Mais comentada

4 passos para superar a insegurança e a desmotivação

Pequenos truques para a mente que podem ter verdadeiros efeitos na realidade

Shutterstock

Hoje pela manhã não tive vontade de fazer coisa alguma. Isso é uma combinação do cansaço de alguns dias de trabalho pesado com a falta de sono da noite passada. Não consegui me motivar a fazer nada importante esta manhã, o que é raro para mim. E, no geral, me senti mal. Comecei a duvidar de mim mesmo e questionar se algo do que faço realmente vale a pena.

Eu me sentei e comecei a me perguntar como poderia sair disso. Deveria apenas esquecer tudo sobre hoje? Deveria apenas desistir do que faço, porque não sou bom como pensava que era?

Isso era o que eu definitivamente estava considerando. Mas eu sabia que essa suave depressão era temporária, e então pensei em possíveis soluções. Então, algumas delas realmente funcionaram – pequenos truques para a mente que podem ter verdadeiros efeitos na realidade.

Aqui está o que fiz e que funcionou, na esperança de que isso talvez ajude você se essas sensações aparecerem.

1. Parei de ser tão egoísta

Acho que todos nós temos a tendência de nos colocarmos no centro do universo e ver tudo através do ponto de vista de como algo nos afeta. Mas isso pode ter todos os tipos de efeitos, desde sentir pena de nós mesmos quando as coisas não estão acontecendo exatamente como nós gostaríamos, até duvidar de nós mesmos quando não somos perfeitos. Então, em vez de se preocupar tanto comigo, pensei nas outras pessoas que eu poderia ajudar.

Encontrar pequenas formas de ajudar outras pessoas me faz parar de ter pensamentos egocêntricos e então não fico me afogando em pensamentos de auto piedade – estou pensando no que os outros precisam. Não estou duvidando de mim, porque o fato de eu ser bom o suficiente (ou não) não é mais o problema central. A questão central agora é o que os outros necessitam. Então, pensar nos outros em vez de em mim soluciona a minha insegurança e auto-piedade.

2. Abandonei minha identidade

Todos nós temos essa imagem, essa ideia do tipo de pessoa que somos. Quando essa ideia é ameaçada, podemos reagir de forma muito defensiva. As pessoas podem questionar se fizemos um bom trabalho, e isso ameaça nossa ideia de competente e então podemos ficar bravos ou magoados com as críticas. Alguém pode acusar você de mentir e isso ameaça a ideia de que você é uma boa pessoa, e então você pode ficar bravo e atacar a outra pessoa. Minha identidade de alguém que é motivado, produtivo e que tem boas ideias estava sendo ameaçada hoje de manhã. Quando eu não estava sendo produtivo, isso me desesperou porque estava preocupado com a possibilidade de que não fosse quem eu pensava que era.

Minha solução foi perceber que não sou uma coisa. Não sou sempre produtivo – algumas vezes sou um pouco preguiçoso. Não sou sempre motivado – algumas vezes sou, mas outras vezes não tenho vontade de trabalhar. Nem sempre tenho boas ideias. Posso ser muitas coisas e então essa identidade minha se tornou mais frágil. E então não importa se alguém pensa que preciso fazer um bom trabalho – porque nem sempre faço um bom trabalho. Cometo erros e sou menos do que perfeito. E isso é perfeitamente normal.

3. Lembrei que esses dias contam

Tenho apenas mais tantos dias na Terra. Não sei quantos dias são, mas sei que é um número muito limitado. Sei que cada um desses limitados dias é um presente, uma benção, um milagre. E que desperdiçar esse milagre é um crime, uma horrível falta de apreciação pelo que me foi dado. E então lembrei a mim mesmo que essa manhã conta. Que eu deveria fazer alguma coisa com ela.

Isso não significa que preciso trabalhar até cansar, digitar até os meus dedos virarem meros tocos, mas que eu deveria fazer algo que valesse a pena. Às vezes, fazer uma pausa para se alimentar é uma atividade que vale a pena, porque isso permite que você faça outras coisas que valem a pena, em vez de ficar sentado com sua auto piedade. Então, me levantei e fiz alguma coisa.

4. Criei um movimento

Pode ser difícil começar a se mover quando você está preso. Isso é como me senti em 2005, quando eu não podia mudar nenhum dos meus hábitos. Era realmente muito difícil me motivar quando não pensava que iria ter sucesso, quando me sentia horrível sobre mim mesmo. Mas dei um pequeno passo, e isso foi ótimo. Foi isso o que fiz essa manhã – dei o menor passo possível.

Apenas abrindo um arquivo, apenas começando uma lista, apenas pegando o notebook. Esses passos são tão pequenos, são insignificantes, mas também são fáceis e possíveis. E isso me mostrou que o próximo passo era possível, assim como o próximo. Continuo me sentindo cansado, então mais tarde irei tirar um cochilo. Mas agora estou me sentindo melhor, porque dei esses passos.

Sei que alguns de vocês se sentem da mesma forma de tempos em tempos, talvez mais frequentemente do que querem admitir. Está tudo bem. Nós todos nos sentimos. Não somos máquinas, perfeitamente lubrificada e constantemente carregadas e prontas para disparar por todos os cilindros. Nós somos humanos, o que significa que nós falhamos, duvidamos e sentimos dor. 

Isso passará.

Tradução: Lívia Pereira

Avalie este artigo:
(10)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração