Mais comentada

A busca por integridade que conduz todas as nossas ações

O significado de ser íntegro, não importando quem somos nem o que fazemos. De ser absolutamente apaixonado pela experiência, sem precisar de nada mais.

iStockphoto

Há uma sensação de incompletude em nossas vidas.

Sentimos isso desde a adolescência, no mínimo, quando não desde os primeiros anos da infância — é um sentimento de que algo está errado conosco, que falta alguma coisa, ou que sentimos falta de algo que está por aí pelo mundo.

É um sentimento de desconexão ou solidão em relação aos outros, uma sensação de que não nos encaixamos. Um sentimento de que estamos nos movendo rumo a um mundo de isolamento, vazio, carente de intimidade e de um senso de propósito sobre o que fazemos.

Nós almejamos por esse sentimento de conexão e intimidade com os outros e buscamos isso em redes sociais, onde ele esta em falta. Somos levados a usar aplicativos de encontros para encontrar alguém perfeito, mas sair com alguém não traz intimidade.

Tal sentimento nos leva a olhar fotos do que outras pessoas estão fazendo pelo mundo, ler sobre suas aventuras, mas sentir como se não estivéssemos fazendo nada de significativo.

Acordamos e, imediatamente, começamos a nos distrair buscando algo interessante, excitante, qualquer coisa que libere dopamina. Preferimos a conveniência à dificuldade, o rápido e fácil ao complicado e significativo.

Não nos damos espaço ou momentos de silêncio, preenchendo cada pedaço com vídeos, músicas, podcasts, audiobooks, leituras curtas, notícias, mídias sociais, tarefas rápidas, mensagens.

Tentamos preencher esse anseio com o consumo. Comprar coisas dá uma sensação instantânea de satisfação. Não uma satisfação duradoura, não um preenchimento real, mas um impulso de excitação. Isso não satisfaz nossa busca e qualquer prazer se dissipa minutos após abrirmos o pacote entregue no dia seguinte.

Tentamos preencher esse vazio com comida, com televisão, com visitas a grandes lojas... mas nada disso traz satisfação além de um momento de prazer.

Tudo isso é conduzido pela nossa sensação de incompletude, por nossa busca por significado. Um anseio que nunca nos permitimos ter, que nunca encaramos de olhos abertos. Mas está sempre lá, invisível e desconhecido.

A tragédia é que se pudéssemos parar por um instante e nos peritíssemos sentir o desconforto dessa desconexão... poderíamos encontrar o significado que procuramos.

O significado de ser íntegro, não importando quem somos nem o que fazemos. De ser absolutamente apaixonado pela experiência, sem precisar de nada mais.

Saiba como buscar essa integridade:

1. Pare e fique em total silêncio por um momento. Livre-se de todas as distrações, não faça nada para se entreter.

2. Sinta o desconforto do seu ser. Sinta a incerteza de quem você é, o que você deveria estar fazendo e o que lhe traz significado nesse mundo. Permita-se sentir isso por completo, esteja presente com o sentimento.

3. Perceba a bondade em seu coração. É u seu coração bondoso, terno e que não quer ser ferido, que ama e quer ser amado. Ele está sempre presente.

4. Conecte-se com o senso de integridade não apenas em você, mas em tudo. Tudo ao seu redor. É o caos, mas é a vida. É imperfeito, mas é profundamente interessante. Abra sua consciência para tudo ao seu redor e perceba-se como parte disso tudo, interconectado com as coisas ao seu redor. Seu propósito está nessa conexão. Permita-se começar a sentir e confiar nisso.

Você pode trazer sua consciência para esse senso de integridade em tudo, incluindo em você mesmo. Você pode descansar nessa consciência e aprender a confiar nela.

Não está fora de nós, em nossos smartphones ou online, em livros ou em qualquer coisa que estejamos fazendo, em televisão ou na comida, nem em comprar coisas. É tudo isso e muito mais, mas não precisamos olhar para nenhuma dessas coisas para reivindicarmos toda a maravilha, amor e encantamento da integridade.


O artigo foi publicado no blog do autor e cedido gentilmente ao Administradores.com.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(0)