uma total incompetência social;
5 – O ser humano é motivado pela necessidade de “estar junto”, de “ser reconhecido”, de receber adequada comunicação.
6 – A civilização industrializada traz como conseqüência a desintegração dos grupos primários da sociedade, como a família, os grupos informais e a religião.

8. Quais as funções básicas da organização industrial?
1 – Função econômica;
2 – Função social;
3 – Equilíbrio externo;
4 – Equilíbrio interno.

9. Qual a contribuição da escola de relações humanas?
Essa escola foi basicamente um movimento em oposição à Teoria Clássica de Administração. Nasceu da necessidade de corrigir-se a tendência à desumanização do trabalho decorrente da aplicação de métodos rigorosos, científicos e precisos aos quais os trabalhadores deveriam submeter-se. Naquela época, num país eminentemente democrático como os EUA, já se observava a reação dos trabalhadores e seus sindicatos contrária a Administração Científica que era interpretada como um meio sofisticado de exploração dos empregados em favor de interesses patronais. Nesta abordagem, o indivíduo deixa de ser visto como uma peça da máquina e passa a ser considerado como um todo, isto é um ser humano, com os seus objetivos e inserção social própria.
As investigações nas relações humanas incluíram psicólogos, sociólogos, antropólogos, cientistas políticos, professores e praticantes de administração. A abrangência de seus assuntos foi extensa, mas poucas áreas foram evidenciadas.

10. Explique:

a) O estudo motivação humana.
A motivação procura explicar por que as pessoas se comportam. Com a Teoria das Relações Humanas passou-se a estudar a influência da motivação no comportamento das pessoas.

b) Moral e clima organizacional.
O moral é uma decorrência do estado motivacional provocado pela satisfação ou não das necessidades individuais das pessoas. Pode ocorrer a elevação do moral (quando as necessidades são satisfeitas) e abaixamento do moral (quando as necessidades são frustradas). O moral é responsável pela atitude das pessoas. O moral elevado é acompanhado de uma atitude de interesse, identificação, aceitação, entusiasmo e impulso positivo em relação ao trabalho, além da diminuição de problemas. O moral baixo é acompanhado por atitudes de interesse, negação, rejeição, pessimismo e apatia em relação ao trabalho. Do conceito de moral decorre o conceito de clima organizacional que é o ambiente psicológico e social que existe em uma organização e que condiciona o comportamento de seus membros.

c) Liderança.
É o processo de conduzir um grupo de pessoas, transformando-o numa equipe que gera resultados. É a habilidade de motivar e influenciar os liderados, de forma ética e positiva, para que contribuam voluntariamente e com entusiasmo para alcançarem os objetivos da equipe e da organização. Assim, o líder diferencia-se do chefe, que é aquela pessoa encarregada por uma tarefa ou atividade de uma organização e que, para tal, comanda um grupo de pessoas, tendo autoridade de mandar e exigir obediência. Para os gestores atuais, são necessárias não só as competências do chefe, mas principalmente as do líder. A liderança é importante para os gestores devido ao papel fundamental que os líderes representam na eficácia do grupo e da organização. Os líderes são responsáveis pelo sucesso ou fracasso da organização. Liderar não é uma tarefa simples. Pelo contrário. Liderança exige paciência, disciplina, humildade, respeito e compromisso, pois a organização é um ser vivo, dotado de colaboradores dos mais diferentes tipos. Dessa forma, pode-se definir liderança como o processo de dirigir e influenciar as atividades relacionadas às tarefas dos membros de um grupo. Porém, existem três implicações importantes nesta definição.
Primeira: a liderança envolve outras pessoas, o que contribuirá na definição do status do líder.
Segunda: a liderança envolve uma distribuição desigual de poder entre os líderes e os demais membros do grupo.
Terceira: a liderança é a capacidade de usar diferentes formas de poder para influenciar de vários modos os seguidores.
De fato, os líderes influenciam seguidores. Por este motivo, muitos acreditam que os líderes têm por obrigação considerar a ética de suas decisões. Apesar de a liderança ser importante para a gerência e estreitamente relacionada a ela, liderança e gerência não são os mesmo conceitos. Planejamento, orçamento, controle, manutenção da ordem, desenvolvimento de estratégias e outras atividades fazem parte do gerenciamento. Gerência é o que fazemos. Liderança é quem somos. Uma pessoa pode ser um gerente eficaz, um bom planejador e um gestor justo e organizado e, mesmo assim, não ter as capacidades motivacionais de um líder. Ou simplesmente pode ocorrer o contrário. Uma pessoa pode ser um gerente ineficaz, porém, em contrapartida, ter as habilidades necessárias para um bom líder. Entre os desafios apresentados pelo ambiente mutável, as organizações estão valorizando cada vez mais os gerentes que possuem habilidades de liderança. Qualquer pessoa que aspire a ser um gerente eficaz deve também se conscientizar de praticar e desenvolver suas habilidades de liderança.

d) A importância da comunicação.
É a troca de informações entre indivíduos, tornar comum uma mensagem ou informação. A comunicação requer um código para formular uma mensagem, enviá-la na forma de sinal, por meio de um canal, para um receptor que a codifica e interpreta seu significado. O enfoque das Relações Humanas mostrou que as comunicações, dentro das organizações são falhas e compeliu os administradores a:
• Assegurar a participação das pessoas dos escalões inferiores na solução dos problemas da empresa;
• Incentivar franqueza e confiança entre indivíduos e grupos nas empresas;
A comunicação é uma atividade administrativa que possui dois propósitos:
• Proporcionar informação e compreensão necessárias para que as pessoas possam se conduzir em sua tarefas;
• Proporcionar as atitudes necessárias que promovam a motivação, cooperação e satisfação nos cargos;
e) As origens da organização informal.
Os grupos informais, também chamados de grupos de amizades, se organizam naturalmente por meio de adesões espontâneas de pessoas com que eles se identificam. Existem quatro fatores que condicionam os grupos informais:
• Os interesses comuns das pessoas que, através deles, passam a se sintonizar mais intimamente;
• A interação provocada pela própria organização formal. O cargo que cada pessoa ocupa dentro da empresa exige contatos e relações formais com outras pessoas.
• A flutuação do pessoal dentro da empresa provoca a alteração dos grupos sociais informais. As interações se alteram e com elas os vínculos humanos. Os novos empregados são integrados pelos mais antigos para se adaptarem e se submeterem aos padrões sociais do grupo.
• Os períodos de lazer, ou seja, tempo livre permitem a interação entre as pessoas que estabelece e fortalece os vínculos sociais entre elas.

f) Organizacional informal.
Conjunto de relações sociais, que surgem de forma espontânea e que não está prevista em regulamento e organogramas.

g) Grupos informais.
Constituem a organização humana da empresa, muitas vezes em contraposição à organização formal estabelecida pela direção.

h) Dinâmica de grupo.
Os processos grupais e os hábitos sociais não são estáticos: um grupo pode compensar a ausência de um colega pela contribuição aumentada dos outros membros. O grupo não é apenas um conjunto de pessoas, mas envolve sua interação dinâmica. Ele apresenta as seguintes características: finalidade (objetivo comum), estrutura dinâmica de comunicação e uma coesão interna. Dinâmica de grupo é a "soma de interesses" dos componentes do grupo e que pode ser "ativada" por meio de estímulos e motivações. As relações podem ser intrínsecas (interpessoais) ou extrínsecas (quando envolve outros grupos). As pessoas desejam mais do que Ter amigos, desejam participar de um papel dentro da organização. O grupo formado por um menor número de pessoas tende a um moral mais elevado pois nos maiores ocorre uma grande dificuldade na comunicação. Os grupos se caracterizam por relações humanas entre seus membros. Saber lidar com as pessoas passou a ser um dos maiores problemas da empresa, a fim de se obter o maior rendimento. O administrador deve ser capaz de criar condições para que seu pessoal atinja os seus objetivos individuais. "Praticar relações humanas significa muito mais do que estabelecer ou manter contatos com os outros indivíduos. Significa estar condicionado nessas relações por uma atitude, um estado de espírito, ou uma maneira de ver as coisas, que permita compreender as pessoas, respeitando sua personalidade, que sem dúvida é diferente da nossa".

i) Relações humanas no trabalho.
São as ações e as atitudes desenvolvidas a partir dos contatos entre pessoas e grupos.

j) Apreciação critica da teoria das relações humanas.
* Oposição Cerrada à Teoria Clássica: a Teoria Clássica tende a valer para condições e situações mais estáveis enquanto a Teoria das Relações Humanas é mais apropriada às condições e situações dinâmicas e mutáveis.
* Inadequada visualização dos problemas de Relações Industriais: os autores clássicos acreditavam na perfeita compatibilidade entre os interesses da empresa e os dos empregados, os autores da Escola das Relações Humanas consideravam o conflito industrial indesejável, procuravam promover a harmonia industrial.
* Concepção ingênua e romântica do operário: falsa impressão do trabalhador feliz, produtivo e integrado no ambiente de trabalho.
* Limitação do campo experimental: a fábrica, esquecendo de bancos, hospitais, universidade. "A Escola das Relações Humanas só examina as relações homem X grupo na área da empresa, mas não as ultrapassa".
* Parcialidade das conclusões: restringiu-se à organização informal, escassez de variáveis, desequilíbrio de afirmações.
* Ênfase nos grupos informais: concentra-se no estudo dos grupos primários, supervaloriza a coesão grupal como condição de elevação da produtividade. Pesquisas mostram que a coesão do grupo não está necessariamente correlacionada com o aumento de produtividade, podendo ser até disfuncional, integrando o grupo contra a direção.

11. Faça um comparativo de Taylor, Fayol e a teoria das relações humanas.
Taylor – Vigorava o sistema de pagamento por peça ou por tarefa. Os patrões procuravam ganhar o máximo na hora de fixar o preço da tarefa, enquanto os operários reduziam o ritmo de produção para contrabalançar o pagamento por peça determinado pelos patrões. Isso levou Taylor a estudar o problema de produção para tentar uma solução que atendesse tanto aos patrões como os empregados.

Fayol – É o fundador da Teoria Clássica, para ele a empresa apresenta seis funções, que são elas: funções técnicas, comerciais, financeiras, de segurança, contábeis e administrativas.

Teoria das Relações Humanas – A Teoria das Relações Humanas surgiu nos Estados Unidos no início do século XX, como conseqüência das conclusões da experiência de Hawthorne desenvolvida por Elton Mayo e colaboradores. Foi um movimento de reação e oposição a Teoria Clássica da Administração, tentando corrigir a tendência a desumanização do trabalho com a aplicação de métodos científicos e precisos.
Devido as empresas da época apresentarem grande número de problemas como: alto grau de acidente de trabalho; fadiga do empregado; alto grau de refugos e quebras; alto grau de Turn-over (quando há uma troca muito grande de funcionários dentro da empresa); produtividade inconstante; relacionamento com chefias; greves e outros problemas que o incentivo salarial já não resolvia. Teve como ponto de partida a experiência de Hawthorne.

12. Explique o administrador como líder.
O administrador é um líder que possui as qualidades básicas, mas principalmente três delas de forma reforçada: eficiência, capacidade de traçar metas e prioridades e a capacidade de adaptação rápida à mudança, o que o torna mais estável nessa posição. O líder também sempre deve estar apto a aprender mais, seja com os seus aprendizes ou com alguém superior. Ele nunca pode parar de absorver informações, avaliá-las e aplicá-las na organização.

Avalie este artigo:
(21)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração