Os benefícios do trabalho em equipe: administrar conflitos e a importância do feedback nas organizações.

A gestão de pessoas nas organizações vem conquistando um espaço significativo, considerando que o capital humano é o que move a empresa. Analisaremos a administração de conflitos no trabalho em equipe, a importância do feedback nas organizações, considerando a diversidade de perfis nas organizações.

1.      INTRODUÇÃO
 
 
A gestão de pessoas nas organizações vem conquistando um espaço significativo, considerando que o capital humano é o que move a empresa. Muita gente pensa que é simplesmente sentar-se junto com seus colegas de trabalho e ser cooperativo. Não significa também só manter um bom relacionamento dentro do ambiente de trabalho. É muito mais do que isso, é acima de tudo estar disposto a ser tolerante com as idéias, opiniões, crenças, valores e princípios dos membros do grupo. Existe uma dificuldades de se trabalhar em equipe considerando que nas organizações encontramos vários tipos de pessoas, companheiros que podem se transformar em grandes parceiros, mas que, muitas vezes, são tão diferentes e têm idéias tão distintas que se torna um desafio diário manter um ambiente sereno e produtivo de trabalho.
O artigo destaca também alguns tipos de comportamento e como lidar com eles exemplo uma pessoas com atitudes explosivas, negativas, centralizadoras dentre outras que abordaremos do decorrer deste. Poderemos também compreender os benefícios de se trabalhar em equipe, a motivação proporcionando a qualidade de vida do trabalhador alguns pontos que são importantes que sejam ressaltados são que uma vez o colaborador tendo a oportunidade de ajudar membros dos grupos a desenvolverem uma determinada tarefa, proporciona o prazer de poder ajudar , mostrar o seu próprio potencial na organização.
O feedback na equipe de trabalho é uma ferramenta que trata da comunicação dos membros da equipe e de seu líder. Essa ferramenta atua no fornecimento de informações positivas/elogios como também de criticas as vezes construtivas não se deve utilizar de maneira amadora deve-se ter ética profissional para usar essa ferramenta, o feedback nos auxilia a compreender como está o capital humano da empresa para que possamos aproveitar melhor os pontos fortes da organização que estes por sua vez é o que a empresa tem de melhor seu diferencial, um exemplo o excelente atendimento isso sim é algo que não pode ser copiado e é sim um fator determinante para sua concorrência. Os pontos fracos, esses precisam ser vistos como oportunidade de melhorar ainda mais o capital humano, evitando também que os concorrentes se aproveitem da fraqueza.
 
 
2.      O QUE É UMA EQUIPE?
 
 
Equipe pode ser um grupo de pessoas organizadas de forma a trabalhar em conjunto, ou como um grupo que executa tarefas semelhantes. É também a união de esforços individuais que resultam em um nível de desempenho muito maior. Uma equipe de trabalho gera uma sinergia positiva por meio do esforço coordenado.
Nesse sentido, Roosevelt (apud DONNELLON, 2006, p.4) afirma que “Agindo em conjunto, como um grupo, as pessoas conseguem realizar coisas que nenhum individuo sozinho jamais poderia realizar.” 
A principal característica de uma equipe é a de seus membros têm como prioridade as metas da equipe cada um cooperando com o outro para que esse trabalho e essas metas sejam concluídas e atingidas com sucesso. Esses membros podem possuir forte personalidade, habilidades especializadas altamente desenvolvidas e comprometer-se com uma diversidade de objetivos que esperam atingir através de suas ações.
Uma equipe no real sentido da palavra dá apoio uns aos outros, colaboram livremente e se comunicam abertamente e com clareza entre si. Equipes eficazes tendem a fluírem informações livremente, tem um relacionamento de confiança, respeito e apoio entre os membros. Considera os conflitos naturais e até mesmo úteis e o mais importante em torno de questões e não de pessoas. Tem sempre um clima participativo e não ameaçador e nem tão pouco não competitivo. As decisões são tomadas por consenso e com comprometimento total utilizando a eficiência de recursos, membro consciente que seu papel na empresa é cooperar para o desempenho da empresa e não para o desperdício.
 
 
3.      BENEFICIOS DE SE TRABALHAR EM EQUIPE
 
 
A principal característica de uma equipe é de que seus membros têm como prioridade atingir as metas da equipe. Eles podem possuir forte personalidade, habilidades especializadas altamente desenvolvidas e comprometer-se com uma diversidade de objetivos pessoais que esperam atingir através de sua atividade; porém, para eles, o aspecto mais importante a enfrentarem de imediato é o sucesso do grupo em alcançar a meta que seus membros, coletivamente e em uníssono, estabeleceram. Os membros dão apoio uns aos outros, colaboram livremente e se comunicam abertamente e com clareza entre si.
O trabalho em equipe trás benefícios e resultados vantajosos tanto para seus membros como para a organização em que trabalham. Colaboração é o beneficio principal. As pessoas querem realizar juntas um bom trabalho, dar apoio umas às outras, porque se identificam com a equipe; desejam que esta se destaque e seja bem–sucedida. A competição individual é reduzida. No interesse do grupo, elas querem ir além da cooperação entre si. Elas colaboram e de boa vontade entregam-se ao esforço da equipe.
Pessoas que aprenderam a dar apoio e a confiar umas nas outras compartilham livremente seus conhecimentos. Elas compreendem quanto é importante para uma equipe fazer circular as informações que os membros necessitam para operar de modo mais eficaz. A informação flui livremente para cima, para baixo e para os lados. Assim, comunicação é outro benefício. Há também uma aplicação mais eficiente de recursos, talentos e forças, porque eles são usados de boa vontade e compartilhados com os demais companheiros. Toda vez que falta a um membro da equipe certo conhecimento ou competência, um outro está pronto para supri-lo.
Um quarto benefício é o conjunto decisões e soluções – adotadas simultaneamente, com todos gerando e avaliando um maior  número de opção do que uma única pessoa poderia fazê-lo. O tempo marginal para suas escolhas em conjunto e não seqüencialmente, como ocorre com freqüência. As decisões são tomadas por consenso, e isso significa que são geralmente melhores do que até mesmo aquelas à qual a pessoa mais inteligente do grupo de trabalho poderia ter chagado sozinha.
As pessoas que são responsáveis por decisões e soluções as consideram com sua propriedade e, conseqüentemente, sentem-se compromissadas em conduzi-la com sucesso. Esse é o quinto beneficio. Os integrantes nutrem também um forte compromisso com a própria equipe para que ela não se desagregue. Finalmente, chega-se à qualidade. Existe uma preocupação para alcançar qualidade e precisão porque os funcionários sentem que fazem parte de um esforço de equipe e querem que esta pareça a melhor possível. Além disso, como os membros trabalham em colaboração, estão assegurando que cada um obtenha da equipe o que necessita para produzir o melhor trabalho.
Algumas pessoas dentro da organização são receptivos e fazem parte de um grupo porque possuem elevada necessidades sociais. Psicólogos as denominam de necessidades de filiação. Essas pessoas gostam de fazer parte de um grupo compatível e bem sucedido, de modo a encontrarem motivação em participar de sua equipe.  Albert Einstein dizia: “Duas cabeças pensam melhor que uma”, pois com uma equipe há mais sugestões e as finalidades são maiores, as idéias fluem melhorando o desempenho e produção na organização.
 
 
4.      QUAL É O PROBLEMA?
 
 
Em alguns casos a constituição de uma equipe não é a melhor solução pra toda regra existe a exceção porém cabe ao líder pelo menos tentar reverter essa situação iremos aqui citar alguns problemas das equipes para que possamos não cair nessas armadilhas.
Essa dificuldade de relacionamento acaba impactando no desempenho de uma pessoa em relação às tarefas que desenvolve na organização, pois ela irá evitar a sua exposição e nem sempre poderá contar com alguém para auxiliá-la, e devido a isso acaba fazendo, na maioria das vezes, seu trabalho de maneira individualizada. Deixa-se, também, de ouvir opiniões diferentes e de compartilhar escolhas e alternativas com os demais, o que pode causar certo risco dependendo da decisão tomada. Em outras palavras, o mau humor certamente causará prejuízos ao trabalho em equipe e, por tabela, aos resultados em geral e pode desmotivar toda a equipe.
Os problemas mais comuns são: (1) os objetivos da equipe são mal definidos ou conflitantes; (2) as pessoas não trabalham direito em conjunto; e (3) a liderança consome tempo. Ocorre conflitos entre os membros da equipe, causados pelas várias emoções e reações humanas, interferência na experiência de cada membro, se houver conflitos pode ocasionar desmotivação. Quando se perde tempo desenvolvendo o espírito de equipe, perder-se também produção em relação as metas que terá de ser cumpridas em um curto intervalo de tempo.
A possível demora no processo de decisão também é um problema, o líder tem que ser objetivo, dinâmico, sucinto, ele terá que ponderar esses aspectos negativos, para se certificar de alcançar o poder da produtividade de equipe.
Nesse sentido, Sullivan (apud DONNELLON, 2006, p.9) Afirma que
 
Existem algumas marcas registradas das equipes disfuncionais que venho observando ao longo dos anos. Notam-se indivíduos cumprindo suas agendas pessoais, em detrimento da agenda da equipe, objetivos mal definidos ou que não recebem apoio da agencia sênior, gente incapaz ou inadequada para o trabalho em equipe, falta de liderança e /ou inexistência de um processo. E você pode encontrar tudo isso em Dilbert.
 
Desta forma observamos que o trabalho em equipe requer comprometimento, para isso é interessante que a empresa tenha uma política de recompensas isso certamente irá motivar o grupo a trabalhar mais engajado e como conseqüência a produção irá aumentar. Recompensas podem ser uma precisa arma a favor dos lideres e gestores.
 
 
5.      COMPORTAMENTO
 
 
O mau comportamento dos colaboradores a falta de educação, de polidez, gera um custo elevado para a empresa, pois faz com que as pessoas se sintam mal e as repercussões são diretas no relacionamento com os clientes e entre os colegas de trabalho. Além disso, afetam a qualidade do produto e também o relacionamento com fornecedores. Até mesmo a comunidade é impactada, pois reflete o comportamento das pessoas e isso acaba sendo externado, prejudicando a imagem da empresa.
O relacionamento interno é extremamente importante para que os demais possam fluir bem. Quando a presença de um chefe rude ou um colaborador mal humorado, individualista, irritado ocorre que esse tipo de perfil na organização cria um clima de tensão ruim, instabilidade e um mal-estar, que minam o relacionamento, atrapalham as etapas de execução das atividades e resultam em insatisfação e em dissolução do trabalho em equipe.
Como podemos melhorar esse mau comportamento? Uma idéia são os treinamentos em grupo. Mas para isso, num primeiro momento, precisaremos levantar os comportamentos organizacionais que queremos melhorar. Saber o que é considerado falta de civilidade e de educação. Por mais que se goste de uma pessoa, quando ela tem um comportamento que não é adequado é preciso falar abertamente sobre os pontos que precisam ser modificados ou melhorados, mostrando os benefícios que a mudança pode gerar. Temos que desmistificar a idéia de que “se eu falar algo ele ficará contra mim” ou “deixará de me tratar bem”.
ESTRATEGIAS PARA ADMINISTRAR OS PONTOS NEGATIVOS DAS PERSONALIDADES :
·         Atitude Hostil: Tenta conseguir o que deseja pela intimidação, por meio de críticas e ameaças. Como lidar: Controle seus impulsos, jamais entre em confronto, mas mostre seu ponto de vista com firmeza.  
·         Atitude Inflexível: Apresenta muita dificuldade em ouvir e aceitar outras idéias. Como lidar: Esteja bem preparado com argumentos e fatos para debater com ele.
·         Atitude Explosiva: Entra em cena explodindo aos berros. Alguns explodem com desconhecidos, outros só com os que lhe são queridos. Como lidar: Nunca exploda também.
·         Atitude Centralizadora: Se empolga em trabalhar em vários projetos e tarefas ao mesmo tempo. Impaciente com as pessoas. Como lidar: Seja específico com ele, orientado para a ação, em relação ao que pretende fazer, evite debates teóricos, mantenha o relacionamento profissional e aja rapidamente, tendo postura e voz firme.
·         Atitude Negativa: Reclama de tudo, mas não propõe mudanças. Como lidar: Escute suas queixas, depois pergunte qual seria sua sugestão.
·         Atitude Passiva: É silencioso, muitas vezes anula sua presença pela falta de opinião. Como lidar: faça perguntas abertas que o estimule a expressar sua opinião, porém não pressione.
 
 
6.      ADMINISTRANDO CONFLITOS
 
 
Administrar conflitos é entender o significado das atitudes dos integrantes da equipe. Adotar estratégias para administrar pontos negativos dos diferentes tipos de personalidades, é importante saber lidar primeiramente com você mesmo. Quando há conflitos na equipe ocorre bloqueio, irritação, individualismo. Uma vez esses conflitos sendo bem administrados ocorre mudanças, crescimento, criatividade ocorre feedback entre os membros do grupo e lideres e liderados.
Quando surgir um conflito, tenha em mente que as pessoas do outro lado no conflito têm um ponto de vista que é tão legitimo com o seu modo de pensar é pra você. Ela pode não se sentir a vontade em relação ao conflito, tanto quanto você.  Em geral a outra pessoa estará disposta a aceitar uma solução se você puder torná-la suficientemente atraente. É mais seguro não se prender a questões pessoais no momento da discussão. O futuro é muitas vezes uma base mais construtiva para discursão do que o passado, deve-se enfatizar o que pode ser feito para proporcionar uma solução ou uma alternativa para a situação que prevalece agora. 
O êxito de lidar com conflitos em uma equipe envolve diversas características dentre elas podemos citar:
  • O conflito é considerado natural. Membros da equipe presumem que conflitos, desacordos e promoção de idéias divergentes tendem a ocorrer em grupos vibrantes, fortes e bem-sucedidos, pois existe criatividade desse forma há possibilidade de conflitos.
  • O conflito é solucionado através da abertura. Uma vez que o conflito é natural em um grupo, é interessante lidar com ele de maneira também natural através da discussão aberta.  Em uma equipe, os membros sabem que os conflitos podem muitas vezes acentuar as diferenças, apresentar opções adicionais e provocar impedimentos de equilíbrio.
  • Conflitos ocorrem em torno de questões, não de pessoas. As pessoas podem ser partes em conflitos, porém não questões. Como membro de uma equipe, você pode discordar, mas ele não é o alvo de insinuações, humilhações ou embaraço. O que está em jogo são as questões e as percepções dessas questões, e não as personalidades envolvidas.
  • O conflito é uma questão do grupo. Desacordos que afetam certos membros do grupo tornam-se questões para ser tratada pelo grupo inteiro, porque podem interferir no trabalho de todo grupo; portanto, os membros da equipe não tem que resolver as diferenças sozinhos. Toda a equipe se mobiliza para ajudar.
Você pode treinar-se para lidar construtivamente com a resistência e o desacordo. Naturalmente, é muito mais fácil fazê-lo quando você é membro de uma grupo encorajador e compreensivo.  O autor Roosevelt (apud DONNELLON, 2006, p.85) dá 5 sugestões para ajudar no momento do conflito, são elas:
Relaxe, é algo fácil de falar porém difícil de fazer. Quando você parece relaxado, mesmo que não o esteja internamente, apresenta segurança. Você também com essa expressão convida a pessoa a discutirem sua idéia abertamente. Isso é valioso para você porque toma conhecimento do que os outros estão pensando. Quando você está relaxado seus filtros estão abertos e você pode efetivamente captar algumas sugestões valiosas sobre como aperfeiçoar sua idéia. Escute, mantenha contato visual e a expressão facial atenta, demonstrando que valoriza o que está sendo dito. Não interrompa enquanto outros estiverem falando, a menos que fique bastante claro para você que deturparam sua idéia e estão desperdiçando um valioso tempo falando de algo que você não se referiu. É interessante não apensas falar mais também escutar o que os outros acham de sua opinião, se tiver que apresentar outro argumento pode ser útil saber quem não concorda com seu pensamento e porque.
Aceite, você não tem que concordar com qualquer critica a sua idéia, mas é melhor aceitar que as pessoas que as pessoas que a estão dirigindo levam sua critica a serio. Mesmo que você não diga coisas do tipo “isso é ridículo” é importante também sua expressão facial não demonstre desaprovação pois isso entristece as pessoas, essa comunicação não verbal dificilmente faz amigos e influencia pessoas pelo menos no que diz respeito a seu próprio favor. Faça de sua idéia uma questão do grupo, se você hesitar em defender sua idéia, poderá ter uma agradável surpresa ao ouvir alguém assumir sua defesa. Essa pessoa provavelmente tem mais credibilidade e influencia que você nessa situação. Se só uma ou duas pessoas comentam sobre o assunto e as demais ficam calados se dirija a eles, isso as vezes é tudo que eles precisam para cooperar, deixe tornar-se uma questão de todo o grupo e você pode fechar com uma discussão movimentada e ampla e, então, relaxar novamente.
Responda, se uma discussão do grupo ainda deixa algo inacabado, você pode querer manifestar a sua reação a alguns dos desacordos, quando efetivamente o fizer, dirija-se ao grupo, lembre-se, você fez de sua idéia uma questão do grupo; não a aceite de volta. Quando a empresa enfrenta problemas de relacionamento, a área de Recursos Humanos junto à gerência tem a missão de sanar a dificuldade o quanto antes para não comprometer o clima de trabalho. É necessário identificar as causas para minimizar o efeito que este fator pode gerar, assim como sensibilizar os colaboradores para que eles não deixem que essa variável prejudique o desenvolvimento das tarefas, pois os clientes interno e externo podem não ser atendidos com prontidão e eficácia, resultando em queda na qualidade do atendimento e na produtividade.
 
 
7.      FEEDBACK
 
 
Uma das ferramentas mais poderosas na gestão de pessoas é o Feedback e, por isso, a importância de saber usá-la. Ele visa orientar pessoas a ter um desempenho ou um comportamento adequado a uma determinada situação, ou seja, é um indicador do caminho certo a seguir.
Porém quando não administrado de forma correta um feedback poderá causar insatisfação, novos erros e até a desmotivação de toda uma equipe, por esses motivos desenvolver habilidades ao receber e conceder feedbacks.
Quando você for oferecer um feedback é importante que tenha em mente a responsabilidade da ferramenta que se tem em mãos, porque se o feedback pode indicar e corrigir erros de percurso, também pode, quando mal conduzido, causar problemas ainda maiores. É preciso ter uma relação de confiança e reciprocidade com essa pessoa que vai receber o feedback pois do contrario pode causar conflitos mais tarde.
Existem dois tipos de feedback, os positivos/elogios e os negativos/criticas, e ambos devem ser utilizados de maneira correta. O feedback positivo é muito importante para a organização pois uma vez o colaborador sendo elogiado, sendo reconhecido pelo excelente trabalho que desempenhou como conseqüência disso ira trabalhar mais e melhor pois estará satisfeito, motivado, com isso desempenhará sua função com maior qualidade ganhando tanto a organização quanto o colaborador pois terá qualidade de vida no trabalho.
O feedback é negativo, nem sempre há uma boa receptividade. Em vista disso, tenha em mente que não é necessário concordar plenamente com um feedback, mas reserve um período para refletir e avaliar as questões apontadas. Se não concordar com o feedback dê sua opinião e elabore argumentos e justificativas, isso ajudará na comunicação interna da empresa.
Iremos expor sete dicas importantes para o uso eficaz do feedback, o primeiro deles é não generalizar, sempre que for fazer alguma critica chame em particular o colaborador e de feedback, quando for elogiar fale em publico, é importante para ele ser reconhecido pelo chefe ou gerente o torna mais alto confiante.
A segunda dica é não perder o foco, muitas vezes nas organizações as pessoas quando não simpatizam com outra em qualquer desentendimento acaba levando uma discussão ou desentendimento para o lado pessoal, é preciso ser coerente e profissional assim você trilhará o caminho para conquistar a confiança dos liderados.
Seja direto, essa é a terceira dica, seja objetivo passe seu recado e os justifiquem, não se pode perder tempo, pois tempo é ouro.   Quarta dica, não acredite no subliminar saiba ter dialogo não ache que as pessoas advinham pensamento e são obrigadas a entender suas caras e bocas, fale o que tem que falar. 
Quinta dica, não durma no ponto, o feedback só surtirá o efeito se for dito imediato, tanto após aquela meta alcançada da equipe seguido da presteza do chefe em elogiá-los tanto o feedback critico de algo que foi feito errado. Penúltima dica, esteja preparado, "para toda ação existe uma reação", por isso tenha certeza do que está falando e prepare-se para receber o feedback do seu feedback.
Sétima e ultima dica, não misture as estações, não junte todas as críticas e elogios para repassá-los de uma única vez, informação em excesso pode confundir a outra pessoa e talvez nada do que foi dito seja de fato compreendido. Tudo que é em demasia acaba se tornando um grande problema. (CALIPER ESTRATÉGIAS HUMANAS DO BRASIL, 2010).
 
 
8.      CONCLUSÃO
 
Os conflitos interpessoais são comuns no ambiente contemporâneo, com algumas sugestões citadas nesse artigo será possível lidar melhor com essas personalidades problemática e amenizar o clima tenso que venha a surgir na equipe.
Para manter um clima agradável e sem manifestação de atritos, é necessário que as pessoas deixem de agir de forma individualizada e passem a interagir como uma equipe, promovendo relações amigáveis e fazendo com que cada um procure cooperar com o outro, mas, para isso, é preciso que cada um faça a sua parte, pois se todos não estiverem dispostos a contribuir, não iremos chegar a lugar algum. Cabe ao líder também dá direcionamento do comportamento da equipe.
 
REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS
 
DONNELLON, Anne. Liderança de Equipes: Soluções Práticas para os Desafios do Trabalho. 3. ed. São Paulo: Campos / Elsevier, 2006. 131 p. (Pocket Mentor).
MOSCOVICI, Fela. Equipes Dão Certo: A Multiplicidade do Talento Humano. 9. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2004. 240 p. (Coleção Administração e Negocios).
ROBBINS, Stephen P.. A Verdade Sobre Gerenciar Pessoas. São Paulo: Pearson, 2003. 177 p.
QUICK, Thomas L.. Como Desenvolver Equipes Bem-Sucedidas. 5. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1995. 118 p. (Trabalho Eficaz).
CASTILHO, Áurea. Construindo Equipes para Alto Desempenho: Fundamentos e Técnicas. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1998. 58 p.
CALIPER ESTRATÉGIAS HUMANAS DO BRASIL (Curitiba). 7 Dicas para o uso eficaz do Feedback. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2010.

 

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(3)
Tags: Administração de Conflitos Feedback Motivação Trabalho em Equipe