Você sabe qual o primeiro passo para um posicionamento de mercado eficaz?

A resposta é simples e talvez desconhecida por muitos.

Antes mesmo de se instruir com Philip Kotler, Michael Porter e W. Chan Kim é necessário fazer uma pesquisa de viabilidade de registro de marca.
Já imaginou ter um ótimo posicionamento de mercado em cima de uma marca e ter que trocá-la de uma hora para outra?


Basicamente, uma marca serve para distinguir um produto ou serviço de uma empresa com os de outras empresas, ou seja, os demais players do mercado.
Consoante à legislação, marca é todo sinal visualmente perceptível que identifica e distingue produtos e serviços, bem como certifica a conformidade dos mesmos com determinadas normas ou especificações técnicas.
Obviamente, no cenário competitivo a marca vai muito além de distinguir um produto de outro, e sim de criar identidades, diferenciais e fixar um conceito na mente do consumidor.


A estratégia do posicionamento de mercado, imagem que o consumidor tem perante a empresa ou marca, começa por uma simples pesquisa de viabilidade para saber se ela já não está registrada por outra empresa. Essa pesquisa é feita perante o Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI.


Imagine a seguinte situação, você começa a injetar recursos financeiros em uma marca para promovê-la, ela começa a se destacar, ganhar mercado e tudo vai transcorrendo perfeitamente, pois a estratégia foi muito bem planejada. Mas, certo dia você recebe uma notificação para cessar o uso da marca. Então você procura um especialista na área que realmente confirma o uso indevido. Pronto, foi construído um castelo de areia que pode se desmoronar a qualquer momento.


Ao longo da minha jornada, atuando como consultor em Propriedade Industrial, assisti a empreendedores desesperados clamando por uma solução. Muitas vezes, a única saída é trocar de marca e ter que explicar isso a todos os stakeholders da empresa não deve ser uma tarefa simples e muito menos agradável.


Tudo isso seria evitado com uma pesquisa de viabilidade de registro de marca antes de iniciar o uso, pois se ela já existisse era só pensar em outra marca, sendo uma decisão simples é prática. Todavia, depois que ela está em uso é um transtorno enorme que pode por em cheque o destino de uma empresa. Além de ter que fazer o desuso ainda é possível ter que pagar indenizações para quem possui o registro da marca. Pior que não é possível alegar que custa caro, pois uma simples pesquisa não tem custo e em poucos minutos é possível ter um diagnóstico do que pode acontecer com o futuro da marca.
O que falta é criarmos a cultura do registro e nós gestores e administradores temos a obrigação de difundir essa informação.


O registro de marca garante uma proteção a nível nacional, e convenhamos, o Brasil é um país enorme e por isso não é incomum alguém ter a mesma ideia que você.
Por conseguinte, não se esqueça, antes de abrir qualquer negócio faça uma pesquisa de viabilidade.
Equívocos em definições estratégicas e em tomadas de decisões são normais, pois não existe apenas uma alternativa correta; erros em procedimentos administrativos como a pesquisa de marca, porém, são inadmissíveis.


Depois da pesquisa e do registro é o momento de pôr em prática de forma segura todo o know how para ficar bem posicionado perante o consumidor.
Acerca do posicionamento de mercado, que é um assunto amplo, vou dar apenas uma dica valiosa: Não importa o que você acha da sua empresa se o seu cliente não concordar com você, pense sempre com a cabeça do cliente!

Avalie este artigo:
(4)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração