Mais comentada

Planejamento da Carreira Profissional e Pessoal

Edinaldo Gonçalves,
Planejamento da Carreira Profissional e Pessoal Resumo Pessoas andam nos mais diversos caminhos e trajetórias durante toda sua vida na busca por sucesso profissional e pessoal. Isto, muitas vezes, pode causar satisfação ou constrangimento, dependendo, de suas expectativas. O objetivo deste artigo é indicar caminhos para o desenvolvimento profissional, que é fundamental para a manutenção e ampliação do diferencial competitivo nas organizações modernas. O cenário atual mostra que o constante desenvolvimento tecnológico leva a sociedade a uma complexidade nas suas relações pessoais e profissionais e as pessoas precisam estar preparadas para estas mudanças. Isto se da nas organizações que estão cada vez mais pressionadas pelas pessoas com os quais mantêm suas relações de trabalho, para que invistam no desenvolvimento humano. Dentro deste contexto buscam contínuo desenvolvimento para manterem suas vantagens competitivas. O resultado desta busca contínua torna-se um desafio em um ambiente tão volátil no qual se vive hoje. Para enfrentar esse desafio, é preciso encontrar referenciais estáveis para balizar o desenvolvimento pessoal a fim de trazer segurança quanto a sua inserção no mercado de trabalho. Perguntas fundamentais para seu plano de carreira é: O que quer ser? Onde quer estar daqui a alguns anos? Estará pronto para assumir responsabilidades em níveis crescentes de complexidade? Palavras-Chaves: Desenvolvimento, carreira, expectativa, planejamento 1 Introdução No contexto deste artigo, não se foca a empresa como responsável pelo sucesso profissional, pelo planejamento da carreira, pelo crescimento, embora em alguns pontos sejam citados para o entendimento do que as empresas exigem de seus futuros empregados, mas ficam aqui delineados os passos, as decisões e as responsabilidades que o profissional deverá assumir para o planejamento pessoal de sua carreira. O ato de planejar induz, propicia e facilita a reflexão, promovendo o conhecimento e o auto-conhecimento fundamentais para o desenvolvimento de atividades em qualquer ramo do conhecimento humano. Sobre o planejamento diz Toni (2004): "O Planejamento Estratégico e Situacional, sistematizado originalmente pelo Economista chileno Carlos Matus, diz respeito à gestão de governo, à arte de governar. Quando nos perguntamos se estamos caminhando para onde queremos, se fazemos o necessário para atingir nossos objetivos, estamos começando a debater o problema do planejamento. A grande questão consiste em saber se somos arrastados pelo ritmo dos acontecimentos do dia-a-dia, como a força da correnteza de um rio, ou se sabemos aonde chegar e concentramos nossas forças em uma direção definida. O planejamento visto estrategicamente, não é outra coisa senão a ciência e a arte de construir maior governabilidade aos nossos destinos, enquanto pessoas, organizações ou países." Observa-se que quando se fala sobre planejamento de carreira, deixa-se transparecer as possibilidades de desenvolvimento profissional e apontam com certa precisão o horizonte profissional, ou seja, aonde chegar. No começo de suas carreiras, a maioria das pessoas vêem a sua frente um caminho tortuoso, com várias alternativas e cheio de incertezas, às vezes causando desilusão no seu planejamento, mas a sua carreira deve ser pensada como uma estrada que está sempre sendo construída, o caos que terá de ser ordenado e, ao olhar para trás pode-se contemplar o cenário de uma auto-estrada já construída. 2 Administrando a carreira A quem cabe o papel principal na administração de carreira? São as próprias pessoas, que estimuladas pelas mudanças dos cenários e a necessidade de qualificação, gerenciam sua carreira. As pessoas precisam se conhecer, ter consciência de seu projeto profissional, reconhecer as oportunidades e exigência do mercado de trabalho. Assim como o planejamento é a reflexão sobre as ações que se pretende realizar para alcançar os objetivos, a gestão é a administração destas ações em nosso cronograma, no tempo e na rotina diária. A gerência do planejamento o mantém constantemente atualizado e em sintonia com as mudanças de nossa realidade, conferindo-lhe maturidade e longevidade. 2.1 Tipos de Carreira As carreiras profissionais podem ser divididas em três categorias:  Operacionais: são carreiras vinculadas às atividades fins da empresa que exige o uso do corpo, geralmente se contrata sem experiência. Essas carreiras, geralmente encerram-se nelas próprias;  Profissionais: são carreiras relacionadas às atividades específicas e geralmente exigem pessoas com formação técnica ou grau superior e são definidas pelos processos fundamentais das empresas;  Gerenciais: são carreiras ligadas as atividades de Gestão, onde as pessoas são oriundas das carreiras operacionais ou profissionais, que ao longo de seu processo de crescimento demonstram vocação para carreira gerencial (DUTRA. 2002, p. 109-110). 2.2 Conceitos de carreira Ao observar os profissionais de muitas áreas, pressume-se que a carreira envolve trabalhar em uma determinada organização na qual o indivíduo tem a tendência de subir de cargo/posição adquirindo mais influência e maiores salários até chegar ao ápice dela cujo objetivo final será o de comandar, gerenciar ou até mesmo presidir a organização. Tudo isso de uma forma bem definida e cronológica. Mas observa-se que algumas pessoas escolhem vários caminhos para atingir sua ascensão. Nas carreiras, as perspectivas estão ligadas ao modo como as capacidades, os interesses e os desejos dos indivíduos influenciando os padrões de suas escolhas. Na realização das atividades, são quatro padrões pelos quais as pessoas percebem suas carreiras:  Carreira linear: o indivíduo escolhe um campo no início da vida, desenvolve um plano para ascender no campo e executa-o;  Carreira Estável: a pessoa também escolhe um campo no início da vida e permanece nele. Embora tenha oportunidade de ascensão, não preocupa-se em subir na hierarquia organizacional. Este indivíduo é motivado pela necessidade de segurança;  Carreira Espiral: por um lado são motivados pelo desejo de crescimento pessoal, dedicam-se arduamente e com bom desempenho depois passam para outro totalmente novo, que ofereça novos desafios e oportunidade de crescimento;  Carreira Transitória: mudam de um trabalho para outro sem qualquer padrão especial, sem jamais escolher um campo em particular, apenas ocasional ou temporário. Estes são impulsionados de acordo dom Driver, pelo medo do comprometimento. Para Shein (1985) apud Milkovich & Boudreau (2002) pode-se acrescentar cinco fatores da motivação na carreira que são a competência técnica/funcional, competência gerencial, segurança, criatividade e autonomia. 3 Planejando a carreira Percebe-se em muitas pessoas, até mesmo de forma natural, certa resistência ao planejamento de carreira, pois encaram o sucesso profissional como algo que se ganha, que é dado por alguém, isso porque não tiveram nenhum estímulo ao longo de suas vidas para este fim. O seu foco apenas se concentra nas pressões externas como remuneração, status, prestígio e se esquecem de suas preferências pessoais. A resistência ao planejamento pode estar com seus dias contatos e pode sofrer modificações em função de mudanças na postura e no comportamento exigido pelas corporações e pelas pressões sociais e econômicas. Estas pressões têm estimulado muitas pessoas a planejarem suas carreiras para que se tornem empreendedoras. (DUTRA. 2002, p. 113). O projeto profissional minimiza riscos, porque pressupõe um olhar para a sua carreira tendo como balizador a referência a si própria para desenvolver seu projeto dando prioridade aos seus pontos fortes e naquilo que gosta de fazer. Dutra (2002 apud London & Stumpf 1982), afirma que as pessoas podem conduzir seu planejamento de carreira de várias formas, mas duas preocupações são essenciais: formar uma visão realista, clara e apurada de suas qualidades, interesses e inclinações pessoais, e estabelecer objetivos de carreira e preferências profissionais. Como ponto de partida a auto-avaliação, o auto-conhecimento. É com base nisso que devem ser desenvolvidos os objetivos de carreira e o plano de ação, para consecução desses objetivos. Com base nesta co-relação será possível identificar as oportunidades de carreira. A implementação é a obtenção da capacitação e acesso às experiências profissionais necessárias para competir pelas oportunidades e para atingir as metas de carreira. Para Ruiz (2007), tem sido cada vez mais necessário que o profissional trabalhe e desenvolva sua carreira em função de seus objetivos, sejam eles profissionais ou pessoais. Para tanto, é necessário estabelecer um planejamento profissional que possibilite atingir suas metas e, ao mesmo tempo, reavaliar sua atuação de forma constante. Ruiz (2007), apresenta alguns itens muito importantes para esse planejamento: - Estabelecer objetivos – quais são seus objetivos pessoais e profissionais, a curto, médio e longo prazo. Esses objetivos devem ter, também, uma forma de medição, para que se possa avaliar, ao final de cada período, se atingiu ou não seu objetivo. E é muito importante que separe o que são objetivos pessoais e o que são objetivos profissionais. - Planejar a carreira – após definir os objetivos, deve-se definir quais os passos necessários para atingi-los e em quanto tempo cada passo deverá ser executado. - Executar o plano – não deixar o plano no papel. Não espere para iniciar, pense sempre que a hora é agora! - Dinheiro e satisfação – quando falamos em objetivos, muitas pessoas pensam logo em quanto dinheiro desejam. Em seu planejamento, deve unir a questão financeira às questões de ordem pessoal para a satisfação com o trabalho. - Reavaliação constante – de tempos em tempos, refletir sobre quais passos já deu, o que ainda está faltando e quanto ainda falta para atingir seu objetivo. Isso é essencial, pois somente assim será possível ter um quadro claro de seu andamento pessoal e profissional. - Check-points – ao final de cada ano, fazer uma análise sincera de tudo que realizou, no âmbito profissional e pessoal. Se for necessário, deve rever seus objetivos. Alterações no seu plano podem ser necessárias, pois o planejamento não é isento de erros. O importante é conseguir visualizar, friamente, seus pontos fortes e fracos e as providências que deve tomar para chegar sempre mais perto de seus objetivos. O mais importante é que o indivíduo ao executar seu planejamento passe a ter uma visão clara de como anda sua carreira. Na grande maioria das vezes, as pessoas tendem a se deixar levar pelos acontecimentos e esquecem de seus objetivos. Para se justificar, dizem que nada saiu como planejado. Na realidade, se nada sair como planejado, é um sinal de que é preciso repensar sua carreira e o modo como está cuidando de seu crescimento profissional e pessoal. 4 A fórmula do sucesso O que torna um profissional alvo do "assédio" das empresas e disputado no mercado de trabalho? Quais são as características citadas em jornais e revistas deste profissional? Pode-se encontrar muitas, mas dentre elas podemos citar: foco em resultados, visão estratégica, domínio de idiomas, diplomas de graduação e MBA's, vivência internacional, criatividade, habilidade interpessoal, domínio de tecnologia, habilidade de negociação, perfil empreendedor, entre outros. Mesmo com tantas exigências, observar-se ainda um abismo, uma lacuna entre a formação profissional e a demanda do mercado. Desta maneira pode-se concluir que a tão difundida receita para o sucesso não se aplica a todos, pois, é impossível que uma única pessoa tenha todas as características citadas ou consiga desenvolver grande parte delas. Antes de se angustiar com as dificuldades para se conseguir uma oportunidade de trabalho, deve-se fazer uma análise rigorosa da sua competência e adotar uma atitude diferenciada frente ao mercado de trabalho. Cada empresa busca um perfil específico para suas necessidades e seleciona profissionais cujas características pessoais sejam condizentes com sua cultura organizacional. Na visão de Cardoso (2005), quando precisa completar seu quadro de empregados a empresa busca, em princípio, dois tipos de profissionais: aquele que lhe trará a experiência adquirida ao longo da trajetória profissional (e aqui podemos incluir os relacionamentos, o conhecimento de mercado, a carteira de clientes) ou aquele cuja experiência é menor, mas que apresenta o potencial para crescer e que corresponderá aos investimentos em treinamentos. 4.1 Desvendando a fórmula do sucesso Em todo processo seletivo o que está sendo "comprado" pela empresa é a competência do profissional, que pode ser expressa pela fórmula: COMPETÊNCIA = CONHECIMENTO + HABILIDADE + ATITUDE  Competência: de acordo com dicionário Aurélio versão eletrônica, é a qualidade de quem é capaz de apreciar e resolver certo assunto, fazer determinada coisa; capacidade, habilidade, aptidão, idoneidade. Para os outros fatores da “fórmula”, Cardoso (2005), assim define:  Conhecimento: entende-se por conhecimento a formação acadêmica, participação em cursos, seminários, congressos e também o conhecimento adquirido através da prática profissional;  Habilidade: refere-se às características pessoais internas que facilita exercer determinada atividade;  Atitude: é que define a aplicabilidade dos outros dois fatores (conhecimento e habilidade), pois de nada adianta enorme quantidade de conhecimentos se o profissional não os coloca à disposição da empresa em busca de resultados. Poucos se preocupam em fazer o cálculo da relação custo x benefício da própria vida profissional; quais seriam os resultados obtidos a partir de investimentos feitos na aquisição de conhecimentos. E mais, desejam desenvolver habilidades que não possuem quando deveriam aprimorar as que já existem. É preciso, portanto, equacionar os componentes da “fórmula” para desenvolver as competências requeridas pelo mercado de trabalho e, assim, trilhar uma carreira de sucesso. 5 Definindo metas Para todos os acontecimentos importantes na vida de qualquer pessoa existem documentos escritos. O dia do nascimento, o casamento, a compra do carro, o imóvel tem uma escritura, a data de admissão na empresa está no contrato de trabalho. Diante dessa constatação também seria muito natural que as pessoas respondessem sim quando a pergunta fosse: "Você tem o seu planejamento de carreira?". Infelizmente poucas pessoas respondem sim, mas ainda acrescenta que está tudo registrado na cabeça. Se estiver somente na cabeça ele não é um registro, não é um documento e não vai ajuda-la a obter sucesso. Pouquíssimas pessoas elaboram o seu planejamento de metas com a devida clareza do que se pretende para o dia seguinte, quanto mais para daqui a um, cinco ou dez anos. Desejar sucesso, sem antes estabelecer uma meta definida é tentar achar o que não sabe que está procurando. Uma empresa que não tem um planejamento para o seu desenvolvimento na atualidade é inadmissível. Pode-se comparar a falência de todo um investimento e ainda desconfiar da falta de tino profissional e empresarial de seus dirigentes. Na vida de qualquer pessoa, metas e objetivos devem ter o mesmo peso, porque disso depende o sucesso em todos os âmbitos da vida. Quem não tem metas e objetivos não sabe aonde pretende chegar. Assim como as empresas, Arita (2006) nos alerta que para alcançar o sucesso, a realização pessoal e profissional é preciso ter um planejamento de metas, registrado de forma clara, com datas, prazos, ações e especificações detalhadas para tudo o que se deseja alcançar. O sucesso é decorrência de um planejamento, um documento escrito, detalhado, palpável e possível de ser visualizado, idealizado e vislumbrado, o qual pode ser dividido em sete etapas:  Definir o que se deseja realizar: ter convicção do seu desejo.  Traçar claramente o prazo que deseja alcançar a meta (isso significa determinar dia, mês e ano): nesta etapa se define claramente a data para alcançar a meta. Dentro do planejamento é indispensável programar alguns planos para checar o grau de evolução;  Escrever, com clareza e precisão, qual é a meta: quanto tempo levará para ser atingida, a data de início e o que fazer para alcançá-la. O resultado que obtiver será diretamente proporcional ao que fizer;  Ler em voz alta o que escreveu duas vezes por dia, no mínimo (manhã e noite): sempre que fizer a leitura das metas deve ter o pensamento de que já concretizou. O subconsciente começará a trabalhar no sentido de concretizá-la;  Despertar um desejo ardente: é necessário que a concretização das metas, sonhos, objetivos seja tão vital como o ar que respira. Se não respirar, morre. Portanto, esse mesmo desejo de viver é que temos que ter nesta etapa;  Ação: esta é a etapa mais importante. Consiste em partir para a ação imediatamente! Talvez você esteja pensando que agora não é o momento oportuno, que ainda não está preparado e que a executará, em breve se tudo correr bem. É necessário saber que o sucesso não é algo oportuno e que mesmo as coisas inoportunas têm o seu devido valor. Portanto, comece hoje mesmo, pois se não agir nada acontece;  Imaginar diariamente as suas ações como se sua meta já estivesse sido alcanda . imaginação é uma propriedade realizadora e fantástica que todos nós temos. Cada uma das etapas para a elaboração do planejamento de metas requer a devida atenção para que o resultado seja de conquistas e realizações. Basta empenho e coragem para expor o que realmente deseja. As dificuldades na elaboração desse documento valem a atenção para serem superadas, pois é por meio desse valioso documento que se conquistará o sucesso em todos os âmbitos da vida. 6 Características do profissional de sucesso As organizações estão carentes de pessoas com boa capacidade para aprender rápido e transmitir seus conhecimentos. Estamos na era da informação, do avanço tecnológico, mas os empregos estão em baixa, as fusões entre empresas estão acontecendo, mas as oportunidades de trabalho crescem. Manter vínculos empregatícios é um grande peso para as organizações com encargos trabalhistas. A tendência é enxugar o excesso de pessoas e trabalhar com profissionais mais ágeis, técnicos com personalidade flexível e, principalmente, desapegados dos modelos tradicionais. Os empregos não desaparecerão por completo, mas se for um excelente profissional, preparado para as mudanças, as preocupações com o sucesso na carreira profissional, serão cada vez menores. Almeida (2007) fornece sete dicas para quem deseja manter-se informado e pronto para novos desafios:  Autoconhecimento: é necessário conhecer cada vez mais os dons, talentos, aptidões e habilidades pessoais, pois a realização da vida pessoal e profissional depende profundamente do seu nível de autoconhecimento. O sucesso, para ser sólido e contínuo, deve ser construído sobre o que a pessoa realmente é;  Objetivos Claros: os objetivos devem ser ousados e baseados nas aptidões pessoais, precisam ser flexíveis e revistos periodicamente. Uma pergunta básica que muitos entrevistadores fazem é: Quanto você estará valendo daqui a cinco anos?;  Persistência: a persistência é a mãe do sucesso. As vezes pode até substituir os seus talentos, mas se não puder vencer através dos seus dons, mas for persistente, vencerá mesmo assim;  Educação Continuada: não dá para parar de estudar. Existe a necessidade de aprender a desaprender o que não serve mais, desapegar-se dos conhecimentos ultrapassados e ter a iniciativa de aprender a aprender o novo;  Relacionamento: a única forma de crescer profissionalmente é obtendo a colaboração e o apoio das pessoas que estão ao seu redor, caso contrário, viverá na lama dos conflitos pessoais. Desenvolver e manter bons relacionamentos é crucial para quem quer viver feliz e ser bem-sucedido. Isso significa administrar de forma organizada estes relacionamentos;  Pró-atividade: se o profissional for daqueles que esperam alguém pedir ou mandar fazer alguma coisa, este é um profissional completamente ultrapassado, pois iniciativa, prontidão, motivação são bases que fazem um profissional se destacar;  Imagem: nunca terá uma segunda chance de causar a primeira impressão. Podemos aprender com o noivo e a noiva. No dia do casamento eles se transformam, pois são o foco de todas as atenções. Olhares e semblantes de pessoas realizadas. Todos os convidados se emocionam com o magnetismo do casal. Se tiver a consciência de que todos os dias são importantes, decisivos em sua vida e carreira e aplicar a técnica dos noivos, muitas oportunidades surgirão. 7 Conclusão Sonhos e desejos somente serão objetivos após estarem escritos para prover direção e foco às nossas atividades. Conhecer suas opções e estabelecer objetivos claros é o primeiro passo, é uma projeção no futuro dos anseios do presente. Gerenciar o planejamento é estar constantemente revisando-o, analisando-o e, se necessário, refazendo-o, pois normalmente ao se estabelecer metas verificamos que os objetivos não estão muito claros, e ao tentar definir estratégias observa-se que as metas não estão adequadas. É necessário ter foco de uma forma muito nítida., pois se somos tentados a nos desviar dos caminhos que traçamos. O foco é a habilidade que nos chamará a atenção, que nos trará de volta, que nos fará perceber o norte da bússola. Sem foco corre-se um risco muito grande de dispender esforços e recursos em processos que não conduzirão ao objetivo. Estar disponível é estratégico para conquistar mercados, principalmente em estágio inicial de carreira. Não raramente podemos ser procurados para cumprir compromissos em condição emergencial. Por isso planejar uma carreira é como construir um mapa para que mostre não só os destinos como também os trajetos mais adequados para alcançá-los. A grande vantagem de planejar a carreira através deste instrumento é poder visualizar e clarear conceitos e procedimentos, checando conhecimentos sobre mercado, carreira e inclusive sobre você mesmo. Um mapa de carreira é rico e dinâmico e não deve ser visto como algo rígido, mas deve ter o mesmo dinamismo que a velocidade de sua carreira. Referências ALMEIDA, Marcelo de. Emprego ou Trabalho? A resposta é ser profissional. Disponível em: http://www. marcelodealmeida.com.br/art_lideranca10.html Acesso em: 11 abril 2007 ARITA, Yasushi. Sucesso profissional depende do estabelecimento de metas. Disponível em: http://www.rh.com.br Acesso em: 09 março 2007 BUAIZ, Sérgio. Cinco anos para mudar de vida. Disponível em: http://www.empregos.com.br Acesso em: 16 abril 2007. CARDOSO, Simone Murta. A fórmula do sucesso. Disponível em: http://www.rh.com.br Acesso em: 09 março 2007 DUTRA, Joel Souza, Gestão de pessoas: modelos, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas 2002. MILKOVICH, George T., John W. Administração de Recursos Humanos. São Paulo: Atlas 2002 Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, Edição eletrônica autorizada à POSITIVO INFORMÁTICA LTDA, 2004. RUIZ, Marcio Gimenes. Planejando sua vida e sua carreira profissional. Disponível em: http://www.diretrizeducacional.com.br Acesso em: 09 março 2007 SHEIN Edgar H. Career anchors: discovering your real values. San Diego, CA: University Associates, 1985. In MILKOVICH, George T. BOUDREAU, John W. Administração de Recursos Humanos. TONI, Jackson de. Revista Espaço Acadêmico", nº 32, janeiro de 2004;
Avalie este artigo:
(1)

Curta o Administradores.com no Facebook
Acompanhe o Administradores no Twitter
Receba Grátis a Newsletter do Administradores

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Vagas de trabalho