Mais comentada

Mudanças e Desafios em Gestão de Pessoas

Daianny Brito,
Resumo
Este artigo é fundamental para a discussão sobre o papel da gestão de pessoas diante dos processos de mudança organizacional, suas tendências e desafios. Basicamente busca fazer uma breve analise dessas macrotendências e como os gestores contemporâneos lidam com elas. O fato é bem claro: o mundo corporativo é altamente mutável e volátil, os novos gestores devem ater-se a diversidade, ao inusitado, onde os indivíduos passam a solucionar problemas lançando mão de maiores desafios. Porem é preciso que as empresas saibam lidar com estas transformações cada vez mais freqüentes e que estejam preparadas para ocupar um cenário repleto de organizações altamente competitivas.
Palavras chave: gestão de pessoas, mudanças, desafios, competitivas.

Introdução

Em momentos repletos de incertezas, restrições, problemas, ameaças, pressões e dificuldades (com o aumento da inflação, a recessão e o desemprego) a administração dos recursos humanos, financeiros, materiais ou físicos, mercadológicos e administrativos, torna-se cada vez mais desafiante, de modo especial para a Gestão de Pessoas, pois nesses momentos de crises, muitas empresas são obrigadas a adotarem programas de reduções de despesas e gastos, implicando na demissão de vários funcionários. Essa estratégia de “cortar pessoas” caminha exatamente na contramão da verdadeira e boa relação que sempre deverá existir entre capital e trabalho, pois cabe a algumas organizações, passar a enxergar as pessoas como pessoas e não simplesmente como meros recursos produtivos.
O fato é que a Gestão de Pessoas está passando por grandes mudanças e por importantes inovações de modo especial neste terceiro milênio, que, com a crescente globalização dos negócios e com a tão acirrada concorrência mundial, as palavras de ordem para todas as organizações passam a ser: produtividade, qualidade, eficiência e competitividade. Neste novo contexto, as pessoas deixam de ser o problema das organizações e passam a solucioná-los, deixam de ser o desafio para se tornar à vantagem - o diferencial para que estas organizações possam ser efetivamente competitivas.
Porem a própria necessidade imposta pelo mercado exige que as empresas saibam lidar com transformações cada vez mais freqüentes. “Diante da necessidade de uma mudança, o problema que se coloca aos gestores é como fazer com que os indivíduos adotem a forma de representação da realidade e de decisão consideradas melhores pelos diretores da empresa.” (VASCONCELOS F. C. 2006). Estar preparado para enfrentar este desafio e ter pessoas capacitadas para lidar com esta situação é um requisito importante na vida útil das organizações atuais.

Objetivo

Este artigo visa esclarecer as macrotendências na gestão de pessoas lançando seus principais desafios e como as organizações contemporâneas lidam com essas mudanças.

Metodologia
O método utilizado para a elaboração do trabalho apresentado, é apenas descritivo empregando basicamente textos pertinentes ao tema, porem modificados em sua origem.

Justificativa
Tendências são probabilidades que se comprovarão no futuro. Diante dessa afirmação surge a importância de se estudar esse novo conceito de Gestão de Pessoas, em um mundo globalizado onde a proposta de macrotendências lança o desafio para grandes transformações, criando um cenário dinâmico, inovador e repleto de mudanças.

Referencial Teórico
A Gestão de Pessoas é uma especialidade nova que surgiu após o forte impacto da Revolução Industrial e sua principal finalidade é buscar o equilíbrio entre organização e pessoas, tornando-se uma peça fundamental sob o ponto de vista empresarial; já que, através dela, os superiores induzem seus subordinados a atingirem as metas da organização e a buscar seu aprimoramento pessoal.
A moderna gestão de pessoas busca a colaboração eficaz dos seus associados e, para isso, é preciso tratá-los como peças-chave do novo sistema. Hoje a organização não administra recursos humanos, nem as pessoas, acima de tudo, administra com as pessoas, na chamada administração participativa, onde os indivíduos permeados de inteligência, criatividade e habilidade passam a fazer a diferença neste processo competitivo no mundo empresarial.
Segundo CHIAVENATO (2004, p.9), este tipo de gestão tem como base três aspectos fundamentais:
1. As pessoas como seres humanos;
2. As pessoas como ativadores inteligentes de recursos organizacionais;
3. As pessoas como parceiras da organização.
No entanto é preciso delimitar a forma como os gestores reagem a essas mudanças, já que se trata de um modelo estratégico e contingêncial. É preciso analisar a cultura que predomina em cada organização e nas características do ambiente, das políticas internas e externas como também de outras variáveis.
O modelo de gestão de pessoas é um conceito amplo que diz respeito à maneira como os indivíduos se estruturam para orientar e gerenciar o comportamento humano no ambiente organizacional. Esse conceito incorpora aspectos políticos, ideológicos, sociais e comportamentais (Fischer, 2002; Mascarenhas e Vasconcelos, 2004). Observam-se diferentes práticas de gestão de pessoas em organizações que passam por amplos processos de mudança, e a reação dos indivíduos diante do exposto assume aspectos de pânico, evasão e negação da realidade (Caldas, 2000).
Diante da necessidade de uma mudança, o problema que se coloca aos gestores é como fazer com que os indivíduos adotem a forma de representação da realidade e de decisão consideradas melhores pelos diretores da empresa. Segundo esse modelo, a variedade cultural na organização precisa ser reduzida na medida em que os indivíduos devem adotar os mesmos critérios e a mesma lógica de ação da direção. Isso garante a homogeneização das decisões e dos comportamentos na empresa, reduzindo as incertezas e garantindo a consecução das estratégias.
Por outro lado, os indivíduos podem enfrentar as situações de mudança com realismo para encontrar soluções criativas, na difícil tarefa de lidar com os paradoxos e a autonegação trazidos pela transformação. Trata-se do modelo transformacional de gestão de pessoas, segundo o qual se gera o novo a partir do passado, em uma continuidade que engloba rupturas e contradições, mas que lida com esses fenômenos (Antunes, 1999; Morin, Tonelli e Pliopas, 2003).

As Macrotendências e a Gestão de Pessoas
Pode-se traçar um panorama de como a gestão de pessoas está se preparando perante aos desafios futuros (e quais são) das relações de trabalho com o propósito de agregar simultaneamente valor econômico à organização e valor social ao indivíduo.
• Gestão de Pessoas e equipes não é mais monopólio do Rh. Esta descentralização exige novas habilidades do RH e dos gestores. A gestão por competências passa a ser um foco central na gestão de pessoas e equipes, sendo que um dos grandes desafios da área é o de mensurar o quanto agrega de valor para a organização.
• Riscos, Inovação e mudanças é o novo panorama. Exercer a flexibilidade das decisões e risco e a criatividade é estimulado, reconhecidos e recompensados. Responsabilidade social e desenvolvimento sustentável são novas exigências no mundo corporativo.
• A tecnologia da informação acelera novas formas de gestão de pessoas e equipes. O tele trabalho substitui o escritório e bancos de dados atualizam e disponibilizam informações sobre pessoas.
• As organizações estão ajustando as exigências trabalhistas à realidade do mercado. Os vínculos empregatícios são substituídos por parcerias, surgindo novas formas de trabalho, por tanto a abertura dos dados de desempenho da empresa passa a ser fundamental.
• A dimensão humana é vital ao sucesso do negócio. As pessoas querem ser tratadas como pessoas resultando em maior lucratividade. Os estilos passam a ser mais abertos e participativos, conduzindo à construção de uma visão compartilhada e comprometida de todos.
• A qualidade de vida se alojou na expectativa das pessoas. As empresas estão buscando oferecer programas de qualidade de vida, onde terapias complementares é um caminho para obter essa qualidade, uma vez que considerem as pessoas na sua integralidade e a busca de significados espirituais no trabalho é crescente.
Pode-se destacar que o fator mudança implica em um cenário que dificulta a implantação de programas rígidos, surgindo um tipo de gestão da desordem caracterizada por uma realidade sempre mutável, repleta de paradoxos.
Contudo o líder deve garantir que o desequilíbrio psíquico causado pelas transformações no ambiente tenha suas conseqüências minimizadas nos indivíduos. Isso requer a administração do significado das mudanças organizacionais, ou seja, como as mudanças serão interpretadas pelos indivíduos e como elas vão influenciar na construção dos novos padrões de identidade.

Conclusão
Após a analise dos aspectos relevantes ao que define gestão de pessoas e suas macrotendências (mudanças e desafios), percebe-se a importância desse novo conceito no mundo contemporâneo. Vale enfatizar que a transição do contexto sócio-econômico industrial para o pós-industrial fez com que a gestão das pessoas esteja intimamente associada à temática da gestão das mudanças, sugerindo uma idéia de inovação constante sem perder seu foco. Portanto é imprescindível que a nova Administração de Recursos Humanos seja capaz de corresponder às novas exigências, elevando suas tendências e transformando a maneira de pensar, considerando os conceitos abordados diante da moderna gestão de pessoas.

Referencias

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo, Boitempo, 1999.

CALDAS, M E WOOD JR., T. Transformação e Realidade Organizacional. São Paulo: Atlas,1999.

CHIAVENATO, I. Introdução à Moderna Gestão de Pessoas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. IN: CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas e o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier,2004.

FISCHER, A. L. Um resgate conceitual e histórico dos modelos de gestão de pessoas, In: FLEURY, M., (org.), As pessoas na organização. São Paulo: Editora Gente, 2002.

VASCONCELOS, I.F.G.; MASCARENHAS, A.D.; VASCONCELOS, F.C. Gestão do paradoxo “passado versus futuro”: uma visão transformacional da gestão de pessoas. São Paulo, 2006.

ABRAHIM, Gisele Seabra. As Transformações no Mundo do Trabalho e os Novos Desafios a Gestão de Pessoas. São Paulo: 2008. Disponível em: <http:www.administradores.com.br/artigos>. Acesso em: 19 nov. 2008.





 
Avalie este artigo:
(0)

Curta o Administradores.com no Facebook
Acompanhe o Administradores no Twitter
Receba Grátis a Newsletter do Administradores

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: pessoas

Vagas de trabalho