Por que ter uma loja virtual com site próprio

Entenda adiante a razão de ter um espaço próprio na web e como isso pode beneficiar suas vendas, garantindo sustentabilidade ao negócio

Redação, Publieditorial,
iStockphoto

Quando alguém decide transformar um talento natural em negócio, toda a atenção é dedicada ao trabalho. Para vender, são utilizados canais como o Whatsapp, Instagram e outras redes sociais. Mas é importante que você tenha também uma loja virtual com site próprio e vamos explicar o porquê neste artigo.

Se você trabalha com artesanato, música, ensino de habilidades e outras áreas que exigem o desenvolvimento autônomo de um produto ou serviço, este artigo é direcionado para você. Entenda adiante a razão de ter um espaço próprio na web e como isso pode beneficiar suas vendas, garantindo sustentabilidade ao negócio.

Por que devo ter uma loja virtual com site próprio

O Instagram, Whatsapp e Facebook são pontos de contato importantes entre sua marca e seus clientes e devem ser valorizados. Mas fazer das redes sociais seu único ponto de vendas é como colocar toda a loja na vitrine — na verdade, uma vitrine que não é sua.

Uma página comercial no Facebook é um ativo que pertence ao próprio Facebook. Por mais tempo que você a tenha, por mais publicações que você impulsione, aquela página nunca será realmente sua.

É como, por exemplo, ser um agricultor e trabalhar em uma terra arrendada. Em poucos segundos, a terra pode ser tirada de você e o trabalho da sua vida não terá valido nada.

O mesmo acontece com seu perfil comercial nas redes. Você trabalha para atrair público, cria conteúdos engajadores, converte curiosos em clientes, investe tempo e dinheiro para, no fim das contas, não ter nada disso.

Com uma loja própria, hospedada em um domínio seu, com um DNS próprio, a história é outra. Como lojista, você pode atrair o púlico para a sua página — inclusive a partir das redes sociais — se posicionar estrategicamente nos mecanismos de busca, processar pagamentos, segmentar públicos, criar fluxos de nutrição para diversas bases e ter um fluxo constante de compras sobre um investimento fixo.

Abaixo, separamos 5 benefícios de que você, lojista, pode desfrutar ao ter uma plataforma própria de e-commerce.

5 benefícios concretos que um site próprio garante às vendas

1. SEO

Hoje, ter um bom posicionamento no Google e em outros agregadores de ofertas pode garantir o sucesso de uma loja. A competição pelas primeiras colocações nos resultados de pesquisas tem se tornado cada vez mais acirrada. Ou seja, sem estratégia de posicionamento, sem vendas.

Com uma página nas redes sociais é mais difícil conseguir um bom posicionamento — afinal, seus produtos estão anunciados dentro de outra plataforma proprietária. Em um site próprio, é possível estruturar os anúncios de produtos e serviços de forma otimizada para SEO (Search Engine Optimization), atraindo clientes que buscam o item que você tem para oferecer.

2. Marketing estratégico

No Instagram, um usuário pode rolar a tela para cima e dar de cara com o seu produto ou anúncio. Com um simpels gesto, ele acessa outro post que atrai sua atenção ou até mesmo um produto concorrente do seu.

Ou seja, você não tem controle sobre a exibição das postagens no feed dos usuários. Conforme dissemos logo acima, a terra não pertence a você. As regras são feitas pelos donos, não pelos arrendatários.

Em uma loja virtual própria, a exibição dos produtos fica completamente sob seu controle. Dessa maneira, você pode destacar itens, exibir promoções e oferecer produtos de forma segmentada para cada consumidor, aproveitando oportunidades de upselling e cross-selling.

3. Controle do processo de vendas

O momento do pagamento é o mais crítico em vendas nas redes sociais. É a hora em que o cliente pode simplesmente desistir da compra, mesmo que toda a conversa tenha indicado seu interesse no produto.

Numa loja virtual, há outra percepção de valor. Você pode trabalhar outros aspectos da marca para mostrar ao cliente que aquele produto vale o preço cobrado.

Além disso, os meios de pagamento — seja por gateways, seja por intermediários como o PagSeguro — transmitem total confiabilidade na hora da compra e diversas opções de cobrança e de métodos de pagamento — incluindo os formatos recorrentes, ideal para quem vende serviços.

Na loja virtual, você também pode integrar um software CRM (Customer Ralationship Management) para trabalhar o pós-venda e tentar converter clientes que já visitaram sua loja ou que abandonaram o carrinho de compras.

Em suma, você tem todos os dados em suas mãos para utilizar de maneira estratégica e lucrativa.

4. Inserção de banners promocionais

Numa loja virtual, você tem controle sobre todos os espaços do site. Em vez de se preocupar com os melhores horários para postar promoções nas redes sociais, você pode focar em converter o público que já está na sua página com promoções.

É uma forma de aproveitar, por exemplo, períodos como a Black Friday. Segundo a Ebit, o comércio eletrônico faturou R$ 2,6 bilhões na data em 2018, 23% a mais do que no ano anterior.

Posts em redes sociais, mesmo com ofertas de descontos, ainda precisam passar por filtros de algoritmos que podem torná-los simplesmente irrelevantes.

5. E-mail marketing e conteúdo

Essa é a mina de ouro que cada lojista pode construir para si. Com um site próprio, é possível captar e-mails por meio de ofertas de conteúdo, transformando usuários curiosos em leads.

Cada lead tem uma história própria com a sua marca. Alguns já efetuaram compras, outros apenas conhecem a loja, há aqueles que ficaram insatisfeitos por alguma razão, dentre outros. Mas a sacada é conhecer cada uma dessas histórias e como se comunicar com as pessoas.

Para isso, existem os fluxos de nutrição — que nada mais são do que enviar o e-mail certo às pessoas certas no momento certo com a mensagem certa. É construir um relacionamento para que aquele cliente volte a comprar.

Outra possibilidade é utilizar bases próprias de e-mails para envio de ofertas e promoções — o chamado e-mail marketing. Ele está mais vivo e relevante do que nunca, basta ter cuidado para não enviar mensagens que possam ser identificadas como spams.

É importante enfatizar que nada disso significa que você deve abrir mão dos seus perfis nas redes sociais. Pelo contrário, é possível trabalhar estratégias para atrair o público das redes sociais para o seu site. O importante é não depender apenas de outras plataformas para garantir suas vendas e passar o resto da vida como um arrendatário.

Se você já deu o primeiro passo nesse sentido e criou uma loja virtual própria, saiba o que fazer de agora em diante.