Qualidade de Vida no Trabalho - Saúde dos Colaboradores no Setor de Produção de Construção

O tema qualidade de vida no trabalho tem sido atualmente discutido pelas organizações e pelos gestores de empresa. Na construção civil esse conceito ainda não está bem difundido, visto que as condições de trabalho ainda não são adequadas e causa insatisfação no trabalho.

INTRODUÇÃO

Visto a importância dos impactos do trabalho na qualidade de vida das pessoas tanto positivo quanto negativo na organização, este texto busca mostrar a melhorias continua na qualidade de vida do colaborador que trabalha na construção civil, devido ser um trabalho que requer muito esforço físico e mental.

Foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre o tema da área de construção civil, tendo como objetivo de analisar a situação desses profissionais o grau de satisfação e também o grau de insatisfação relacionado à falta de qualidade de vida no seu trabalho e a produtividade desses profissionais.

Referente à pesquisa obtivemos resultados negativos em relação à segurança no trabalho, a falta de produtividade e qualidade foram pesquisadas alternativas de investimentos para da uma alternativa de melhoria continua para promover a qualidade de vida no trabalho, adotando técnicas para garantir a melhoria desses profissionais estabelecendo exigências que busca proporcionar uma melhor qualidade de vida e evitando aspectos como doenças, baixa de produtividade, doenças por esforços repetitivos e perda de audição. Uma das soluções propostas pela qualidade de vida no trabalho é investir em benefícios e programas que visem promover o bem-estar e a integração dos funcionários, possibilitando um equilíbrio entre as suas expectativas profissionais e pessoais.

JUSTIFICATIVA

Justifica-se este estudo, pois observa-se a necessidade de analisar a ciência dos Recursos Humanos, com o propósito de que o programa de qualidade de vida no trabalho busque gerar estratégias de melhorias e melhores condições de trabalho aos colaboradores das organizações.

Ressaltando que tem a importância para a comunidade com o objetivo de gerar uma melhoria na saúde e na produtividade dos colaboradores na empresa e também com o intuito de melhorar a qualidade de vida dentro e fora da organização.

Este estudo foi movido pela curiosidade e aprimoramento do conhecimento de como funciona a QVT e como pode ser aplicada na construção civil e também por ser um tema em que é de extrema importância nos dias de hoje para as organizações.

A falta de qualidade de vida no trabalho prejudica a saúde e a produtividade dos colaboradores no setor de produção na indústria de construção civil?

São doenças freqüentes na área de construção civil como: Tendinite provocada pela LER (lesões de esforços repetitivos) e Perda Auditiva,são doenças que os colaboradores adquirem ao longo da execução de suas tarefas diárias, efeitos estes que influenciam na produtividade e na saúde dentro da organização.

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

BREVE HISTÓRICO

Nota-se que nos dias de hoje a qualidade de vida no trabalho é um assunto de grande importância dentro das organizações e está em evidencia visando à melhoria continua de seus colaboradores. A definição de qualidade de vida resume em um conjunto de percepções individuais no contexto dos sistemas de cultura e de valores com relação às expectativas, padrões e preocupações.

Segundo a organização mundial de saúde, vive-se em uma sociedade em mudança percebe-se que a qualidade de vida e a saúde são ativos importantes que envolvem dimensões físicas, emocionais, profissionais e sociais. Práticas inadequadas no ambiente de trabalho geram impacto negativo na saúde física e emocional dos colaboradores e na saúde financeira das empresas, causando baixa motivação, falta de atenção, diminuição de produtividade e alta rotatividade criando uma energia negativa que repercute na vida profissional.

Conforme Domenico de Masi, vivemos e trabalhamos em uma sociedade em constante crescimento, porém continua-se a usar ferramentas do passado, para algumas empresas inovadoras e conscientes este cenário não faz parte de sua realidade atual. As dez melhores empresas para se trabalhar (Guia Exame 2001) transformaram o ambiente de trabalho e a saúde emocional e física em vantagem competitiva, tendo plena convicção estratégica de que quanto mais estimular a satisfação de seus colaboradores, mais retorno terá em produtividade criando assim a visão de uma organização mais privilegiada, competitiva e equilibrada, provocando dentro das empresas mudanças em busca de novas tecnologias, por este mercado ser cada vez mais competitivo tem reflexos significativos na forma de gerenciamento das organizações, quando as empresas procuram satisfazer as necessidades dos trabalhadores buscando uma adaptação às circunstâncias ambientais a fim de alcançarem seus objetivos, esta organização será considerada eficaz.

Dessa forma a qualidade de vida no trabalho deixou de ser apenas uma prática de exercícios físicos e está migrando para as empresas com o objetivo de beneficiar os colaboradores sendo um fator decisivo para reter talentos dentro da organização tende-se a representar para as empresas a valorização e a humanização dos colaboradores, dando a estes uma visão privilegiada e ampla da organização que trabalha, obtendo resultados positivos e gerando retorno satisfatório e bem-estar tanto para a empresa quanto para o colaborador.

ORIGEM QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

O foco na qualidade de vida consiste no bem-estar do trabalhador, mas também pode ser considerada como um instrumento de incremento da produtividade organizacional. Nesse sentido é abordada na literatura a origem dos estudos sobre qualidade de vida no trabalho o tema começou a ser estudado a partir dos anos de 1950 e com isso dando inicio a várias conceituações.

Conforme Rodrigues, 1994 será abordado às principais definições de qualidade de vida no trabalho pelos principais estudiosos em qualidade de vida no trabalho.

Walton (1973) “humanização do trabalho e responsabilidade social das empresas, envolvendo o atendimento das necessidades e aspirações dos trabalhadores. Qualidade de vida no trabalho é a preocupação com determinados valores humanísticos e ambientais, de certa forma, negligenciados pela sociedade industrializada em favor da tecnologia avançada, da produtividade industrial e do crescimento econômico”.

Hackman (1975) “Qualidade de vida no trabalho é o quanto às pessoas na organização, estão aptas a satisfazerem suas necessidades pessoais importantes, por meio de suas experiências de trabalho e de vida”.

Nadler e Lawler (1983) “Qualidade de vida no trabalho é um modo de pensar sobre as pessoas, trabalho e organização, tendo como elementos distintos à preocupação do impacto do trabalho sobre as pessoas e a atividade organizacional, [1]bem como a idéia de participação na solução de problemas organizacional e tomada de decisões”.

Albuquerque (1992) “Ações e diagnósticos envolvendo melhorias e motivações gerenciais visando propiciar condições adequadas de desenvolvimento das relações humanas para a realização do trabalho”.

Chiavenato (1996) “Qualidade de Vida no Trabalho representa o grau em que os membros da organização são capazes de satisfazer as suas necessidades pessoais através de suas experiências na organização”.

França (1996) “Conjunto de ações de uma empresa que envolve diagnóstico e implantação de melhorias, inovações dentro e fora do trabalho. Qualidade de vida no trabalho são o conjunto das ações de uma empresa visando uma implantação de melhorias e inovações gerenciais e tecnológicas no ambiente de trabalho, visando atender escolhas de bem-estar das pessoas que atuam em uma empresa, unidade de negocio ou setor especifico”.

Fernandes (1999) “Qualidade de vida trabalho está associada à melhoria das condições físicas, atendimento das reivindicações dos trabalhadores e ampliação do conjunto de benefícios”.

Nos últimos anos a expressão qualidade de vida no trabalho tem sido usada com freqüência por que envolve a responsabilidade social a respeito do trabalhador e uma postura ética da empresa. A falta da gestão de qualidade de vida no trabalho implica em conseqüências de surgimentos de doenças ocupacionais, ocorrências de acidentes e insatisfação com o trabalho para entender melhor a necessidade da qualidade de vida será abordado um pequeno texto sobre a importância dessa prática.

A IMPORTÂNCIA DE APLICAR A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO

A qualidade de vida no trabalho é um programa de suma importância na atualidade que vem ganhando espaço nas empresas sendo vários interessados nesse tema são os: trabalhadores, gestores, administradores basicamente todos no meio produtivo da sociedade, mas, entretanto a falta da mesma produz impactos nas organizações como: baixa de produtividade, custos elevados com assistências médicas, altos índices de absenteísmo, rotatividade, indenizações, insatisfação, e baixa motivação, assim causando um efeito negativo para a organização e para o colaborador.

Algumas organizações estão sempre em busca de melhores resultados para se alcançar a qualidade, onde todas as tarefas são voltadas a contemplar requisitos que tragam satisfação em se trabalhar, um ambiente propicio ao desenvolvimento de tarefas, enfim, um profissional motivado e integrado.

A fim de desenvolver e atender a essas demandas da qualidade de vida no trabalho, vários campos da ciência tem feito importantes contribuições. São eles: Saúde, Ecologia, Ergonomia, Psicologia, Sociologia, Economia, Administração e Engenharia (França, 1996).

A ergonomia é importante, pois o arranjo físico de equipamentos, instrumentos, móveis, bem como a iluminação, sensação de segurança, comodidade, nível baixo de ruídos, tendem a deixar o colaborador menos estressado e mais apto a contribuir com eficiência. O mais importante é aplicar ações corretivas em direção a uma melhoria substancial em termos de qualidade de vida no trabalho, ampliando-se os resultados conquistados, a confiança dos colaboradores, objetivado bem-estar e saúde. Visto que foi abordado um embasamento teórico sobre qualidade de vida no trabalho, em seguida para entender melhor falaremos sobre a falta da qualidade no setor de construção civil.

A FALTA DE QUALIDADE NO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

A construção civil é uma atividade que demanda muito esforço físico para o trabalhador, por ser um trabalho de ritmo pesado. Todavia este setor sofre com a falta de segurança e qualidade de vida no ambiente de trabalho. Objetivando esses problemas, a ergonomia contribui para minimizar os erros, promover melhores condições de trabalho e elevar o nível de qualidade de vida neste setor.

Objetivando os problemas da área de construção civil a ergonomia é uma ferramenta de grande contribuição e auxilia na diminuição de erros e a falta de segurança, melhorando as condições de trabalho e elevando o nível de qualidade de vida através de avaliações dos métodos de realização da tarefa e intervenção por meio de ações preventivas. A conseqüência de uma gestão inadequada de qualidade de vida no trabalho ocorre no surgimento de doenças ocupacionais, a ocorrência de acidentes de trabalho e a insatisfação com o próprio trabalho. Segundo esse contexto foi feito uma pesquisa bibliográfica tendo um embasamento mais profundo sobre doenças que causa a falta de satisfação do trabalhador referente ao trabalho.

Dada a importância dos problemas enfrentados no ambiente de trabalho devido muitas organizações usar condições inadequadas será feito um breve histórico sobre lesões por esforços repetitivos (LER) tendinite e perda auditiva.

Segundo Geraldo Celso Rocha a definição do termo LER é abrangente e se refere aos distúrbios ou doenças do sistema musculoesquelético, principalmente de pescoço e membros superiores, relacionados ou não, ao trabalho é um conjunto de doenças causadas por esforço repetitivo continuo que conseqüentemente é a sobrecarga do sistema músculo-esquelético. É um grupo heterogêneo de distúrbios funcionais ou orgânicos que são induzidos freqüentemente por fadiga neuromuscular causada por trabalho realizado em posição fixa ou com movimentos repetitivos. O primeiro sintoma da doença é a dor depois a pessoa começa a sentir formigamento e dormência, uma espécie de insensibilidade ou fraqueza para segurar certos objetos.

São várias as causas que podem gerar a lesão, entre elas, encontram-se inadequação do local de trabalho, repetição de movimentos por longo período de tempo. O quadro clinico da LER é muito variado e inclui vários tipos de distúrbios alguns são: tendinite, tenossinovite, sinovite, peritendinite, perda auditiva entre outras doenças, no trabalho será abordado com mais profundidade a perda auditiva e tendinite.

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO (PAIR)

Segundo Geraldo Celso Rocha a perda auditiva é definida porque se constitui em doença profissional de enorme prevalência, tendo se difundido a numerosos ramos e atividades, a perda auditiva é induzida por ruído, relacionada ao trabalho é uma diminuição gradual auditiva, decorrente da exposição continuada a níveis elevados de pressão sonora.

Os fatores de risco são comuns em condições normais de trabalho, além da presença do ruído ocupacional, a coexistência de vários fatores, que podem agredir diretamente o órgão auditivo ou através da interação com o nível de pressão sonora ocupacional, influenciando o desenvolvimento da perda auditiva. Alguns, dentre estes fatores, tem maior referência: agentes químicos: solventes (tolueno, dissulfeto de carbono, fumos [5]metálicos, gases asfixiantes: agentes físicos: vibrações, radiação e calor. A prevenção da perda auditiva relacionada ao trabalho se faz principalmente pela melhoria do ambiente de trabalho, com a eliminação ou o controle rigoroso dos riscos existentes. Devem ser implantadas medidas de proteção individual o uso correto dos EPI’S (Equipamentos de Proteção Individual), protetores auditivos tipo protetor auricular ou concha protetora de ouvido. A manutenção de um programa de conservação auditiva por parte dos empregadores é a forma de organizar e prevenir as doenças ocupacionais.

As doenças do trabalho relacionadas ao seu metabolismo principalmente descompensadas ou de difícil compensação, devem ser consideradas como prováveis fatores predisponentes ao surgimento ou agravamento de perdas auditivas em indivíduos expostos a outras condições de risco de perda auditiva como exposição a níveis elevados de pressão sonora.

TENDINITE

Segundo Dr.João de Carvalho Neto tendinite é o nome comumente utilizado para a inflamação do tendão. Os sinais e sintomas são os mesmos vistos nos processos inflamatórios (dor, calor, vermelhidão e inchaço) podendo evoluir para micro lesões, macro lesões e ruptura completa de tendão.

É um processo inflamatório que acontece nos tendões por esforços prolongados e repetitivos, pela química seria a desidratação, quando os músculos e tendões não estão suficientemente drenados, a alimentação incorreta e toxinas no organismo conduzem a tendinite e pela visão mecânica são esforços prolongados e repetitivos, além de sobrecarga. Manifesta-se inicialmente com dores e muitas vezes com a incapacidade da pessoa em realizar certos movimentos. A pessoa pode sentir dores ao subir ou descer escadas, caminhar, dobrar os joelhos entre outras posturas ou movimentos. Essa doença acaba sendo confundida inicialmente com artrite reumatoide e, portanto, existe a necessidade de que o médico faça um bom exame no paciente para estabelecer um diagnóstico diferencial.

Seu tratamento dependendo da natureza e do grau de severidade da lesão, as formas vão desde a indicação de anti-inflamatórios até a imobilização do membro afetado, repouso, fisioterapia, massagem é uma técnica indicada, e também a crioterapia que seria aplicação de bandagens e temperatura baixas ou bolsas de gelo para acelerar o processo de cura.

Partindo de uma análise diagnóstica ergonômica hoje em dia existem vários programas de ações preventivas as doenças ocupacionais, com objetivo de reduzir e eliminar fatores de risco como: implantação de rodízio nas atividades, pausas, ginástica laboral, treinamento, resumidamente será falado das formas de tratamentos.

PROGRAMAS DE MELHORIAS

A rotação nos postos de trabalho tem como objetivo melhorar as condições de trabalho para não haver uma repetitividade na execução de tarefas conseguindo assim diminuir a exposição aos fatores de risco e também diversificar as tarefas e visando diminuir a monotonia inerente ao trabalho repetitivo. Como já sabemos, o problema crucial no aparecimento da LER é super utilização do funcionário sem falta de tempo para recuperação dos seus esforços, essa recuperação pode ser alcançada através de descansos que devem ser estabelecidos no horário de trabalho como as pausas em horários estabelecidos pela empresa.

O treinamento deve ter um papel complementar dentro da organização por ser um conjunto de medidas preventivas, é necessário que a empresa tenha uma comissão para aplicar treinamentos aos trabalhadores para desempenho de determinada tarefa repetitiva, promover e corrigir posturas através de cursos, apresentações. Os programas de treinamento devem ser centrados em ensinamentos de métodos teóricos e práticos no ambiente de trabalho, tem que ser mostrado com eficácia para os trabalhadores para os mesmos terem conhecimento sobre como esta as suas condições de trabalho.

