Você é realmente um líder imparcial? Faça o teste e descubra

A maioria de nós se julga imparcial quando desempenha um papel. No artigo de hoje, sugiro uma auto análise para que os líderes tenham certeza de que tratam realmente as pessoas com imparcialidade, seja que for

No artigo de hoje, convido o leitor a exercitar uma característica importantíssima para qualquer grande líder: a imparcialidade. Não quero falar sobre a imparcialidade durante o desempenho de um determinado papel, mas sim, nas pequenas coisas do nosso dia-a-dia. É muito fácil dizer que somos imparciais; eu mesmo, como Facilitador, Scrum Master e Agile Coach me julgo imparcial quando estou mediando alguma dinâmica. Mas, realizando uma auto análise, descobri alguns pontos que preciso melhorar e que nem me dava conta. Compartilhar estes pontos que podem nos tornar líderes melhores foi meu motivador para escrever hoje.

Um líder ou um mediador precisa ter muito claro o Princípio da Imparcialidade, que proíbe qualquer conduta que leve a qualquer favorecimento de tratamento de uma das partes. É necessário apenas guiar o grupo para que ele chegue às conclusões por si só, eliminando distrações e desvios de foco.

Exercer o Princípio da Imparcialidade é relativamente fácil quando se desempenha um papel. Mas, e quando saímos da nossa zona de conforto? E quando terminamos a facilitação de uma dinâmica? Como nos comportamos nas pequenas situações do dia-a-dia? Como nos comportamos quando nossos colegas de trabalho precisam de nós? Existe alguma diferença de tratamento?

Navegando pela internet, achei um teste muito interessante, no Blog do Bernt. Fiz algumas adaptações no teste e vou reproduzi-lo a seguir, para que o leitor possa julgar a quantas anda, na verdade, sua imparcialidade.

Coloque sua Imparcialidade à prova

Pra começar, pense naquele colega de trabalho com o qual não simpatiza, seja qual for o motivo. Daqui por diantes, o chamaremos de "Colega Não Favorito", para fins ilustrativos. Marque os comportamentos que você percebe ter em relação a ele.

1. ( ) Normalmente, quando meu Colega Não Favorito fala, mesmo que seja assunto de trabalho, reviro os olhos e penso: "Lá vem bobagem".

2. ( ) Algumas vezes chego a fazer "cara feia" a ponto de as pessoas ao redor perceberem que aquele é meu Colega Não Favorito.

3. ( ) Quando meu Colega Não Favorito pede alguma coisa, nunca as trato com prioridade ou demoro a responder seus e-mails ou solicitações.

4. ( ) Já esqueci de passar informações relevantes ou de chamar meu Colega Não Favorito para reuniões.

5. ( ) Já fantasiei com o dia em que meu Colega Não Favorito sai da empresa.

6. ( ) Avalio com extremo cuidado qualquer trabalho realizado pelo meu Colega Não Favorito, pois não confio no que ele faz.

7. ( ) Evito falar com meu Colega Não Favorito; se é assunto de trabalho, prefiro mandar um e-mail.

8. ( ) Quando meu Colega Não Favorito se dirige a mim, minhas respostas geralmente são "secas" e até mesmo grosseiras.

9. ( ) Meu Colega Não Favorito fez um bom trabalho e está sendo elogiado; menos por mim.

10. ( ) Quando não tem jeito e tenho que falar com meu Colega Não Favorito, percebo que minha linguagem corporal é de defesa ou tentando manter distância.

Você identificou agindo de alguma destas formas em relação ao seu Colega Não Favorito? Claro que existem muitas perspectivas que levaram a esta antipatia e não é minha intenção analisá-las aqui. Mas nós precisamos ser profissionalmente imparciais se queremos ser bons líderes de verdade. Não precisamos gostar de todo mundo (nem agradar todo mundo); mas precisamos tratar com justiça, imparcialidade e sem pré-julgamentos.

Lembre-se: ninguém vai querer seguir alguém que demonstra picuinhas com os colegas; ninguém vai querer um Líder que julga as pessoas abertamente.

Mudar este mindset é um exercício extremamente difícil. A única dica que deixo ao leitor é: avalie seu comportamento constantemente e pergunte-se sempre se você está sendo o profissional que você admiraria. Tenha afinidades e divergências, isso é saudável; mas seja profissionalmente imparcial e dê atenção a todos de forma indistinta. Este é um dos caminhos para que você se torne um grande líder, daqueles que as pessoas têm prazer de seguir.

Você pode até não convidar seu Colega Não Favorito para o happy hour, mas permita que ele contribua com a melhoria do seu grupo e, por que não, com a sua evolução como profissional. Será uma jornada surpreendente.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: carreira coaching Imparcialidade líder liderança Princípio da Imparcialidade teste

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração