7 razões que fazem do voluntariado o passaporte para o trabalho

No Dia Internacional do Voluntariado, analisamos por que candidatos que fazem trabalhos voluntários são mais propensos a serem escolhidos no processo de seleção para vaga de trabalho.

iStock

De acordo com uma pesquisa realizada pela Consultoria Deloitte com mais de 500 pessoas, 81% dos executivos de RH consideram que a experiência adquirida em trabalhos voluntários é levada em conta na hora de avaliar um candidato. No caso de profissionais recém-formados, 76% consideram que o voluntariado faz com que ele se torne mais atraente para os recrutadores.

Um estudo da CNCS (The Corporation for National Community Service), uma agência federal norte-americana que promove o voluntariado, que rastreou mais de 70.000 pessoas desempregadas entre 2002 e 2012, concluiu que aqueles que faziam trabalho voluntário tiveram uma chance 27% maior de encontrar um emprego do que aqueles que não praticavam trabalho voluntário.

Em várias conversas que tenho tido com recrutadores, sempre escuto que a experiência com voluntariado é um forte critério na seleção e até um fator decisivo para escolher profissionais principalmente para aqueles que estão no inicio de carreira concorrendo para cargos de posição inicial.

Qualidades fundamentais em qualquer ambiente corporativo como facilidade de relacionamento interpessoal, vontade de servir o cliente, iniciativa, espírito de equipe e visão sistêmica são atributos que voluntários naturalmente trazem arraigados em sua experiência pois são essenciais ao seu trabalho solidário. Que empresa não desejaria contar com alguém com estas qualidades?

Assim, candidatos com experiência em trabalho voluntário são efetivamente “front runners” para conquistar a vaga no processo de seleção. Afinal, eles demonstram que enfrentaram realidades desafiadoras, precisaram ser criativos para encontrar soluções em meio a escassez de recursos e trabalharam apaixonados pelo ideal de contribuir para um mundo melhor.

Por que o trabalho voluntário pode ajudar você a ser contratado?

Uma razão, de acordo com os autores do estudo "O voluntariado como caminho para o emprego", é a de adquirir habilidades ou conhecimento como voluntário e colocá-los em prática pode "demonstrar níveis mais altos de capacidade, potencialmente tornando o voluntário mais atraente e produtivo para os empregadores”.

Muitas habilidades e competências que as empresas esperam dos novos colaboradores tais como iniciativa, trabalho em equipe, resiliência, empatia, foco no cliente e servir o público... são atributos que estão presentes no trabalho voluntário. Alguém que atua, por exemplo, numa favela na periferia, enfrentando todo tipo de carências e condições adversas, acaba desenvolvendo in loco habilidades e competências para solucionar os problemas, sanar as dificuldades e entregar os resultados necessários. Estas habilidades se tornam requisitos para a atividade voluntária e o indivíduo vai refinando-as a medida que suas horas de voluntariado vão aumentando.

Os voluntários representam um dos mais importantes recursos que a sociedade possui como opção para efetuar mudanças reais e agirem como verdadeiros protagonistas das soluções socioambientais que o mundo precisa neste século. Enquanto você lê este artigo, milhões de pessoas estão sendo beneficiadas com educação, água, alimentos, saúde e habitação graças ao trabalho de milhões de voluntários em todo o mundo.

Segundo o Johns Hopkins Center for Civil Society Studies, 140 milhões de pessoas trabalham como voluntários em todo o mundo (dados de 2011), contribuindo segundo estimativas com cerca de 400 bilhões de dólares para a economia global.

De acordo com o IBGE, no Brasil, o trabalho voluntário cresceu 12,9% de 2016 para 2017. Atualmente 7,4 milhões de pessoas realizam trabalho voluntário, o equivalente a 4,4% da população de 14 anos ou mais.

Outra razão são as referências que um voluntário pode receber da organização sem fins lucrativos para a qual trabalha. Organizações do Terceiro Setor podem avaliar a qualidade do trabalho realizado pelo voluntário e recomendar as habilidades e competências do candidato.

Um estudo da Universidade de Auburn, Alabama, EUA, concluiu que candidatos que fazem trabalhos voluntários são mais motivados e éticos do que aqueles que não fazem.

As empresas também tem aumentado seus objetivos e esforços de responsabilidade social e sustentabilidade, adotando entre suas estratégias, a prática de programas de voluntariado empresarial. Essas organizações já perceberam que estes programas além de contribuírem para a solução de problemas socioambientais e melhorarem a reputação da empresa no mercado, impactam também a sua performance interna, tanto no âmbito da gestão de pessoas, que obtém colaboradores com habilidades e competências mais desenvolvidas, como no nível dos resultados econômico-financeiros, que acabam sendo superiores.

Nos Estados Unidos, por exemplo, estima-se que 60% das médias e grandes empresas possuam programas de voluntariado empresarial. Também, que este tipo de programa é um dos que mais aceleradamente cresce nas empresas.

Por que as empresas encorajam o voluntariado?

