Cadeia de Suprimento: um novo desafio para as organizações

Esta produção textual tem o intuito de explicar o que é a cadeia de abastecimento, bem como identificar os ramos que a mesma pode está atuando. O presente trabalho expõe as dificuldades vivenciadas pelos gestores para a implantação da cadeia de abastecimento/suprimento

Atualmente o mercado vem sofrendo constantes mudanças, ou seja, o cenário que antes parecia está concretizado, hoje adota um modelo diferente do anterior, o que implica em um aperfeiçoamento constante.

Dessa maneira, as organizações têm o dever de adequarem-se a nova realidade, visando a sua sobrevivência em relação às demais.

Tomando em consideração o que foi dito anteriormente, fica bem claro o porque da utilização de inúmeros métodos e metodologias que contribuem para o desenvolvimento organizacional.

Muitos estudos são realizados rotineiramente a cerca da realidade das empresas, bem como suas dificuldades e maiores problemas, procurando introduzir meios científicos que tragam rentabilidade a elas.

A logística nos dias de hoje torna-se indispensável, devido a sua multifuncionalidade, pois envolve processos desde o processamento de pedidos e manutenção de estoque até o modal de entrega, perfazendo dessas, suas atividades primárias.

Um grande problema encontrado pelas organizações trata-se em conseguir
fornecedores que estimem e cumpram a quantidade de mercadorias e prazo de
entrega. Com isso, dentro dos processos logísticos passou-se a pensar em meios
seguros que reduzissem tal problema. A própria logística demandou resultados
para tais problemas, porém suas atividades primárias por si só não resolveriam
eficientemente a incontigência. Portanto, a necessidade forçou a se pensar de
modo conceitual a respeito dos problemas, o que fez surgir a cadeia de suprimento.

Até os profissionais do ramo ainda confundem-se ao se falar em logística e cadeia de suprimento, já que ambas mantém relações estreitas. Segundo Rezende:

 

Muitos profissionais consideram o SCM um modelo
conceitual de fluxo, com produtos fluindo da fonte inicial de matérias-primas
até seu uso final. Dentro deste contexto, definimos o SCM como “a integração de
processos composta de materiais, serviços, informações e financeiro dentro de
uma empresa e numa rede de empresas ou organizações que produzem e entregam
produtos e serviços das fontes iniciais até os usuários finais”, bem como o
fluxo de retorno. (REZENDE, 2005, p.21)

 

Assim, com essa conceituação fica fácil perceber a importância da cadeia
de suprimento, isso porque ela nos dá uma visão macro de todo o processo que
envolve a sua utilização e consequentemente, nos remete a possíveis resultados
positivos que ela proporciona.

Apesar de sabermos que a cadeia de suprimento é uma fonte de recursos que
minimizam vários dos problemas encontrados nas organizações, ainda hoje poucas
são as empresas que fazem uso dessa ferramenta tão eficaz. Isso acontece não
porque os dirigentes não tenham noção de sua utilidade, ao contrário, eles
conhecem perfeitamente o funcionamento destas, bem como os benefícios que ela
pode trazer para as empresas em geral.

A grande questão da utilização da cadeia de suprimento ainda está ligada
aos fornecedores, que por sua vez, têm dificuldades de atender a demanda das
empresas, tanto na quantidade correta, quanto na cronologia do pedido.

Tentando reduzir problemas com o fornecimento de matéria-prima, insumos
ou até mesmo os próprios produtos a serem comercializados, muitas das empresas
estão fazendo contrato de fidelidade com os mais diversos fornecedores. Isso
acontece em razão de proporcionar uma maior segurança, já que o contrato exige
uma fidelidade dos fornecedores para com as mesmas. Dessa forma, produzindo
apenas para tal empresa, os índices de atraso de pedidos e quantidade
inadequada de produtos serão reduzidos.

Hoje, fala-se muito em alinhamento estratégico nas empresas. Essealinhamento, nada  mais é do que focar todo o processo organizacional, calculando-se a demanda de produtos e serviços requisitados pelos clientes com a real disponibilidade de entrega. Para Tadeu:

 

O processo de captação e atração da demanda requisita
a atenção a alguns fatores que podem determinar o sucesso ou fracasso da
operação logística. Para obter sucesso em um mercado cada vez mais competitivo,
as empresas devem ser capazes de conciliar suas estratégias mercadológicas e
suas necessidades de ressuprimento. Ou seja, é necessário, um alinhamento entre
as estratégias competitivas e da cadeia de suprimento, de modo que o
atendimento às necessidades dos clientes seja abastecido por um bom
relacionamento junto aos fornecedores. (TADEU, 2008, p.164)

Então, o que se pode observar é o esforço das empresas para suprir as
necessidades dos clientes. Isso acontece devido ao avanço da informação que
torna o consumidor ou cliente mais exigente e a concorrência mais acirrada a
cada dia. Dessa maneira, se as organizações não se adequarem as novas regras
impulsionadas pelo mercado, priorizando a satisfação das necessidades dos
clientes, com certeza elas serão afogadas e fecharão suas portas.

As empresas adotaram o conceito de foco no cliente, ou seja, todo o
processo deve está diretamente ligado a questões que priorizem a satisfação do
consumidor. Muitas ferramentas foram criadas para facilitar a compreensão da
mente da mente do mesmo. Porém, foi detectado que a simples pesquisa de
marketing não identifica exatamente, o que realmente quer o consumidor. Muitas
das vezes o cliente pode dizer o que precisa naquele determinado momento, mas
isso não garante que ele realmente irá adquirir o produto, até mesmo porque
outros fatores implicam bastante na decisão de compra do consumidor, bem como
embalagens, rótulos, cores, detalhes mínimos etc. Esses detalhes são questões
mínimas, que na maioria das vezes não ficam claras em uma pesquisa que é feita.
Tentando solucionar o problema, grandes empresas americanas investiram um
grande capital em pesquisas que lhes trouxessem algum resultado específico a
cerca desse tema. A resposta obtida implicou na criação de um novo campo no
marketing: o neuromarketing. Essa ferramenta reuniu informações das ciências
biológicas, humanas e exatas, tudo isso para se criar um equipamento que
identifica através de impulsos eletrônicos o que realmente chama a atenção do
consumidor, isso acontece sem que eles digam uma única palavra. Segundo Mano:

 

A mudança de comportamento representa a busca de
resposta para uma questão que vale centenas de bilhões de dólares gastos em
marketing, a cada ano, por empresas em todo o mundo. Para flagrar o que se
passa dentro da mente de consumidores e acertar o destino desses bilhões, vale
o rastreamento da íris, câmeras de vídeo capazes de acompanhar os clientes numa
loja e estabelecer padrões de comportamento e até o novíssimo neuromarketing –
aplicação da neurociência ao marketing. Por meio de eletrodos que captam
variações na atividade cerebral, acredita-se que hoje seja possível medir a
reação das pessoas a marcas ou produtos. (MANO, Revista Exame, ano 43, n.17, p.
170-176, 2009)

 

Dessa forma, compreendemos a preocupação das empresas para com a
satisfação da necessidade dos clientes, mesmo que o estudo tenha custado
bilhões de dólares, o lucro será ainda maior. Podemos afirmar isso, devido ao
alto retorno para as organizações, pois a partir do momento que o
cliente/consumidor percebe que o produto atende suas reais necessidades uma
compra é realizada, uma venda é concretizada e um cliente satisfeito

Não adianta, portanto traçar metas e planos que auxiliem na satisfação do cliente sem levar em consideração outros fatores que contribuem diretamente para o desenvolvimento de todo o processo.

Existem vários fatores que contribuem para a implantação e um bom
desempenho de uma cadeia de suprimento, podendo estes ser internos ou externos.
Dessa forma, da mesma maneira que chegam informações à organização da qual
fazemos parte, estas também chegam aos concorrentes e clientes. Daí a real
necessidade da utilização da cadeia de suprimento, exatamente porque haverá a
possibilidade de está à frente das demais.

Grandes são os dilemas que envolvem a idéia da implantação da cadeia de suprimento, até mesmo porque depois de a mesma está implantada deve-se buscar a cada dia procedimentos cada vez mais rentáveis e focar a excelência nos processo, pois mais difícil que a implantação é a sua manutenção. Conforme Bertaglia:

Os desafios são enormes. Os impactos não se limitam
apenas as organizações, mas atingem a sociedade: na educação – para a
preparação de bons profissionais – na preservação do meio ambiente, na
infra-estrutura de transporte – permitindo que os países possam competir em uma
esfera regional e global – e no intercâmbio entre países, desenvolvendo
necessidades de comunicação e entendimento de culturas. (BERTAGLIA, 2009, p.04)

Entendemos com isso, que muitas são as variáveis para a implantação e
desenvolvimento da cadeia de suprimentos, pois envolve diversas questões
públicas relacionadas ao meio ambiente e sociedade. Isso dificulta ainda mais a
implantação desse tipo de ferramenta nas empresas, pois muitos gestores temem
que a sua realização possa gerar problemas futuros.

Com essas questões relacionadas, que inibem a implantação de uma
ferramenta tão eficaz e com o retorno garantido para as organizações, deve-se
adotar um modelo político de gerenciamento que possa abranger os benefícios que
a cadeia de suprimento/abastecimento possa proporcionar.

Para tanto, essa idéia deve partir da cúpula da organização, ou seja, dos
gestores, para que depois possam ser disseminadas aos cargos de menor nível,
conforme a hierarquia.

