Mais comentada

Resiliência, a chave para o sucesso

Considerada como característica principal de empresas e profissionais de sucesso, a resiliência vem sendo desmistificada no ambiente corporativo. No caminho da busca da resiliência destacam se como fatores primordiais o controle das emoções e a orientação através de objetivos

Define-se como resiliência a quantidade de estresse que uma pessoa consegue suportar sem ocorrer mudanças fundamentais na capacidade de perseguir os objetivos que dão sentido à sua vida.

Adaptado para o mundo corporativo, podemos definir como resiliência o processo de superação de estresse, causado pelos desafios e problemas do dia a dia nos negócios, sem que o processo decisório seja afetado de maneira negativa.

Resiliência, termo originário da engenharia, representa o poder de elasticidade do metal que se flexibiliza em momentos de tensão e após um determinado período, retorna a sua forma original. Na área corporativa este conceito representa o poder que o indivíduo possui para atravessar situações ou períodos de crise sem perder o equilíbrio emocional.

O dinamismo do mundo corporativo exige cada vez mais alto padrão de eficiência de profissionais e de organizações, e na busca desta máxima, a resiliência se destaca como a mais promissora das competências. A flexibilidade, uma das principais características da resiliência, é o diferencial competitivo que proporciona tolerância a mudanças e tendência para inovação diante de momentos de crise e de mudanças.

Pessoas decididas, com objetivos claros, com sonhos a perseguir, largam na frente dos demais no processo de evolução rumo a resiliência, são características do perfil resiliente, flexibilidade, disposição, equilíbrio emocional, alegria, elevado índice de auto estima e realização pessoal.

Na busca da resiliência é papel da área de Recursos Humanos condicionar ambiente favorável para o despertar deste comportamento, bem como administrar o Capital Intelectual da organização, também é papel da área evitar a síndrome de “burn out”, pois alguns colaboradores colocados à prova frente a situações de alto estresse podem não suportar a pressão e sucumbir diante do peso das cobranças.

Os nomes Mahatma Ghandi e Nelson Mandela representam grande importância no mundo pelo papel da liderança carismática, e pela defesa dos ideais nobres. Eles são exemplos de liderança considerados como uma matéria prima cada vez mais escassa, pois precisamos de inspiração, líderes de fato, pessoas capazes de influenciar para o bem, com propósitos baseado pela ética, e no mundo corporativo este material está em baixa, principalmente pelo sistema de capitalismo selvagem em que estamos inseridos e pelo consumismo desenfreado defendido pelos nossos governantes para manter o nosso sistema financeiro.

Reafirmamos o papel da liderança no despertar para o desenvolvimento, valorização das pessoas e do espírito de equipe, disseminando o consciente de visão sistêmica, onde cada membro possui sua importância e o sistema como um todo depende da performance de todos os envolvidos. Também é papel da liderança disponibilizar um canal de comunicação de boa qualidade, motivar equipes, conquistar o respeito e a admiração dos integrantes da equipe, conhecer bem e divulgar o negócio da organização, bem como a missão, a visão e os valores da empresa, sem nunca deixar de praticá-los.

Uma Boa relação social é um item sempre em alta em pessoas resilientes, pois condiciona um bem estar no individuo capaz de elevar o nível de seus valores, que cada vez mais passam a ser medidos com satisfação pessoal e cada vez menos ligado à questões financeiras. O individuo transcende velhos hábitos de valorização baseado em medidas financeiras, e avança para o desenvolvimento de pessoas que descobrem o prazer nas coisas simples, pessoas que trocam valores financeiros pelo reconhecimento, aceitação e satisfação pessoal.

Mensurar a vida considerando que ela terá um fim e buscar constantemente resposta para sua existência, é um ótimo exercício para manter a mente em ação e em sintonia com os conceitos da sociologia. Aceitar o papel de ser humano dentro da sociedade e dentro das organizações e buscar a evolução nestas áreas exige maturidade. Se pelo menos uma vez você se perguntou por que existo? Para quê existo? Sinta-se satisfeito. Não que existam respostas para tais questionamentos, mas o fato de fazê-las é sinal de um despertar para o auto conhecimento, um atalho para a auto realização e consequentemente uma vida plena, regada a satisfação e realiza pessoal.

Saindo da área filosófica e retornando ao mundo real das empresas corporativas, após este breve olhar sobre os aspectos que circundam a resiliência, definimos como primordial que o indivíduo persiga seus sonhos, acredite em si mesmo, aceite as mudanças que ocorrem ao seu redor, tome decisões, seja positivo, encare os problemas, não leve nada do mundo corporativo para o lado pessoal, dentro de empresa se define papeis que devem ser desempenhados por pessoas, mas nada é pessoal, cuide de si mesmo, da saúde física e mental, promova o desenvolvimento de seu conhecimento, mantenha-se sempre informado em todos os aspectos, desenvolva seu acesso a cultura, e esteja sempre pronto, pois o melhor lugar para despertar a resiliência é no hostil ambiente corporativo.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(0)