Mais comentada

Planejamento Financeiro

Em um cenário econômico cheio de incertezas, crises econômicas e grande concorrência, o planejamento financeiro mostra-se não somente como uma ferramenta para a boa gerencia, mas sim como algo necessário a sobrevivência da empresa. De acordo com o conceito, planejar é traçar metas, elaborar planos direcionados a peculiaridades do projeto que se almeja por em prática, e finanças significa dinheiro, riqueza, ciência da variação da moeda. Desta forma, planejar as finanças da empresa é criar uma estratégia econômica, para que se atinjam os objetivos que podem ser de curto ou longo prazo, da maneira mais estruturada e precisa possível. Realizando este processo, a empresa obtém o seu crescimento financeiro e estrutural planejado com maior facilidade e auxilia a mesma a possuir sustentabilidade em seus empreendimentos.

Paola Mandelli,

Faça download do artigo completo no padrão científico clicando aqui

1. Introdução

O presente artigo tem por objetivo destacar a importância do planejamento financeiro nas organizações como ferramenta necessária ao crescimento, fortalecimento e existência. Ao estipular os objetivos da empresa, o gestor traça metas que deverão ser seguidas para que não faltem recursos para a realização das operações. O planejamento define as linhas de investimento e financiamento da empresa. Para compreender o conceito de planejamento financeiro, fragmentou-se em planejamento e finanças.

Conforme o dicionário informal, planejamento é traçar metas, elaborar planos direcionados a peculiaridades do projeto que se almeja por em prática. Já as finanças, pode-se dizer que são um método de administração dos recursos disponíveis, encaixando-se no meio empresarial ou particular, discutindo-se a distribuição e aplicação dos recursos, seja ele um salário de especifica pessoa ou faturamento de uma organização. Ao juntar os dois conceitos, entende-se que o planejamento financeiro é o ato de estabelecer o modo pelo qual os objetivos financeiros podem ser alcançados.

Dentre os temas abordados no trabalho, encontram-se além dos conceitos, a função do planejamento financeiro, os planejamentos a longo e a curto prazo, os modelos e estruturas do planejamento, previsão de venda, planejamento do lucro, planejamento estratégico empresarial, modelo de planejamento estratégico e o orçamento de caixa.

A presente análise descreve pontos relevantes ao processo de planejamento financeiro que contribuem significativamente para a empresa atingir seus objetivos da melhor forma possível. O planejamento financeiro torna-se um instrumento indispensável para o sucesso almejado.

Atualmente vivenciamos uma metamorfose na nossa estrutura econômica, onde cada vez mais o amadorismo e o improviso estão desaparecendo, é indispensável a presença de um planejamento, planejamento este que vamos explanar neste trabalho. No mundo de negócios atual onde inovações no processo de gestão empresarial são de suma importância, informações são interligadas instantaneamente, oportunidades de negócios surgem nos mais diferentes locais do mundo, para tanto a empresa que deseja permanecer e ampliar seu mercado tem que estar preparada para estes desafios. Nesse contexto de uma economia global surge um dos fatores responsáveis para a obtenção do sucesso empresarial, o processo de planejamento financeiro.

Por definição, o homem de negócios é objetivo e prático. Partindo desse princípio vem-se de encontro ao planejamento financeiro das empresas, que visa dar a sustentação necessária para execução de planos estratégicos a curto e a longo prazo, direcionando toda a ação empresarial com vistas a atingir as metas orçamentárias previstas. Por meio do planejamento financeiro as metas estabelecidas para o crescimento de uma empresa atingem resultados satisfatórios. Ele preocupa-se com a parte financeira, na qual pode-se destacar os elementos da política de investimento e financiamento da empresa sem examinar detalhadamente os componentes individuais dessas políticas.A presente análise tem por objetivo descrever pontos relevantes ao processo de planejamento financeiro que contribuem significativamente para a empresa atingir seus objetivos da melhor forma possível. O planejamento financeiro torna-se um instrumento indispensável para o sucesso almejado.


2. Conceito de Planejamento

O planejamento é uma ferramenta administrativa, que possibilita perceber a realidade, avaliar os caminhos, construir um referencial futuro, que organiza e define as ações a serem utilizadas. Sendo, portanto, o lado racional da ação.É uma maneira de antecipar (por suposições e/ou análises estatísticas) os resultados esperados e a possibilidade de concretização dos mesmos. A intenção do planejamento dentro de uma organização é buscar racionalmente o melhor caminho para se chegar ao lugar esperado. Para Herckert (2000):

“Para planejar é preciso partir da renda que se tem, e estabelecer as prioridades em seu orçamento. Alguns passos devem ser seguidos: Liquide suas dívidas, comece a poupar, monte uma reserva financeira, planeje o futuro, quite seu financiamento imobiliário, pense na família, continue poupando e aproveite a vida.”


3. Conceito de Finanças

Prof. Francisco Bueno, diz que finanças significa dinheiro, riqueza, ciência da variação da moeda. O conceito de finanças na atual conjuntura nasceu em 1950 por Harry Markowitz, com este conceito se tornou possível usar a matemática no estudo de seleção de carreira. Quando falamos de finanças, pode-se dizer que é um método de administração dos recursos disponíveis, encaixando-se no meio empresarial ou particular, discutindo-se a distribuição e aplicação dos recursos, seja ele um salário de especifica pessoa ou faturamento de uma organização.


4. Conceito de Planejamento Financeiro

Segundo Gitman (1997, p. 589):

“O planejamento financeiro é um aspecto importante para o funcionamento e sustentação da empresa, pois fornece roteiros para dirigir, coordenar e controlar suas ações na consecução de seus objetivos.”

Para Telo (web 2004) “O planejamento financeiro estabelece o modo pelo qual os objetivos financeiros podem ser alcançados.” Se analisarmos ambas as ideias, concluímos que um plano financeiro é, portanto, nada mais do que uma declaração do que deve ser feito no futuro em relação às finanças.


4.1. Função do Planejamento Financeiro

Dentro da estratégia financeira de uma empresa, o planejamento é ferramenta de vital importância, uma vez que o caixa determina a sobrevivência da empresa, e é através dele que se saberá se a empresa possui liquidez para saudar seus compromissos ou se necessitará fazer financiamentos. O planejamento financeiro evita surpresas e cria planos alternativos caso ocorram imprevistos. Conforme Telo (web 2004):

 “O planejamento financeiro estabelece diretrizes de mudança e crescimento numa empresa, preocupando-se com uma visão global, com os principais elementos de políticas de investimento e financiamento da empresa.

Quando as estimativas e previsões a respeito do futuro revelam que a empresa não terá o resultado desejado por falta de recursos, cabe à mesma adquirir outras fontes de recurso ou rever suas estimativas. No processo de planejamento financeiro é necessário levar em conta as incertezas internas e externas da empresa para que estas forças não afetem a mesma, uma vez que não se pode considerar a administração financeira como uma área isolada.
Para isso, é necessário um vasto conhecimento do negócio, dentre os fatores externos citam-se a situação geral da economia, taxas de inflação, taxas de juros correntes e projetadas, aspectos tributários e aumento nos custos.
Segundo Gitman (1997, p. 589) “As empresas utilizam-se de planos financeiros para direcionar suas ações com vistas a atingir seus objetivos imediatos e a longo prazo”.

Os planejamentos financeiros costumam ser iniciados focando o alcance de objetivos em longo prazo e depois passam a visar os objetivos de curto prazo. O planejamento a curto prazo é denominado operacional e o a longo prazo estratégico. Para Telo (2004):

“O planejamento financeiro é desenvolvido fundamentalmente por meio de projeções, como estimativa mais aproximada possível da posição econômico-financeira esperada. Compreende a programação avançada de todos os planos da administração financeira e a integração e coordenação desses planos com os planos operacionais de todas as áreas da empresa.”

4.2 Planos Financeiros a Longo Prazo

São ações elaboradas para objetivos previstos para um futuro distante, compreendido geralmente num período de dois a dez anos. Por haver naturalmente muitas mudanças ao longo destes períodos, estes planos são revisados constantemente com o uso das informações atualizadas. Estes horizontes de planejamento variam de empresa para empresa, pois quando se possui um ciclo de produção curto e incertezas operacionais, estes horizontes de planejamento são mais curtos. Para Telo (web, 2004) “A ausência de planejamento financeiro eficaz a longo prazo é uma razão frequentemente citada para a ocorrência de dificuldades financeiras e falência de empresas”.

4.3 Planos Financeiros a Curto Prazo

Estas ações são planejadas para períodos mais curtos, geralmente de um a dois anos, e são compostas na sua maioria por previsões de vendas e dados operacionais e financeiros. Segundo Gitman (1997, p. 589):

“A partir das previsões de venda são desenvolvidos planos de produção que consideram tanto o tempo necessário para converter a matéria prima em produto acabado (lead time), como os tipos e quantidades de matérias-prima exigidos”.

Com base nesses planos, a empresa pode ainda estimar as necessidades de mão de obra direta, as despesas gerais de fabrica e as despesas operacionais. Tendo preparado essas estimativas, pode-se preparar a demonstração do resultado e o orçamento de caixa projetado. Assim, com os insumos básicos da demonstração do resultado projetado, o orçamento de caixa, o plano de financiamento em longo prazo, o plano de investimento de capital, e o balanço patrimonial do período corrente, o balanço projetado da empresa pode ser finalmente desenvolvido.


5. Modelos de Planejamento

Cada empresa apresenta uma necessidade diferente de planejamento, para isso existem modelos diferenciados, podendo eles ser desde os simplificados até os mais complexos. Os planejamentos mais complexos apresentam maior riqueza em detalhes. De acordo com Bachega e Coli (2008) de um modo geral, os modelos demandam três elementos: (a) entradas (demonstrações financeiras atuais e previsões das variáveis relevantes); (b) modelo de planejamento (sistema de equações que estabelecem as relações entre as variáveis fundamentais); (c) saídas (demonstrações financeiras projetadas e índices financeiros).


6. Estrutura de Planejamento Financeiro

A estruturação de um planejamento financeiro é um documento semelhante a um demonstrativo de resultados do exercício (DRE), pois contém informações necessárias para estipular metas, objetivos e inclusive a correção de supostas falhas na administração da organização.


7. Demonstrativos Projetados;


7.1 Previsões de Vendas

Entende-se por previsão de vendas como um dos principais dados necessários ao planejamento financeiro, que são dados ao administrador financeiro geralmente pelo setor de marketing. Com estes dados é possível elaborar a previsão dos fluxos de caixa, avaliando entradas provenientes das vendas, e saídas originadas de custos e despesas. Caberá ao administrador à decisão de quanto de caixa a empresa necessita para a realização de suas operações.

Estas previsões de venda dividem-se em internas, externas e combinadas. As internas dizem respeito às projeções realizadas pelos canais de venda da empresa, e através destas é possível obter outras estimativas, como a capacidade da produção em suprir a demanda, por exemplo. As externas dizem respeito aos fatores econômicos que intervirão no desempenho das vendas, como o PNB e a renda pessoal disponível. Já as previsões combinadas unem as anteriores, gerando assim dados mais precisos.

7.2 Planejamentos do Lucro

Segundo Gitman (1997, p. 599): “O planejamento do lucro envolve a elaboração da demonstração do resultado e do balanço patrimonial projetados”. A elaboração dessas demonstrações exige uma fusão cuidadosa de inúmeros procedimentos que levam em conta as receitas, custos e despesas, obrigações, ativos e participações acionitárias, resultantes do nível de operações antecipadas. Conforme Gitman (1997, p. 599):

“Para realizar tais projeções, o administrador faz aproximações mais simplificadas de demonstrações históricas, baseando-se na teoria de que as futuras demonstrações não se diferem das passadas. Para estas elaborações são necessárias as demonstrações financeiras do ano anterior e previsões de vendas para o ano seguinte.”


8. Planejamento Estratégico Empresarial

De acordo com o site Sempretops, o conceito de planejamento estratégico é um processo gerencial que diz respeito à formulação de objetivos para a seleção de programas de ação e para sua execução, levando em conta as condições internas e externas à empresa. O olhar estratégico faz com que um gestor passe a gerenciar melhor os problemas do dia-a-dia pois o seu foco muda de “discutir os problemas” para que hajam atitudes a fim de concluir “como transformar os problemas que surgiram em oportunidades para a empresa” ou então “planejar para eliminar o problema mencionado”. Uma organização que está agindo com planos de planejamento estratégico, deve expor o mesmo para seus colaboradores e ao próprio gestor. Trata-se de uma rotatividade de informações cabíveis a todos envolvidos. HALLORAN (1994, p. 22), sobre o planejamento financeiro presume a sua elaboração e resume: “embora as projeções financeiras sejam apenas uma estimativa, elas tornam-se mais concretas à medida que você colhe um numero maior de informações.”.

A estratégia não é apenas estipular metas, e sim as reais ações a serem realizadas para objetivar as citadas metas, na intenção de enxergar e chegar ao que os outros não veem e onde os outros não conseguem chegar. De acordo com Luciano Salamacha, (web, 2009):

“Quando o assunto é estratégia, os resultados que se deseja ter no futuro começam a ser construídos com atitudes concretas no presente. Lembre-se: se a competência da sua empresa é uma arma poderosa, o planejamento estratégico é a mira que racionaliza os recursos e potencializa o resultado.”

Tudo faz parte de um conjunto, onde agindo harmoniosamente atingem objetivos fundamentais, conforme mencionado por Moreira (web, 2001). Alguns componentes fundamentais devem compor o planejamento estratégico de produção: tecnologia do produto, tecnologia do processo, capacidade de instalações, localização das instalações, recursos humanos e suprimentos.

8.1 Modelo de Planejamento Estratégico

Existem centenas de modelos diferentes de planejamento estratégico, sendo eles em livros, textos, anúncios e outros. As estratégias devem resultar de um processo controlado e consciente de planejamento formal, decomposto em etapas distintas, cada uma delineada por checklists e apoiada por técnicas. Para Mintzberg (2000, p. 45): “As estratégias surgem prontas deste processo, devendo ser explicadas para que possam ser implementadas através da atenção detalhada a objetivos, orçamentos, programas e planos operacionais de vários tipos”. Segundo Mintzberg (2000, p. 53):

“o controle estratégico é um estilo hibrido, que envolve a autonomia das unidades de negócios e também a promoção dos interesses corporativos. A responsabilidade pela estratégia fica com a divisão, mas as estratégias devem se aprovadas pela direção central.”


9. Ferramentas Necessárias ao Planejamento Financeiro

As ferramentas necessárias ao planejamento financeiro de uma empresa são representadas pelos demonstrativos projetados e pelos orçamentos de caixa, que tornam possíveis a constituição de um mapa, tornando mais fácil a visualização das metas desejadas pela empresa.


10. O orçamento de Caixa

O orçamento de caixa demonstra as entradas e saídas de caixa da empresa projetados, e sua função é estimar a necessidade de caixa a curto prazo. Esta informação é de grande valor, pois determina se a empresa poderá realizar investimentos a curto prazo com capital próprio ou se terá que se preparar para realizar financiamentos. Segundo Gitman (1997, p. 590) “O orçamento de caixa possibilita ao administrador financeiro uma visão clara do momento de ocorrência dos fluxos esperados de entrada e de saídas de recursos ao longo de um dado período.” Uma das maiores dificuldades encontradas na realização do orçamento de caixa é a lidar com estimações e preferências de riscos. A essência deste orçamento é avaliar a magnitude, da distribuição no tempo e do risco dos fluxos de caixa.

A expressão capital de giro diz respeito aos ativos e passivos de curto prazo da empresa. A administração correta deste capital garante que a empresa não tenha que interromper suas operações por falta de recursos. O capital de giro é responsável pelo crescimento ou impedimento dele na empresa, e o itens que o compõe devem ser examinados constantemente.
Conforme Telo (web, 2004) “Estrutura de capital é a forma pela qual a empresa obtém o financiamento de que necessita para sustentar seus investimentos a longo prazo.” A estrutura financeira de uma empresa é a combinação específica de capital de terceiros de longo prazo e capital próprio que a empresa utiliza para financiar suas operações. A empresa deve se preocupar em primeiro lugar com quanto deve tomar emprestado. Em segundo lugar, deve identificar quais são as fontes menos dispendiosas de fundos para a empresa.

As empresas costumam captar recursos de mais de uma fonte e sempre analisam de forma minuciosa varias opções pois as despesas associadas a capitação de financiamentos a longo prazo são expressivas.


CONCLUSÃO

O assunto abordado no artigo é, atualmente, uma condição essencial para alavancar o sucesso empresarial. Não existe mais lugar para a improvisação na empresa. É preciso ser profissional, identificar e ate mesmo prever dificuldades existentes num empreendimento e formular uma política empresarial que atenda a todos estes fatores levando a empresa a ter um crescimento sustentável.

O planejamento financeiro possui uma série de pontos a serem analisados á administração financeira, os quais são de extrema importância para a elaboração do mesmo e necessário para dar mais segurança quanto a sua eficácia, os quais estão o planejamento financeiro a longo prazo, planejamento financeiro a curto prazo, planejamento de fluxo caixa, e um dos mais importantes, o planejamento do lucro, dentre outros a serem mencionados.

O planejamento financeiro deve ser cautelosamente analisado e discutido entre os envolvidos até que se chegue a um censo comum. O processo não deve ser uma atividade mecanizada, apesar dos avanços da tecnologia que trouxeram uma agilidade indiscutível ao processo com o uso, por exemplo, de planilhas eletrônicas e gráficos estatísticos. Olhando para o Planejamento financeiro pode se dizer que ele, tornou-se um requisito de suma importância para que os planos financeiros da empresa obtenham um desempenho eficaz e um papel relevante para o funcionamento e prosperidade da organização, tornando assim a empresa mais segura e estável dando maior liquidez em suas operações financeiras e um maior prestigio com relação as concorrentes.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Bueno, Francisco Silveira. Minidicionário da língua portuguesa. Ver. São Paulo: FTD: LISA, 1996.

GITMAN, Lawrence J. Princípios da administração financeira. São Paulo:
Habra, 1997.

HERCKERT, Werno. Ativo imaterial e força intelectual. IPAT Boletim, Belo Horizonte, 2000.


MINTZBERG, Henry. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Bookman. Porto Alegre, 2000.


REVISTA FAE BUSINESS. Breve história do pensamento teórico em finanças. Disponível em: <http://www.fae.edu/publicacoes/pdf/revista_fae_business/n4_dezembro_2002/financas_corporativas1_breve_historia_do_pensamento_teorico.pdf>. Acesso em: 21 mar 2009.


SÁ, Antônio Lopes de. Questionamento sobre o valor intelectual e aquele do capital. Disponível em: <www.monografias.com/trabajos7/ocon/ocon.shtml?relacionados>. Acesso em: 21 mar 2009.


Avalie este artigo:
(0)

Curta o Administradores.com no Facebook
Acompanhe o Administradores no Twitter
Receba Grátis a Newsletter do Administradores

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: Administração Finanças Organizações Planejamento

Vagas de trabalho