Geralmente, poucos são os gestores que tem a capacidade de inovação.
Porém, o gerenciamento de qualquer setor de uma devida organização requer profissionais visionários. O administrador, portanto, deve fazer uso de uma visão conceitual, que foque a empresa como um todo, para que possa compreender que para cada atitude que o mesmo venha tomar, acarretará em certas perdas, mesmo que sejam temporariamente. Dessa maneira, a decisão de analisar o que será mais rentável para o futuro da organização partirá do gestor.

O papel do gestor da cadeia de suprimento em qualquer organização é amplo, pois envolve muitas variáveis. Conforme Martins:

 

O objetivo do gerente da supply chain (SC) é: a)
satisfazer rapidamente o cliente, criando um diferencial com a concorrência e
b) minimizar os custos financeiros, pelo uso de menos capital de giro, e os
custos operacionais, que não agregam valor ao produto, tais como esperas,
armazenamento, transportes e controles. (MARTINS, 2003, p.287)

Temos então, a base para o gerenciamento de uma cadeia de suprimento, bem
como os objetivos que devem alcançar os gestores para o bom funcionamento da
mesma. Além de buscar atender o cliente rapidamente, o gestor deve preocupar-se
com a concorrência, pois a partir do momento que o cliente percebe que a
mercadoria de uma determinada organização tem o mesmo nível de qualidade da
outra, o mesmo comprará de quem mais lhe oferecer facilidades e satisfação.
Nesse caso, entrará o agregamento de valor ao produto que possibilita uma
reflexão mais profunda e consequentemente, a escolha do pelo produto certo.

A redução de custos é outro objetivo fundamental que o gestor da
organização deve alcançar, para isso, o mesmo deverá ajustar o sistema da
cadeia de suprimento, de tal forma que possibilite um maior fluxo de entrada e
saída de mercadoria e estoque, isso utilizando o mínimo possível de capital de
terceiros e minimizando procedimentos que tragam atrasos aos processos.

O gerente, portanto, deve está provido de boas ferramentas e metodologias
que o auxilie no processo de implantação e manutenção da cadeia de suprimento.
Esses recursos terão um grande valor na tomada de decisões e garantirão
melhores resultados, rentabilidade e lucros financeiros.

Apesar dos recursos mencionados terem um grande valor e auxiliarem
bastante na busca por soluções em qualquer organização, e das organizações em
geral terem pessoas preparadas para está à sua frente, nada disso adianta sem
um bom grupo de trabalho, ou seja, sem uma participação ativa de uma equipe. A
equipe deve não ser apenas interna, mas deve envolver processos externos,
priorizando os objetivos organizacionais. Para Moura:

Não é mais suficiente otimizar simplesmente a cadeia
de abastecimento e melhorar a eficiência. As cadeias de valor nos dias atuais
têm de ser altamente colaborativas e voltadas para os serviços. Para que a
colaboração seja eficaz, cada participante da cadeia de valor deve ter certas
responsabilidades, incluindo o fornecimento de informações exatas e oportunas,
tais como padrões de demanda, níveis de inventário, planos de produção, e a
disposição para o intercâmbio das informações. (MOURA, 2004, p.95)

 

Com todas as informações que foram relacionadas anteriormente fica
explicito que a cadeia de suprimento depende e muito não apenas da organização
por si só, mas é um processo que envolve muitos outros organismos dispostos no
decorrer de seu fluxo.

Portanto, as decisões a serem tomadas nesse processo devem ter como
prioridade a satisfação das necessidades do consumidor, agregar valor ao
produto/serviço e seus processos, de tal forma que estejam envolvidos os mais
diversos integrantes desta cadeia, desde o fornecedor inicial de matéria prima
e insumos, passando pelo processamento e produção de produtos até a chegada do
mesmo ao consumidor, focando desta maneira, o aprimoramento dos processos e a
melhoria contínua de seu fluxo. 

 

REFERÊNCIAS

 

 

 

BERTAGLIA, Paulo Roberto. Logística e gerenciamento da cadeia de abastecimento. 2º. Ed. rev.e.atual, - São Paulo: Saraiva, 2009.

MARTINS, Petrônio Garcia; CAMPOS, Paulo Renato. Administração de Materiais e recursos patrimoniais. São Paulo: Saraiva, 2003.

MANO, Cristiane. Por dentro da mente do consumidor. Revista Exame, São Paulo, ano 43, n.17, p. 170-176, 09 set 2009.

MOURA, Reinaldo A. et al. Atualidades na logística. vol. 02. São Paulo: IMAM, 2004.

REZENDE, Antônio Carlos. et al. Atualidades na logística.São Paulo: IMAM, 2005. 

TADEU, Hugo Ferreira Braga. et al. Logistica empresarial: perspectivas e oportunidades. Belo Horizonte: Fubdac-BH, 2008.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração