Economia de Escala: afinal que bicho é esse?

Artigo aborda o tema em linguagem simples e direta.

Economia de Escala é um conceito econômico cujo significado é a possibilidade de reduzir o custo médio de um determinado produto pela diluição dos custos fixos em um número maior de unidades produzidas. Como os custos fixos são constantes até um determinado patamar, quanto maior o volume produzido, menor será o custo médio. Isso ocorre quando uma empresa tem capacidade instalada de produção e aumenta o volume de produtos utilizando os mesmos recursos como maquinário, instalações e mão de obra. Dessa forma, o preço médio dos produtos é reduzido na proporção do aumento do volume. Alguns exemplos de custos fixos: aluguel, depreciação do maquinários e equipamentos, pessoal administrativo, telefone, investimentos em pesquisa e desenvolvimento do produto etc. 

Entretanto, a economia de escala só pode ser utilizada quando existe demanda no mercado por um determinado produto, pois de nada adianta aumentar o volume de produção se o produto não for absorvido pelo mercado. Neste caso, a empresa ficará com um grande estoque de produtos com custo médio baixo, porém encalhado gerando custos financeiros.

Goldratt, no livro A Meta, discute um caso em que a possibilidade de obtenção de economia de escala se transforma em armadilha. Ao substituir uma máquina antiga que produzia um componente de um produto final por uma máquina moderna, a empresa aumentou a capacidade de produção num volume superior à capacidade de utilização, gerando inventário (estoque excedente de um produto), que gerava um custo invisível para a empresa, afetando os resultados finais.

O fenômeno da economia de escala pode ser observado quando uma indústria lança um produto novo considerando uma expectativa de consumo baixo, pois o mesmo ainda não é conhecido pela maioria dos consumidores. Na medida em que o produto vai sendo testado e ganhando a confiança do consumidor, as vendas vão aumentando e a indústria dilui os investimentos em pesquisa e desenvolvimento do produto e outros custos fixos.

A economia de escala pode ocorrer também em outras situações econômicas diferentes da produção. Uma empresa que utiliza uma área de compras para várias unidades produtivas pode obter economia de escala, pois os custos fixos da área são diluídos em função do volume de itens comprados, diferentemente se a empresa tivesse um setor de compras para cada unidade de negócios. Além disso pode, também, ter vantagens na negociação em razão de lotes maiores de insumos. Neste caso, isso é considerado, também, como economia de escopo em empresas diversificadas. O setor de restaurante industrial é um exemplo de economia de escala, pois as compras são centralizadas para todas as unidades de produção de refeições, obtendo-se assim, melhores condições de compra em função do volume.

Porém, a economia de escala não ocorre de maneira infinita, pois existe o chamado ponto ótimo na curva de preço médio. A partir do ponto ótimo, a tendência do preço médio é aumentar, pois ocorrem custos fixos adicionais que podem elevar o preço médio, como a necessidade de maior espaço para estocagem, logística de distribuição pela aquisição de mais veículos e contratação de motoristas etc. O aumento da produção a partir do ponto ótimo pode gerar também custos adicionais de distribuição para atender clientes em localidades mais distantes.

Um exemplo bem prático de economia e deseconomia de escala, é uma escola de música. Um professor de violão pode começar atendendo apenas um aluno, mas é possível ensinar para mais alunos numa classe. Nesse caso os custos de aluguel do espaço, salário do professor e de funcionários de apoio e outros serão divididos por um número maior de alunos, aumentando os resultados econômicos do negócio. Entretanto, o aumento de alunos terá um limite que é o tamanho da sala e a qualidade do ensino. Com um número muito grande de alunos pode ocorrer o descontentamento com relação às explicações para dificuldades individuais, por exemplo e com isso ocorrer a perda de alunos. Se a escola atrair mais alunos, haverá a necessidade de ocupar mais uma sala e contratar um novo professor, ocorrendo aí, a deseconomia de escala.

Outro exemplo é uma aeronave de transporte de passageiros. Se a empresa aérea consegue vender todos os assentos, ela vai obter economia de escala, pois diluirá os custos fixos como depreciação do avião, salário dos pilotos e comissários e outras despesas administrativas no aeroporto. Neste caso o ponto ótimo é a aeronave lotada e não será possível reduzir o custo médio acima deste limite por motivos óbvios.

Enfim, economia de escala permite ganhos econômicos valiosos se a empresa consegue operar a pleno vapor com sua capacidade instalada, permitindo reduzir os custos obtendo uma vantagem competitiva ou liderança em custos, principalmente se conseguir outras fontes de redução nos chamados custos variáveis. Assim, se o mercado tem demanda por um determinado produto se o mesmo tiver preço mais baixo, a estratégia de custos pode desalojar outros competidores do mercado ou reduzir sua participação.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: custo médio custos fixos Economia de escala preço médio

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração