Por que todos os gestores deveriam assistir O Lobo de Wall Street?

Filme conta a real história de um corretor de ações americano chamado Jordan Belfort, que entre os 26 e os 36 anos somou uma fortuna de bilhões de dólares

Reprodução
Muitas das vítimas de Jordan acusaram Scorsese de vangloriar uma pessoa que literalmente rasga dinheiro, trata mal as mulheres e se orgulha de enganar os outros

Finalmente eu consegui assistir o aclamado O Lobo de Wall Street!

Depois de ver praticamente todas as pessoas da área de negócio que sigo postarem comentários sobre o longa, chegou a minha hora de prestigiar o épico filme do diretor Martin Scorsese, e que contou com mais uma brilhante apresentação do ator Leonardo DiCaprio, ambos indicados ao Oscar. Já não aguentava mais tanta angustia!

Para quem ainda não ouviu falar, O Lobo de Wall Street conta a real história de um corretor de ações americano chamado Jordan Belfort, que entre os 26 e os 36 anos somou uma fortuna de bilhões de dólares.

Interpretado por DiCaprio, Belfort torna-se um aventureiro que cresce por méritos próprios, nem sempre dentro da lei, e que se esbalda na vida dos sonhos de todo playboy: festas alucinantes, mulheres lindas, bebidas aos montes e o direito adquirido por seu status de milionário de falar o que quiser, para quem quiser, na hora em que quiser.

É válido lembrar que o filme também sofreu diversas críticas. Muitas das vítimas de Jordan acusaram Scorsese de vangloriar uma pessoa que literalmente rasga dinheiro, trata mal as mulheres e se orgulha de enganar os outros. Obviamente, vou deixar esse delicado assunto de lado. O que me interessa aqui são as lições que esse filme ensina a todos nós gestores.

O Lobo de Wall Street mostra fielmente o retrato do mundo capitalista no qual vivemos, onde dinheiro, status, mulheres e luxo nunca são demais, não importa o quanto você já os tenha. Quem não se identifica com essa visão do capitalismo, com certeza se ofenderá com o filme.

Doa a quem doer, o fato é que REALMENTE existem pessoas que são EXCLUSIVAMENTE movidas pelo dinheiro. Para elas, não existe esse negócio de satisfazer o cliente sustentavelmente, pensando no seu bem-estar a longo prazo, como nos é ensinado em salas de aula. Se elas tiverem que vender algo que nunca utilizarão, mesmo sabendo que isso prejudicará o seu cliente futuramente, elas venderão, e ponto.

Eu mesmo já conheci uma pessoa assim e aposto que você também conhece!

O filme mostra esse fato de uma forma hilária, quando o próprio Jordan, no início de carreira, pergunta para o seu chefe se vender ações ruins não seria uma atitude incorreta, alegando que “se o nosso cliente lucrar, por consequência, nós também iremos lucrar”. Quando o chefe dele responde que “o importante é que no final do dia o dinheiro esteja no seu bolso, não importa como”, o jovem corretor logo começa a entender as regras de Wall Street.

Mas as melhores partes são mesmo as reuniões de vendas que Jordan conduz! As cenas são ESPETACULARES, você NUNCA aprenderá aquilo em uma sala de aula. Se até eu, como espectador, fiquei com vontade de pegar o telefone e sair discando para realizar vendas, imagine as pessoas que trabalhavam com ele e que ganhavam uma fortuna para fazer isso?

E como não se emocionar quando ele discursou contando a história de sua funcionária, que entrou em sua companhia sem um tostão no bolso, e que poucos anos depois, já ostentava uma vida luxuosa, tudo com base em seu próprio mérito?

Só para você ter o gosto, deixo aqui uma das frases que mais marcaram a carreira de Jordan Belfort, pronunciada em uma reunião de vendas:

“Deixe-me contar uma coisa. Não há nobreza alguma na pobreza. Já fui pobre e já fui rico. E escolho ser rico toda a porra do tempo!”

Outro detalhe importante, para quem acha que premiar seus vendedores com prostitutas após eles cumprirem suas metas é coisa de cinema, está completamente enganado. A própria AMBEV é constante acusada de promover esse tipo de incentivo, como você mesmo pode comprovar nessa matéria Sexo, Cerveja e Bônus na AMBEV.

Para terminar, a cena na qual ele desafia as pessoas a lhe venderem uma caneta é maravilhosa! Enquanto todos usam os mesmos argumentos destacando os benefícios que a caneta oferece, o funcionário contratado por Jordan vai na contramão de tudo isso e diz:

“Jordan, escreva o seu nome nesse guardanapo”.
Belfort responde: “Eu não posso, eu não tenho uma caneta”.
E o funcionário conclui: “Exatamente, é a lei da oferta e da demanda”.

A lição dessa cena é muito clara: adapte o seu discurso de vendas para os problemas do seu cliente, crie demanda para a sua oferta, e não simplesmente vomite benefícios do seu produto. (Para entender melhor sobre esse assunto, recomendo a leitura do texto Não, as pessoas não compram produtos).

Em minha opinião, todo gestor que se preze deveria não só assistir, mas também recomendar que todos os seus funcionários assistam o Lobo de Wall Street. Melhor ainda se todos se reunissem para debater o filme em seguida.

Obs: Após ser preso por diversas acusações, hoje Jordan Belfort ganha a vida como palestrante motivacional.

Avalie este artigo:
(3)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: lobo de wall street, vendas, motivação, filme, resenha

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração