A importância da crítica para o crescimento de uma pessoa

Crescemos mais com elogios, ou com críticas? A resposta para essa pergunta depende de como cada um de nós enxerga as coisas. Na minha opinião, o verdadeiro líder prospera na adversidade, pois, é nesse momento que ele acorda e começa a desenvolver seus talentos ocultos, para responder as variáveis negativas do ambiente

Marquês de Maricá disse que: “A inveja, que abrevia ou suprime os elogios, é sempre minuciosa e prolixa na sua crítica e censura”.

Quando uma pessoa expõe nossos pontos fracos e quer demonstrar nossos erros, devemos absorver essas contestações e tentar aprender algo positivo com elas, de forma que possamos evoluir, tornando-nos seres mais desenvolvidos e inteligentes.

De uma forma geral, o ser humano não gosta de ser questionado, altercado, contestado, enfim, de ser contrariado por uma outra pessoa. Isso acontece, porque as pessoas consideram como inimigas, todas aquelas pessoas que se dividem contra elas, sendo assim, qualquer sujeito que resolve fazer uma crítica, é visto como um adversário, mesmo que o mesmo tenha razão em suas ponderações. Dessa forma, vivemos cercados de um grupo de pessoas que aprende pouco, por conta da não aceitação de algumas alfinetadas positivas que essa orgulhosa sociedade recusa-se a aceitar.

Semelhantemente a uma criança, que vai aos prantos ao receber uma bronca ríspida do pai, essas pessoas se recusam a receber uma “sacudida”, por parte de alguém que busca fazer a famosa crítica construtiva, que é aquela que é feita apenas para ajudar a pessoa a se encontrar. Essa crítica é extremamente importante para o crescimento e maturidade da pessoa, primeiro porque ensina a mesma a ser competitiva e, segundo, porque abre a mente para algo que estava oculto sob os olhos dela, fazendo com que a sua percepção da realidade seja otimizada.

Infelizmente, algumas pessoas usam a crítica para derrubar uma pessoa. Funciona mais ou menos assim: a pessoa observa a vítima e faz um diagnóstico da mesma, após isso, ela encontra 99 acertos e 1 erro, e, após a colheita desses dados, o recalcado lança todas as suas forças em cima da divulgação desse único errinho que encontrou nessa pessoa, como se trabalhasse para supervalorizar esse pequeno defeito, fazendo com que o olhar da maioria das pessoas se desviasse dos 99 acertos e focasse apenas nesse erro singular (manipulação). Sendo assim, esse ser se alimenta do erro das pessoas e cresce em cima deles, portanto, ele somente existe para ver as coisas negativas e negligenciar as positivas.

Portanto, esse sangue suga emocional não merece crédito e devemos apenas ignorá-lo, pois, não cabe a nós fazer absolutamente nada, haja vista, que o universo se encarregará disso com toda a certeza, pois, é a lei da colheita, colhemos aquilo que plantamos, sendo assim, se alguém quiser colher bondade, felicidade e caridade, deve plantar o mesmo. O livro As Sete Leis Espirituais do Sucesso, de Deepak Chopra, menciona exatamente isso, em uma das sete leis que o autor descreve como sendo imprescindíveis para o sucesso de uma pessoa, mais especificamente na lei de número dois, chamada de Lei da Doação, que, em poucas palavras, significa que se quisermos coisas boas, devemos dá-las aos outros e o universo, nos retribuirá em igual quantidade, portanto, fazendo o bem, sempre prosperaremos, não importa o que aconteça. Dar ouvidos a essas pessoas é alimentar as negatividades do universo e trabalhar em prol da malignidade existente ao nosso redor, sendo assim, escolha sempre o caminho da luz.

Como funciona a crítica em uma empresa?

Em uma empresa, para todos os efeitos, devemos atacar o problema e não a pessoa. Por exemplo, se um colaborador age com indolência em uma organização, cabe ao líder atacar e combater esse problema (a indolência) e não o colaborador (em um ataque pessoal). Ataques pessoais são julgamentos, e, se todos somos seres errantes, não temos autoridade para agir dessa forma.