Ginástica laboral é um programa de prevenção porque é um conjunto de exercícios específicos realizados dentro do local de trabalho, que atua de forma preventiva e terapêutica, buscando compensar as sobrecargas no ambiente de trabalho. Os programas são desenvolvidos a partir de um diagnóstico funcional do trabalhador e seu posto de trabalho, personalizando o programa para cada setor da empresa. A Ginástica Laboral quando associada a programa de ergonomia pode apresentar bons resultados na prevenção das doenças ocupacionais reduzindo os custos com assistência médica e com o absenteísmo e melhora a produtividade na empresa e para o colaborador traz melhorias na saúde.

Análise

Com o presente estudo sobre a qualidade de vida no trabalho e com enfoque na construção civil por ser uma área que exige muitos esforços físicos e mentais causando doenças ocupacionais tivemos uma análise sobre o tema com o objetivo de mostrar que a implantação de programas de melhorias que a qualidade de vida no trabalho propõe e ajuda na melhoria do colaborador e que algumas empresas podem implantar esse programa de baixo custo e com uma equipe bem preparada pode contribuir na diminuição de efeitos negativos tanto para a organização na visão externa objetivando a melhoria da produtividade organizacional e para seus colaboradores melhorias na saúde assim promovendo um ambiente de trabalho em que se possa trabalhar com segurança e com motivação para a realização de suas tarefas obtendo retorno organização x colaborador.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A promoção da Qualidade de Vida no Trabalho é um assunto estratégico e de suma importância mostrando que é necessário que as empresas busquem uma forma que promova a qualidade de vida do trabalhador e diminuir os impactos negativos de baixa produtividade.

O trabalho tem como objetivo indicar alternativas de investimentos de baixo custo que a organização pode adotar como as palestra, exercícios de alongamentos, ginásticas laboral, treinamentos em qualidade de vida entre outros, estes podem ter resultados positivos na redução de despesas, assim melhorando a imagem da organização perante os colaboradores, além de aumentar a produtividade e qualidade.

Com o estudo de qualidade de vida no trabalho e falta de qualidade no setor da construção civil, faz-se necessário que as empresas tenham programas de prevenção para os colaboradores buscando levar em consideração a diversidade de problemas no local de trabalho, e trazer a implantação de medidas que tenha como base analisar a situação das atividades nos postos de trabalho à causa das condições especifica de cada situação, pois se relacionam principalmente ao clima organizacional e as condições em que se encontram para implantar medidas eficazes de prevenção. É necessária a ajuda também do setor de segurança do trabalho para que apliquem os treinamentos adequados e manter informados os colaboradores da empresa para o uso correto de equipamentos de proteção individual.

Conforme a pesquisa apresentada pode-se observar que na construção civil a muito a ser melhorado, por ser um setor que desgasta o colaborador, alguns gestores já estão buscando melhorias continuas que tem como objetivo mostrar os métodos de prevenção da falta de qualidade no trabalho e também que a qualidade de vida no trabalho não é somente promover a produtividade no trabalho, mas sim desenvolver uma humanização do trabalhador.

REFERÊNCIAS

CHIAVENATO, I. GESTÃO DE PESSOAS: O PAPEL DOS RECURSOS HUMANOS NAS ORGANIZAÇÕES. 3ª edição. São Paulo: Editora Atlas. 2008. Páginas 487-489.

RODRIGUES, M. V. C. QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO. 9ª EDIÇÃO. São Paulo: Editora Atlas. 1994, Páginas 75-80.

NEVES, P. M. X. GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS. 1ª EDIÇÃO. São Paulo: Editora Rossi. 2007.

ROSSI, A. M. STRESS E QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: PERSPECTIVAS ATUAIS DA SAÚDE OCUPACIONAL. 1ª EDIÇÃO. São Paulo: Editora Rossi. 2007.

ROCHA, G. C. TRABALHO, SAÚDE E ERGONOMIA. São Paulo: Editora Atlas. 2007.

CHIAVENATO, Idalberto; Remuneração Beneficio e Relações de Trabalho: como reter talentos na organização, 3ºed. São Paulo: Atlas, 2003.

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas. São Paulo: Atlas, 2001.


Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: Melhoria Continua Qualidade de Vida Qualidade de Vida no Trabalho

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração