Mais comentada

TIPOS DE EMPREENDEDORISMO: SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS*

Eliana pessoa,
* Esta síntese foi escrita por Manoel Messias Batista, aluno de Adminstração da Unb, sob orientação da Professora Eliana Pessoa, em março/2005. 

Todo empreendedor precisa ser um bom administrador para poder tomar as decisões adequadas. Por outro lado, nem todo administrador possui as habilidades e os anseios dos empreendedores, por mais eficaz que seja o administrador em realizar o seu trabalho. O empreendedor vai além das tarefas normalmente relacionadas aos administradores, tem uma visão mais abrangente e não se contenta em apenas fazer o que deve ser feito. 

O empreendedor corporativo (intra-empreendedor ou empreendedor interno), o empreendedor start-up (que cria novos negócios/empresas) e o empreendedor social (que cria empreendimentos com missão social), são pessoas que se destacam onde quer que trabalhem. 

Sua forma de ser, aprender, portanto, podem ser compreendidas e adquiridas pelas pessoas. Não se trata de modismo ou de uma versão adaptada do empreendedorismo de negócios, mais de ampliar o empreendedorismo e aplicá-lo a outras áreas, sem perda conceitual. 

As definições para o empreendedor são várias, mas essencialmente pode-se dizer que é uma pessoa que emprega os recursos disponíveis de forma criativa, assume riscos calculados, busca oportunidades e inova. 

O empreendedorismo corporativo pode ser definido como sendo um processo de identificação, desenvolvimento, captura e implementação de novas oportunidades de negócios, dentro de uma empresa existente. 
É o processo pelo qual um indivíduo ou um grupo de indivíduos, associados a uma organização existente, criam uma nova organização ou instigam a renovação e inovação dentro da organização existente. A renovação estratégica refere-se aos esforços empreendedores da organização que resultam em significativas mudanças no negócio ou na estrutura corporativa, bem como em sua estratégia. É a soma da inovação que a organização pratica e desenvolve; de sua renovação; e dos esforços para implementação de novos negócios. 

Ao se analisar o empreendedorismo corporativo em termos conceituais, as etapas não diferem muito do empreendedorismo de negócios. 
Na prática, as regras e condições ambientais são bem diferentes. Os fatores fundamentais no processo corporativo são: a oportunidade; os recursos que a organização dispõe e que serão alocados para a exploração da oportunidade identificada; e as pessoas, a equipe que colocará tudo isso em prática, ou seja, os empreendedores corporativos. 

O processo empreendedor geralmente é determinado ou influenciado pelo ambiente, pelas oportunidades, e pelos indivíduos empreendedores na organização, o contexto em que a organização está inserida, os conceitos de negócio e valores praticados internamente, e os recursos disponíveis. 
A intensidade empreendedora é determinada por três variáveis fundamentais: a inovação, a propensão para assumir riscos e a proatividade (iniciativa). A prática combinada dessas variáveis é que determinará o grau de empreendedorismo da organização. 
Portanto, empreendedorismo corporativo não se limita à inovação, considera também as dimensões de risco e proatividade. A empresa empreendedora precisa possuir políticas de recompensas e aceitar certas falhas, incentivando as pessoas a buscarem algo diferente, novo, exercitando a criatividade e estando abertas a idéias inovadoras. 

O processo de empreendedorismo social exige principalmente o redesenho de relações entre comunidade, governo e setor privado, com base no modelo de parcerias. O resultado final desejado é a promoção da qualidade de vida social, cultural, econômica e ambiental sob a ótica da sustentabilidade. 

O processo de empreendedorismo social tem início com uma ‘idéia’, associada a um ou mais problemas sociais relevantes. A sua força e criatividade estão no ‘impacto social’ - na sua capacidade de gerar soluções eficientes e eficazes para os problemas identificados. 
O impacto social desta idéia está diretamente relacionado à capacidade de gerar benefícios, diretos e indiretos, para o maior número possível de pessoas afetadas pelo problema social, e de provocar mudanças significativas na estrutura do sistema atual. A idéia também deve ser facilmente assimilada por todas as pessoas envolvidas, agentes de mudança, gestores e executores do projeto, parceiros e, sobretudo, pela população beneficiada. 

No empreendedorismo de negócios são claros os desafios – a competitividade do negócio; a busca dos diferenciais competitivos; de vencer a concorrência; conquistar clientes; e alcançar a lucratividade e a produtividade necessárias à manutenção do empreendimento. 

O empreendedorismo social tem na comunidade o seu principal eixo de atuação. O empreendedorismo social para ser bem-sucedido precisa das seguintes ações: preservação das culturas locais; introdução e prática de novas formas de inserção social; incentivo à adoção de comportamentos responsáveis e éticos; e autogeração de renda e emprego. O caminho é da cooperatividade em vez da competitividade, da eficiência sistêmica em vez de eficiência apenas individual, do ‘um por todos, todos por um’ em vez do ‘cada um por si e Deus só por mim’. 

As principais características são: - cooperatividade; - a produção esta voltada para as necessidades do povo e da nação; - predomínio das ‘relações da solidariedade; - foco no desenvolvimento integral dos potenciais materiais e espirituais do ser humano e da humanidade; - promoção de parcerias com organizações sociais, em especial aquelas representativas dos setores sociais mais oprimidos e com governos locais; - atua na dimensão indivíduo – grupo – coletividade – comunidade – sociedade; e - os membros da sociedade são os principais agentes ou sujeitos do desenvolvimento. 

O empreendedorismo social
é um misto de ciência e arte, racionalidade e intuição, idéia e visão, sensibilidade social e pragmatismo responsável, utopia e realidade, força inovadora e praticidade. O empreendedor social subordina o econômico ao humano, o individual ao coletivo e carrega consigo um grande ‘sonho de transformação da realidade atual’. 

O processo empreendedor pode ser aplicado sem perda conceitual a todos os tipos de empreendedor, pois a oportunidade, os recursos e a equipe empreendedora são aspectos-chave, independentemente do tipo da organização. 

Empreender em organização já estabelecida pode ser até mais difícil do que iniciar uma nova empresa sem vínculo corporativo, pois existem regras a serem seguidas, a burocracia pode ser um fator limitante e o controle normalmente não está nas mãos do empreendedor. Por outro lado, ao se iniciar um negócio novo, os recursos nem sempre estão presentes, a empresa não tem nome no mercado, a gestão dificilmente é profissionalizada, o que pode levar ao ceticismo. 

As semelhanças entre o empreendedorismo corporativo e o empreendedorismo de negócios são: perseverança, a capacidade de reconhecer, avaliação, a explorar uma oportunidade, a criação de produtos, serviços, processo ou negócios. Enquanto que o empreendedor corporativo está preocupado em melhorar a imagem da marca da empresa, trabalha dentro de uma cultura existente, trabalha com regras claras e horizontes de médio e longo prazo dentro de uma burocracia já estabelecida; o empreendedor de negócios está voltado para a criação de riquezas, e cria as estratégias, num horizonte de curto prazo e a passos rápidos. 

É difícil para o empreendedor corporativo ter o mesmo grau de paixão pelo que faz que o empreendedor start-up e o empreendedor social. Pode ser exagero admitir que empreendedores corporativos vejam a organização como algo que é deles, como é o caso dos empreendedores start-up. Se ao empreendedor corporativo for oferecida a possibilidade de retornos pelos riscos assumidos (retornos não só financeiros, mas de reconhecimento, promoção, premiação etc), talvez a paixão que ele possa ter aproxime-se daquela do empreendedor start-up. 

O empreendedorismo social difere do empreendedorismo propriamente dito em dois aspectos: não produz bens e serviços para vender, mas para solucionar problemas sociais, e não é direcionado para mercados, mas para segmentos populacionais em situações de risco social (exclusão social, pobreza, miséria, risco de vida). 

O empreendedor social é um líder – suas idéias e inovações são adicionadas à metodologia utilizada na busca de soluções para os problemas sociais, objeto das ações de empreendedorismo. São pessoas que trazem aos problemas sociais a mesma imaginação que os empreendedores do mundo dos negócios trazem à criação de riqueza. 

Os empreendedores sociais buscam soluções inovadoras para os problemas sociais existentes e potenciais. Suas idéias, conceitos e metodologias não são objetos de apropriação individual e registro de propriedade material e intelectual, como o fazem os empreendedores privados. As idéias são divulgadas porque devem ser multiplicadas e aplicadas em outras cidades, regiões e países. 

Como por exemplo – o soro caseiro, bolsa-escola, médicos de família, universidade-solidária e muitos outros. Busca o sucesso por meio do impacto social, do número de pessoas beneficiadas com a solução proposta no programa ou projeto de empreendedorismo social. O retorno é medido com a melhoria da qualidade de vida de seus beneficiários, no seu progresso material e espiritual-pessoal. São, portanto duas lógicas distintas: a lógica do empreendedorismo propriamente dito e a lógica do empreendedorismo social. 

No empreendedorismo social, o foco é nos problemas sociais, e o objetivo a ser alcançado é a solução a curto, médio e longo prazo destas questões. O objetivo final é retirar as pessoas da situação de risco social e, na medida do possível, desenvolver-lhes as capacidades e aptidões naturais, buscando propiciar-lhes plena inclusão social. A comunidade é ao mesmo tempo, protagonista e beneficiária dessas ações, em especial as comunidades menos privilegiadas. 
Avalie este artigo:
(0)

Curta o Administradores.com no Facebook
Acompanhe o Administradores no Twitter
Receba Grátis a Newsletter do Administradores

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Vagas de trabalho