Outra questão, que é de responsabilidade do líder, é saber como corrigir um colaborador, de forma que o mesmo se sinta respeitado, mesmo sendo questionado.  As pessoas respeitam o líder pela influência que o mesmo causa nelas, sendo assim, as pessoas querem segui-lo por conta de acreditarem naquilo que ele propaga através de seus atos, portanto, através da coerção, dificilmente um líder terá o respeito de uma equipe, sendo assim, palavras como hostilidade e agressividade devem ser trocadas por respeito e cordialidade. Um grande líder cria um clima organizacional harmônico, fazendo com que os relacionamentos sejam saudáveis e afáveis. Vou mais além, um verdadeiro líder tem a capacidade de desenvolver seus liderados e fazer os mesmos serem tão bons quanto ele, disseminado seus conhecimentos e informações, para que assim, ele tenha uma equipe forte e de alto desempenho.

Uma crítica nada mais é do que a manifestação de uma pessoa sobre um fato, de modo que, é colocado um assunto em cima da mesa e cabe à pessoa refletir e fazer ponderações (positivas ou negativas) sobre o mesmo. Portanto, é uma maneira de crescer intelectualmente, quebrar paradigmas e mudar nossos pensamentos, fazendo com que nos tornemos pessoas melhores.

Vivemos em um país democrático e somos livres para expressar nossas opiniões, independentemente do que a sociedade defende como sendo os “padrões imutáveis”. A discrepância nos faz crescer e evoluir, portanto, deve ser vista como algo positivo, principalmente nas empresas, haja vista, que é desse antagonismo de pensamentos que surgirão as ideias mirabolantes e inovadoras. Salvador Dalí disse que: “É preciso provocar sistematicamente confusão. Isso promove a criatividade. Tudo aquilo que é contraditório gera vida”.

Vale lembrar também, até para fundamentar melhor o que foi dito acima, que uma boa ideia não nasce pronta, haja vista, que ela precisa ser melhorada gradativamente, até que alcance a perfeição. E para que isso possa ocorrer, é necessário que ela passe por um processo de peneiramento (onde serão retiradas as imperfeições) e otimização (onde serão aguçados os pontos fortes), para que assim, ela se transforme em algo viável e lucrativo.

Qual é o alimento da crítica?

A crítica é mantida e acrescida de acordo com as atitudes que o receptor da mesma tem, ou seja, se ele acreditar e der poder a ela, a mesma se transformará em algo realmente existente e pior do que isso, extremamente potente e alienante. Em outras palavras, ele criará uma barreira contra si mesmo, por conta de uma inverdade criada por um inimigo, que irá transformá-lo em um ser que faz da autossabotagem a sua âncora.

Em contrapartida, esse grande demônio perderá totalmente sua eficácia se seu receptor tiver plena confiança em suas competências e principalmente, se este, tiver a habilidade de olvidar no momento em que esse “barulho” ensurdecedor chegar até ele, ou seja, se ele entender que ninguém possui o direito de fazer uma avaliação de seus pontos fracos, ele fará com que esse “fiscal” perca sua farda e sua capacidade de multá-lo.

O que você precisa entender é o seguinte: as pessoas nunca estarão satisfeitas com sua personalidade, haja vista, que elas possuem um sonho utópico de que um dia, essa terra será recheada de seres que possuem pensamentos análogos entre si, onde opiniões divergentes inexistam. Ora, nem em um desenho animado isso serial possível, pois, que graça teria uma história que fosse criada sem uma antítese? Haveria Tom sem Jerry? Haveria Batman sem Coringa? Haveria Homem-Aranha sem Duende Verde? Certamente que não.

O que faz o mundo ser tão regozijante é exatamente o contraditório: o preto e o branco, as trevas e a luz, o Yin e o Yang, o frio e o calor, o problema e a solução, e assim sucessivamente. Portanto, que possamos ser mais tolerantes com nosso dissemelhante, pois, é ele o ingrediente principal de nossa criatividade e consequentemente de nossa felicidade.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: antagonismo crítica divergência pessoas relacionamento sabedoria

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração