Gladiador: o valor da liderança

"É interessante observar os fatores que fazem de Maximus um líder tão eficaz, e como tal personagem pode servir de exemplo dentro da vida real e principalmente dentro do mundo corporativo"

Reprodução

Lançado em 2000, o drama épico Gladiador (Gladiator, EUA/UK, 2000), foi um dos maiores sucessos da década passada. Abocanhou cinco Oscars (incluindo Melhor Filme e Melhor Ator para Russell Crowe), e foi sucesso absoluto de crítica e público. Dirigido pelo mestre Ridley Scott (de outros inúmeros grandes filmes, como Alien: O Oitavo Passageiro e Blade Runner: O Caçador de Androides), Gladiador permanece como uma potente e emocionante aventura épica de gigantescas proporções e execução primorosa, valorizada por um protagonista por vezes maior que o próprio filme.

A produção acompanha a jornada do general romano Maximus Decimus Meridius (um avassalador Russell Crowe), que em campanha à serviço do Imperador Marcus Aurelius (o falecido Richard Harris, de Os Imperdoáveis), há muito tempo não retorna para casa, para os braços de sua família. Quando a campanha vai chegando ao seu final depois de inúmeros combates onde o exército de Maximus prevaleceu, o general recebe um duro golpe quando o instável Commodus (o ótimo Joaquin Phoenix), filho do Imperador e invejoso da relação de amor fraternal entre seu pai e Maximus, mata o próprio pai e condena Maximus à morte por traição.

Graças às suas habilidades de combate, Maximus escapa da morte e parte desesperado em busca de sua família, apenas para chegar em sua casa e descobrir que todos foram mortos por ordens de Commodus. Em mais uma reviravolta do destino, Maximus se torna escravo e acaba indo parar nas mãos de Proximo (o também falecido Oliver Reed, que inclusive faleceu durante as filmagens), um "agenciador" de batalhas clandestinas travadas entre os seus escravos, que são vendidos como gladiadores, apesar de muitos deles não terem nenhuma experiência de batalha. Proximo de imediato reconhece o dom para a guerra de seu novo guerreiro, e Maximus por sua vez, encontra em sua nova profissão uma oportunidade de voltar à Roma e vingar a morte de sua família.

A jornada do general que virou escravo e se transformou em gladiador é capturada em todas as suas cores pelo diretor Scott e pelo vibrante roteiro de John Logan (que inclusive escreveu o roteiro de Um Domingo Qualquer, filme cujo o qual eu já escrevi um texto aqui mesmo no Portal Administradores), David Franzoni (Amistad, 1997) e William Nicholson (Invencível, 2014). Mas além das grandiosas e empolgantes sequências de batalhas e da dramaticidade da sofrida jornada de seu protagonista, Gladiador é também uma valiosa história sobre a liderança e sua importância para o indivíduo e principalmente, para os que estão ao seu redor.

Maximus era um líder nato. Como general, era o mais temido do Império Romano, admirado e respeitado por seus comandados e por seu superior. Quando a vida o rebaixa à escravo, ainda assim Maximus é reconhecido de imediato como um líder, pelos outros escravos que o acompanham e também pelo seu "proprietário", por assim dizer. E é esta liderança nata que impede que Maximus e seu grupo seja dizimado (o que já era esperado pelo César e pela plateia), em sua primeira batalha no Coliseu de Roma, numa das melhores e mais bem orquestradas sequências de ação da história do cinema. Maximus deixa de ser escravo para se tornar gladiador, ganhando a admiração da mesma plateia que antes pedia sua cabeça.

O papel de liderança exercido por Maximus ao longo da produção salta aos olhos do espectador, muito disso graças à interpretação fenomenal de Russell Crowe, que visivelmente coloca o coração no personagem. E é interessante observar os fatores que fazem de Maximus um líder tão eficaz, e como tal personagem pode servir de exemplo dentro da vida real e principalmente dentro do mundo corporativo. Vamos à eles?

Humildade

No início da produção, Maximus era um homem de poder, e nem por isso exalava tal status a todo momento. Sua humildade era transmitida aos seus homens e até aos seus inimigos. Graças à sua humildade, Maximus tinha total confiança e respeito do César. Um bom líder corporativo reconhece a importância de cada pessoa, o inverso disso é arrogância. O arrogante não escuta o outro e por isso, comete muitos erros. Quem é arrogante é chefe, não é líder, porque só cria medo e não respeito, e o medo diminui a produtividade.

Coragem

Falando em medo, um aspecto que se destaca imediatamente no personagem de Crowe é sua coragem. Mesmo face à face com a morte por diversas vezes, o guerreiro abraça o medo e convida a morte para dançar. O líder corporativo por excelência é pró ativo e não reativo. Impulsiona, age, cria e avança sem receios. É destemido, e prefere desbravar novos caminhos do que seguir os passos que outros deram antes de si.

Princípios

Maximus era um homem de princípios. Era íntegro tanto dentro quanto fora do campo de batalha. Assim como no filme de Scott como no mundo dos negócios, o líder inevitavelmente serve de exemplo para os colaboradores. Se um líder apresenta incoerência entre discurso e ação, os colaboradores provavelmente seguirão o exemplo que observam da ação dele. O líder deve ter em mente que os colaboradores irão seguir o exemplo dado pelo seu comportamento, e, portanto, deve estar consciente do que faz, pois isso influencia na cultura e no desempenho de seus liderados.

O Legado de um Líder

A frase mais célebre de Gladiador, definitivamente é a sentença proferida por Maximus antes de suas principais batalhas: "O que fazemos em vida, ecoa na eternidade". Quem já conferiu o filme, sabe que após suas sequências finais, tais palavras ganham uma importância ainda maior. Na vida real, na vida profissional, o legado de um líder resume-se à sua conduta profissional no que diz respeito às pessoas, e nas lições que estes indivíduos carregam de suas experiências profissionais. Muitas vezes por toda uma vida. Os valores e princípios do verdadeiro líder refletem-se no DNA da organização e de seus comandados, de tal forma que o seu sucessor integre a maior parte dos aspectos positivos de sua liderança.

O verdadeiro líder, quando sai de cena, assim como o inesquecível Maximus deste Gladiador, deixa um grande vazio a ser preeenchido. Entretanto, é na sua sucessão que evidenciam-se os valores deixados pelo mesmo, que quando corretamente aplicados, realmente ecoam pela eternidade.

"A leader is best when people barely know he exists, when his work is done, his aim fulfilled, they will say: we did it ourselves." — Lao Tzu

Gladiador pode ser encontrado no catálogo da Netflix.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(0)