A roupa de mulher maravilha, ou super-homem, do assistente executivo: O famoso plano B.

Prepare-se para tirá-la do armário. Assistentes executivos estão se especializando em diferentes áreas, e, com isso, vemos um mercado mais promissor para a carreira de docência.

Cora Fernanda

Planejamento de carreira é um assunto que, por vezes, deixamos para depois. Beeeem depois. Mas não devemos nos descuidar tanto assim.

O tempo está passando muito rápido e tudo tem urgência: um dia nossa casa, outro, nossa família, em outro os estudos ou uma outra língua. São muitas tarefas e anseios pela carreira, o plano A, que não pensamos em um plano B, efetivamente.

Mas aqui vai um artigo cheio de boas notícias, onde mostramos que o secretariado tem crescido e se aquecido com todas estas mudanças de cenário. E mudanças trazem oportunidades. Se envolva, se comprometa e comece a planejar o seu futuro again.

Como? Não há hora específica para começar, basta que você veja esta necessidade. A construção dele não necessariamente deve ser delineado quando o seu plano A, estiver ao fim. Sua carreira, independente do momento, deve ser cuidada. Muito bem cuidada! Estou ascendendo? Estou adequada? Estou em transição? Estou confortável? Esse conjunto de perguntas converge ao seu traçado de desenvolvimento e trajetória profissional. Sendo assim, devo atentar para minhas sensações sobre a carreira. Neste ano de 2016, conclui um curso para docência em secretariado executivo. Acreditem, muitas portas se abriram, criatividade foi a mil. Não é este o sinal? Saber que podemos ir além do que nossa rotina nos traduz?

O que? Estamos falando em o que fazer? Sim! O que você vai fazer neste momento de escolha? Pela quantidade de atribuições que o assistente executivo tem, inclusive na atualidade, ele está miscigenando-se a outros profissionais. Mas não confunda! Ainda somos assistentes executivos, atuando em finanças, traduções, manutenção de casas e família, além de outros assuntos mais técnicos. Daí o questionamento: o que vou fazer? Temos uma gama de assuntos para escolher e navegar, ainda que desconhecido, desbravar. Não esqueça, o start está com você. Ainda sobre o CPDAS, curso que mencionei no parágrafo anterior, descobri outras possibilidades. Ministrados pelas fenomenais Walkíria Almeida e Bete D´Elia, surgiu de uma lacuna, ou seja, por precisarmos de profissionais capacitados para lecionar e administrar as informações de forma concisa e fiel, para aqueles que estão ingressando na carreira de secretariado. Outras palavras: assistentes executivos formando novos profissionais da área. Você é daqueles profissionais  que inspiram? Que as pessoas sempre voltam em sua mesa? Que as pessoas querem por perto? Que admiram? Que contagia os demais com o secretariado? Está no caminho certo para lecionar, pois professores inspiram aqueles que estão do outro lado da tela, aquela que será pintada. Aprendizado, com certeza é uma habilidade a ser desenvolvida, e, desenvolver novos profissionais, é a chave da mudança.

Por que?  Mas porque devemos olhar a oportunidade da docência com os olhos do amor? Claro, porque esta tarefa e dom só pode ser exercida por aqueles que amam o que fazem e multiplicam seu conhecimento, fazendo uma grande nebulosa de aprender- saber – aprender. A sala de aula ensina? Contagia? Trago neste artigo, uma profissional brilhante e que acrescentará tudo aquilo que devemos saber sobre docência. Ela é Simara Rodrigues, professora e coordenadora do curso de Secretariado Executivo na UNIP, Campus Brasília. Quer saber mais?

Professora.... é para copiar? Não! Agora só preste atenção no que a mestre escreverá....

Querida Cora, se o seu artigo fosse uma avaliação, diria que você gabaritou a prova e a sua nota foi 10! Parabéns pelas ricas contribuições e reflexões. Você foi muito pontual, isto porque de nada adianta acumular títulos e formações se não houver talento para ensinar, ou seja, se não existe a paciência e habilidade pedagógica essencial para a prática da docência.

Por isso, é importante saber que sendo o seu plano B a docência, será importante preservar o coração de estudante, que ao ensinar, está em constante aprendizagem; e não desenvolver um ensino mecânico como de "depósito bancário", em que apenas se injeta conhecimento acrítico nos alunos. Logo, a habilidade de lecionar precisar vir sem interesses lucrativos, sem discriminação de classe, raça ou gênero, sem mediocridade. Daí a importância em trabalhar com empatia, engajamento e propósito, atuando como um curador do conhecimento, que sabe ouvir paciente e criticamente, pois somente quem escuta é capaz de se comunicar com segurança e propriedade. 

Perceba que, muitas habilidades estão inseridas no perfil do profissional de secretariado, o que facilita transitar entre as áreas, mas não significa que exigirá menos dedicação e competência. O que a propósito, deve ser esclarecido: quem escolhe um plano B precisa ter consciência das responsabilidades e consequências e não visualizar esta possibilidade apenas como uma renda extra. Saiba que com esse pensamento, você estará fadado ao fracasso. 

E ao vestirmos essa roupa de “super-herói” que não sejamos demasiado convictos de nossas verdades, mergulhados em nosso ego, que em muitas situações é massageado pelo status e poder, que na verdade não existe. Se bem pararmos para pensar, nossos alunos são os mesmos clientes, exigentes, que encontramos no mundo corporativo, e merecem a melhor prestação do serviço, qual seja, a capacidade singular de compartilhar conhecimento, a partir de nossas vivências, experiência e disposição. E que fique claro: este conhecimento precisa ser vivido e testemunhado por nós docentes, principalmente da área de secretariado, uma vez que a teoria deve ser coerente com a prática do professor, que passa a ser uma referência e influenciador de seus educandos. Afinal, não seria convincente falar para os alunos que o tabagismo faz mal à saúde e no intervalo da aula, fumar um cigarro.

É preciso brilho nos olhos, postura positiva, sem frieza e mecanismo da leitura do slide em power point projetado na tela. É preciso emoção que movimente as atitudes dos indivíduos, mesmo aqueles mais despreparados e que alegam ter caído de “paraquedas” na profissão.

Nós docentes, precisamos estimular a alegria em nossas aulas, ao mesmo tempo que,  carregando o caráter da cientificidade e dos conhecimentos teóricos, nossa área não caia na rotulação de ser apenas tecnicista e sem compromisso com os conhecimentos específicos. Por isso, a necessidade em saber lidar com esta dualidade.

O papel do docente precisa ir além da sala de aula, compreendendo a atuação na formação de pessoas e na construção de sonhos, muitas vezes adormecidos, que a partir das inspirações e referências, são despertados. Parafraseando Paulo Freire: “Educar é impregnar de sentido o que fazemos a cada instante” e assim, deixo essas inquietações na expectativa de que outros profissionais de secretariado busquem a docência, não apenas como um plano B, mas um plano de vida, que motiva, inspira e constrói.

E uma última dica: não cometa o grande equívoco de pensar que é preciso saber tudo para começar a trabalhar com o seu plano B. Esse momento nunca vai chegar.  Feita a sua escolha, prepare-se, faça cursos, procure informação, acione sua rede de contatos, converse com pessoas que já atuam na área, participe de eventos, congressos, palestras e assim como fizeram os seus professores, aqueles eternizados em sua memória, seja a diferença.

Gostou? Já com ideias novas? Pensando à frente? Está preparado antes mesmo de começar?

Até a próxima!

 

 

 

 

Café com ADM

Café com ADM

#29
Os segredos da audiência: como construir um negócio vencedor na internet
Leandro Vieira conversa com Samuel Pereira sobre audiência, tráfego e resultados em negócios digitais
Confira outros episódios
Administradores
Administradores

O login deve conter apenas "letras" (minúsculas), "números" e "_". Ele será usado para lhe identificar no seu perfil.

Entre com a sua conta

Administradores
Administradores

Torne-se um Administrador
Premium por apenas
R$ 29,90 mensais

Ou cadastre-se com: