Mais comentada

Padrões internacionais podem garantir melhores benefícios para a sociedade, aponta relatório

Profissionais do setor de ambiente construído devem estar prepados para transformações e tendências exigidas pelo mercado em 2030

Redação, www.administradores.com,
iStock

Durante o evento Connected Smart Cities, realizado no dia 4 de agosto, em São Paulo, foi apresentado o relatório Nosso Mundo em Transformação: Esteja preparado (Our Changing World: Let’s be ready), elaborado pela RICS. O estudo reúne exemplos de grandes iniciativas em cidades como Nova Iorque e Singapura, que se preparam para o futuro e podem servir de modelo para que outras cidades garantam melhores benefícios para a sociedade nos próximos anos. 

O relatório aborda como mudanças socioeconômicas globais exigirão novas habilidades, modelos de negócios e respostas para desenvolver tecnologias para os próximos 15 anos e revela que as cidades precisarão focar seus esforços na mensuração de performance sob uma mais ampla gama de indicadores como resiliência, inovações sociais, transparência e qualidade da infraestrutura. Os setores público e privado necessitarão trabalhar em maior sinergia de modo a colaborar em novas maneiras de como lidar com escassez de recursos, suporte a inovação e criar novas oportunidades.

Este relatório traz a visão e as perspectivas de mais de 400 stakeholders de diversas especialidades, que por meio de workshops, fórums e entrevistas realizados na Ásia, América do Norte e do Sul, Europa e África compartilharam suas opiniões de quais seriam as necessidades de desenvolvimento e adaptação para 2030. Significantes mudanças na demografia, nível de urbanização e poder econômico impactarão em como e onde viver são indicados pelo relatório, que identifica 6 áreas de atuação para curto e médio prazo que apoiarão o profissional e o setor de negócios a se prepararem para novos desafios e oportunidades. Confira:

Área #1: Ganhar a guerra por taletos
Empregadores precisam de apoio para atrair e reter talentos de maneira mais diversificada para executar os negócios do futuro.

Área #2: A ética como pilar central em tudo o que fazemos
Promover a educação e as normas de modo a contribuir para um comportamento ético no setor de negócios.

Área #3: Criação de cidades bem-sucedidas e sustentáveis
Melhorar a gestão da cidade utilizando aconselhamento profissional para ajudar a alavancar o financiamento do desenvolvimento e incorporar todos os aspectos da sustentabilidade nas práticas de planejamento e adjudicação de contratos de uso da terra.

Área #4: Promover tecnologia e dados
Desenvolver alianças estratégicas com empresas e organizações na vanguarda da inovação tecnológica, e aconselhar os profissionais sobre como se beneficiar com estas transformações.

Área #5: Contribuir para novas oportunidades para a profissão
Criar uma profissão mais dinâmica que possa responder às mudaças do mercado e da sociedade.

Área #6: Desenvolvimento de uma lideranças mais forte
Liderança é uma outra questão apontada como um dos temas principais para a evolução da profissão. Muitos profissionais destacaram a necessidade de se trabalhar mais diretamente com governos para que o setor de ambiente construído tenha uma voz mais influente na política.

Este estudo identifica rápidas transformações do setor. Entretanto, o CEO da RICS, Sean Tompkins, diz que os dados obtidos nessa pesquisa também podem ser aplicados a outras áreas. “Nós reconhecemos que não conseguiremos atingir este objetivo sozinhos, mas sim com a colaboração de todos. Desse modo, este relatório é um convite público para todos que desejem contribuir para o desenvolvimento social para futuras gerações”, afirma. 

O Diretor de Estratégia da RICS e autor do relatório, Daniel Cook, menciona que as mudanças que o setor enfrentará significa que os profissionais deverão adaptar seus métodos para se manterem competitivos no mercado. “O fator que mais me impressionou durante este projeto é a rapidez de como as mudanças estão ocorrendo no macroambiente. Será preciso de mais investimentos em pessoas. Liderança, inovação, ética, sustentabilidade e formas de comercialização ajudarão a nós e a sociedade da qual servimos a se adaptarem e terem sucesso em novos modelos de negócios, tecnologia e expectativas de mudanças sociais. Com o crescimento do uso de ferramentas digitais, como o BIM (Building Information Modeling) e sua capacidade de coletar e compartilhar dados, novas teconolgias estão emergendo em nossas cidades, como 'the Internet of Things' e impressão 3D, e ficar estático deixou de ser uma opção. Devemos mudar para se adaptar a papéis e competências que ainda não fazem parte de nossa imaginação, até 2030”, afirmou o diretor de estratégia.