Para desenvolver as habilidades e competencias de seus colaboradores, e também para desenvolver a dimensão cidadã de seus funcionários. Outro motivo inclui cultivar uma cultura organizacional alinhada com a visão de consciência socioambiental e desenvolvimento sustentável.

Em nosso artigo “Voluntariado Empresarial Desenvolve Competências Profissionais” aprofundamos sobre as habilidades e competências dos voluntários.

Em linha com o primeiro motivo, um estudo feito pela Universidade de Emory, EUA, identificou inclusive competências de gestão que são exigidas e podem ser desenvolvidas no trabalho voluntário, tais como: comunicação, coordenação de equipes, planejamento, tomada de decisão, relacionamento interpessoal, gestão do tempo, negociação, capacidade de análise e coaching.

O benefício extra de ser voluntário

De todos os benefícios relacionados a empregabilidade do voluntário, existe um que mais se destaca: o espírito de ser voluntário.

O voluntariado ajuda a elevar o espírito dos candidatos a emprego, fazendo-os sentirem-se necessários e produtivos. Esse é um benefício psicológico importante para as pessoas que lidam com uma busca de emprego prolongada. Afinal manter uma mentalidade positiva é, sem dúvida, o elemento mais importante de sucesso para encontrar trabalho.

7 razões que fazem do voluntariado o passaporte para o trabalho


1. Você adquire novas habilidades.

As atividades que envolvem o trabalho voluntário, cuja natureza solidária e colaborativa, é dirigido para a solução de problemas e necessidades sociais, desenvolvem naturalmente habilidades como relacionamento interpessoal, iniciativa, trabalho em equipe, empatia, resiliência, visão sistêmica, capacidade de servir, etc.

2. Desenvolve o protagonismo.

O empenho (intensivo) na solução de graves problemas sociais ou ambientais que (podem) demandar médio ou longo prazo exigem alta performance e motivação intrínseca do voluntário. Isso exige total dedicação, entrega e comprometimento. O voluntário é o agente da transformação, o protagonista da mudança.

3. O voluntariado estimula o comprometimento.

Por mais valioso que seja o voluntariado, é importante lembrar que alguns tipos de trabalho não remunerado em organizações sem fins lucrativos são melhores que outros para garantir seu próximo emprego remunerado. Ao doar seu tempo para uma causa e querer transformar a realidade, o voluntário está colocando seu corpo e alma sem desejar algo em troca. Ele está totalmente comprometido com a causa.

4. O trabalho voluntário aumenta o networking.

O voluntariado permite expandir sua rede de contatos com facilidade e eficácia. Como voluntário, você se relacionará com gestores e funcionários da ONG, outros voluntários, com a comunidade, profissionais e outros...Encontrar um emprego nos dias de hoje é sobretudo uma questão de networking. E quando você é voluntário, você obtém acesso a pessoas que talvez não conhecesse, criando oportunidades para desenvolver relacionamentos positivos fora de um ambiente de trabalho tradicional. Esses contatos podem ser pessoas que podem contratá-lo ou que podem encaminhá-lo a outras pessoas com vagas de emprego.

5. Você desenvolve a visão sistêmica.

Quando o voluntário se envolve em uma causa social ou ambiental, ele se insere em um ambiente complexo, no qual múltiplas variáveis se interconectam entre si e formam um contexto dinâmico. Este contexto deverá ser analisado e compreendido por ele, para que então ele possa intervir e ajustar, buscando ajudar as pessoas que estejam sofrendo os impactos negativos do ambiente socioambiental.

6. Você aprende a analisar e resolver problemas complexos.

Ao se envolver com uma causa social ou ambiental, o voluntário se aprofunda em uma questão complexa, enxergando suas ramificações, suas causas e suas consequências. Trabalhando em equipe, ele traça um plano de ação integrado para resolver o problema e envolve as partes interessadas para a execução coordenada das estratégias de implementação.

7. Sua autoconfiança aumenta.

O voluntário sente-se motivado, autoconfiante e apaixonado pelo que faz. Sua motivação é intrínseca, isto é, a fonte de querer fazer o trabalho voluntário é algo que vem de dentro, é uma força interior que o move para querer fazer o que faz. Essa atitude gera bem-estar e autoconfiança pessoal.

Pode-se dizer que o trabalho voluntário gera um triplo ganho. Ele é bom para o voluntário, ou como abordamos neste texto, para o candidato que pratica o trabalho voluntário, pois ele será um profissional diferenciado, com habilidades e competências que lhe beneficiarão por ser escolhido para a vaga em uma seleção de emprego. Ele é bom para a empresa que terá melhor reputação e obterá melhores resultados com o desempenho de colaboradores com melhores habilidades e competências.
E, por fim, ele é bom para a comunidade, que se beneficia dos recursos e dos conhecimentos que obtém do trabalho dos voluntários.

 

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(0)
Tags: Competencias Gestão de Pessoas Recrutamento e Seleção Recursos Humanos Responsabilidade Social Sustentabilidade Voluntariado