Você precisa aprender inglês se quiser ter um negócio vencedor

Com apoio de ferramentas e plataformas acessíveis na internet é possível criar rotina produtiva de aprendizado

Publieditorial,
iStock

Você deve ter escutado durante toda sua vida que aprender um segundo idioma seria algo importante para sua carreira no futuro. Pois bem: esse futuro já chegou. E essa outra língua que você precisa dominar é, principalmente, o inglês. Ah, e tem mais: se você empreende ou integra alguma equipe no mundo das startups, a necessidade é ainda maior.

Os mercados estão cada vez mais internacionalizados. Do cliente estrangeiro à ferramenta gringa que você usará para analisar relatórios, muita coisa exigirá que você compreenda bem o idioma estrangeiro. O inglês se consolidou como uma espécie de língua universal e é o que hoje conecta empresas e profissionais das mais diferentes nacionalidades.

No segmento das startups, isso é mais enfático. Primeiro, porque mesmo no dia a dia da empresa aqui no Brasil é muito comum o uso de termos em inglês. E você precisa compreendê-los para lidar com parceiros, desenvolver estratégias e, principalmente, encontrar investidores.

Em uma reportagem publicada recentemente pela Gazeta do Povo, a mentora de startups e coordenadora do Centro de Empreendedorismo da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), Alessandra Andrade, ressalta a importância do idioma para as startups. “Essas empresas devem ter condições de se comunicar com grandes players: devem pensar em inglês, ter domínio para poder assinar contratos, entender o que estão assinando, as responsabilidades e com o que estão se comprometendo”, afirma.

'Um dos primeiros tipos de documentos dessas parcerias é o NDA, que é um acordo de confidencialidade. É muito importante saber de todos os riscos que correm e o que podem esperar”, ressalta Alessandra.

Investimento estrangeiro

Hoje, há muitos empreendedores brasileiros no Vale do Silício e outros mercados de empreendedorismo de alto impacto. Isso tem aberto portas importantes e criado pontos entre o nosso país e oportunidades internacionais. Muitos investidores estrangeiros têm olhado e colocado dinheiro em startups brasileiras. Mas como você vai entrar nesse radar sem conseguir fazer uma apresentação em inglês, conversar com investidores de outros países ou mesmo sequer ler um edital estrangeiro?

“Não adianta querer fechar negócio com inglês de balada. É bem mais complicado que conquistar a atenção de alguém em um bar”, ressalta Alessandra Andrade.

Informação

Outro dado importante é que quem empreende ou atua numa empresa de alto impacto precisa estar bem informado. Saber antecipadamente o que está acontecendo no mundo é estratégico. E isso só é possível se você souber ler e ouvir em inglês. Acompanhar os principais sites de sua área, analisar relatórios e assistir a análises são atividades muito importantes.

A propósito, uma iniciativa da Wise Up em parceria com a Gazeta do Povo merece atenção nesse ponto. Com o objetivo de estimular o estudo diário do inglês, a escola de idiomas e o veículo de notícias criaram o canal Wise Up News. Trata-se de um site de notícias, com conteúdo exclusivamente em inglês. O espaço é atualizado diariamente e traz informações sobre o Brasil e o mundo. É uma maneira de se manter por dentro dos acontecimentos mais importantes aprendendo inglês ao mesmo tempo.

O canal está disponível para alunos da Wise Up, assinantes da Gazeta do Povo e também para o público em geral mediante um cadastro gratuito. Acesse e conheça: https://www.gazetadopovo.com.br/wiseup-news/.

Direto ao ponto

Se você já domina um pouco do idioma e agora precisa avançar para conseguir desenvolver a conversação com fluência, o professor Ron Martinez, do departamento de Letras Estrangeiras Modernas da UFPR, deixa algumas dicas. Em entrevista à Gazeta do Povo, ele recomenda focar em um conteúdo específico, o conhecido English for Specific Purposes (ESP). “Considero que é um mito a necessidade de ter um nível de inglês nativo. O inglês hoje pertence a todo mundo e, para me comunicar, não preciso pronúncia de um australiano ou anglo-americano nativo para me fazer entender. Precisa ter inglês suficiente para se comunicar bem. Mas o mais importante é saber lidar com situações do contexto, da área em que está atuando”, afirma.

Dicas: leia textos da área, assista a vídeos e veja reportagens. Na sequência ou paralelamente, busque o suporte de um professor para lhe auxiliar no processo de aprendizagem e orientando sobre detalhes da linguagem que sozinho não dá para esclarecer sempre.