Inteligência competitiva não é benchmarking

Os conceitos ainda continuam confundindo os profissionais, e com isso as ações não acontecem. Espero que possa contribuir, para que melhor se entenda, o que é Inteligência Competitiva, e como se possa obter melhores resultados empresariais com sua utilização

Dois autores tratam bem este assunto. Para Spendolini, 1992, Benchmarking é uma ferramenta sistemática de caráter prevalentemente defensivo.

Por sua vez, Inteligência Competitiva – IC, segundo Kahaner, 1996, IC é uma ferramenta sistêmica de caráter prevalentemente ofensivo.

O objetivo do Bechmarking é identificar fatores e elementos críticos existentes no negócio, com ênfase nas opções de associações e alianças.

O objetivo da Inteligência Competitiva é identificar os fatores, elementos e tendências ambientais críticos para os negócios. Interpretar as tendências e antecipar situações futuras, incluíndo oportunidades para alianças e cooperação com competidores.

Quanto ao processo, enquanto no Benchmarking o processo é contínuo e sistemático, para avaliar produtos e serviços, em Inteligência Competitiva é um programa sistêmico de recoleta e de análise, de informações de referência das atividades dos competidores.

Ainda, são processos de trabalho das organizações conhecidas por utilizá-los, das melhores práticas com o objetivo de melhorar os processos da organização no Benchmarking, enquanto são tendências gerais do negócio, para fortalecer as possibilidades de uma organização das metas das organizações, de âmbito macro, com o objetivo de melhorar o negócio (processos e estratégias) no caso de Inteligência Competitiva.

Enquanto Spendolini não menciona Inteligência Competitiva, por sua vez, Kahaner, cita Benchmarking como uma atividade com as seguintes características:

  • Interno;
  • Competidores diretos;
  • Orientado a funções; e
  • Orientação horizontal (implicações interdependentes pelos departamentos da organização).

Por fim, segundo Rodrigues e Riccardi, 2007, o Benchmarking, mais do que preocupar-se com o "quê" produz o competidor, está interessado com "como" ele o faz, especificando como ele o desenha, como ele o produz, como ele faz seu marketing e com que serviços ele o acompanha. Pode ser qualificado como uma atividade eminentemente defensiva já que analisa fatos já produzidos.

Segundo os mesmos autores, Inteligência Competitiva, além das características indicadas, se preocupa profundamente com a distribuição – a mais ampla possível – das informações que for capaz de recolher. Assim concentrando-se nas seguintes atividades:
1. Antecipação de mudança no mercado;

2. Antecipação de ações dos competidores;

3. Descobrimento de novos potenciais competitivos;

4. Deduções (implicações) obtidas pela análise de fracassos e sucessos dos outros;

5. Aumento do nível da qualidade de possíveis aquisições;

6. Conhecimento acerca de novas tecnologias, produtos e processos que podem afetar o negócio da empresa;

7. Conhecimento das mudanças políticas, legislativas ou regulatórias que podem afetar o negócio;

8. Avaliação da conveniência de entrar em novos negócios;

9. Estudo e análise das mudanças que se produzem na natureza própria da competição;

10. Efetuar análise situacional interna revisando operações correntes em ação na Empresa, para determinar o que realmente os executivos sabem acerca dos competidores e seus modus operandi;

11. Definir a orientação prioritária da IC que os executivos consideram necessária no momento específico;

12. Desenvolver atividades de contra-inteligência, de desinformação e de inteligência defensiva, já que os dados estruturados ou que não se podem obter pela IC podem ter grande importância para a segurança das atividades de operação da organização.

Espero ter contribuído para que você aproveite melhor estas ideias.

Bom trabalho.

Referências:
SPENDOLINI, Michael. The Benchmarking book. New York: AMACOM, 1992, pp. 9-10
KAHANER, Harry. Competitive Intelligence. New York: Touchstone, 1996, pp. 37.
RODRIGUES, Leonel Cezar e RICCARDI, Riccardo. Inteligência Competitiva: nos negócios e organizações. Maringá: UNICORPORE, 2007, pp.112. 

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(2)
Tags: administração benchmarking inteligência competitiva