Desperdício de mentes

Estamos nesta vida sem evolução na maneira de pensar, repassando conceitos à próxima geração, e estes não permitirão construir novos alicerces, nem manter os antigos. Um futuro obscuro.

A evolução das ciências e a busca por conhecimento têm sido o motor para muitas economias globais, desde meados dos anos 80, no século XX, e neste também.

A sociedade evoluiu em conhecimento, criando diversas ferramentas para absorção da informação, conciliando o tempo no trabalho, no lar e nos meios de transportes disponíveis. Os anos passam em um piscar de olhos; as mudanças globais estão e continuarão em ritmo acelerado. E, de maneira infeliz, há indivíduos altamente capacitados, sendo desqualificados pelos novos regimentos do sistema, chamados de MERCADO.

A sociedade é norteada a agir e a pensar tal qual máquina; embora haja pensadores, eles não conseguem extrapolar os limites da criatividade e dos mecanismos do pensar embutidos em todos pela ideologia da Globalização. Encontram-se no abismo pela ruptura política, e não há quem se levante para enfrentar, de forma sábia, a corrupção. As consequências são uma sociedade temerosa, em processo de diluição pelo crime doméstico, pela guerra civil e por causa da criminalidade.

Se o conhecimento tem a força de transformar, os que puderam ou podem arcar com estudos de qualidade não passam de engrenagens que alimentam esse sistema político decaído, por mais que discordem e tenham bons argumentos. Não se aplicam à profundidade de  viver a essência da transformação, valendo-se do conhecimento; por isso, muitos não deveriam ter orgulho do vazio de entendimento, nem deveriam ser enganadores sem escrúpulos à prática do mal. Não há compreensão um palmo à frente! Criam-se as próprias leis, ignorando as constituídas. As preocupações básicas são estudar qualquer curso, ganhar qualquer valor, divertir-se acima de tudo e às custas de quem for necessário.

Os muitos sábios lutam apenas por seus interesses, num jogo de "salvem-se quem puder", ocultando os problemas sociais, num ciclo de renovação de bens materiais ou de sucesso financeiro para extrapolarem nas festinhas ou viagens de curtíssima duração. No final da vida, inúmeros deles vão se gabar de ter gastado bastante dinheiro com sexo, por meio de milhares relacionamentos extraconjugais, das trapaças, dos xingamentos e de atos de vingança; com viagens com empréstimos que nunca foram pagos; com estudos apenas como meio de sobreviver. Não haverá legado cultural; teremos apenas exemplos de pessoas que correram em círculos e chegaram a lugar algum, tornando a próxima geração pior que a anterior.

Não há memórias, nem transformações profundas... Existe um abismo que se abre, dia após dia. E, quando tentarmos nos despertar do sono da indolência ou tirar as vendas dos olhos, veremos que será impossível sair. Semelhante a filme de terror, civilizações inteiras foram destruídas pela ignorância e por falta de atitudes de justiça, sabedoria, ordem dos governantes e suas respectivas nações ou impérios.

Há escolas, faculdades e cursos a distância em abundância, porém com pleno desperdício de mentes. Esses estudantes são incapazes de mudar histórias, quer sejam na família, quer na sociedade regional, quer na nação. Culpa-se a rotina do trabalho somada às responsabilidades do lar e dos estudos de atualização; mas a verdade oculta-se: somos os responsáveis pelo declínio da sociedade.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: atualização curricular cansaço mental comprometer carreira desequilíbrio emocional desperdício de conhecimento desperdício de tempo estafa

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração