Demissão por justa causa cresce 13,7% em SP

Ante o mesmo período de 2009 o número de demissões por justa causa cresceu 13,78%, totalizando 24.013 desligamentos

Estadao.com.br,

Sem aviso prévio e direitos trabalhistas. Foi assim que 27.324 trabalhadores foram demitidos entre janeiro e maio na região metropolitana de São Paulo. Utilizada pelos empregadores para postergar o pagamento dos direitos trabalhistas durante a crise financeira, a demissão por justa causa este ano segue em crescimento mesmo com recuperação da economia caracterizada pelo aumento do emprego, consumo e crédito.

 

Ante o mesmo período de 2009 o número de demissões por justa causa cresceu 13,78%, totalizando 24.013 desligamentos. Em dez anos, a alta foi de 146,38%, segundo o Ministério do Trabalho e Emprego.

De acordo com o pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho (Cesit) do Instituto de Economia da Unicamp, José Dari Krein, é preciso avaliar o número de demissões proporcionalmente. Entre 2001 e 2008, as demissões justificadas oscilaram entre 1,64% a 1,95% do total das dispensas. O índice subiu para 2,38% e 2,46% em 2009 e 2010, respectivamente.

 

Krein afirma que o salto proporcional em 2009 pode ser justificado pela crise mundial. As empresas estavam com dificuldades de conseguir crédito e tinham na demissão por justa causa uma forma de postergar o pagamento dos direitos trabalhistas, já que o assunto é levado para discussão no Judiciário e, em sua grande maioria, há ganho de causa para o trabalhador.

 

O cenário de crescimento do número de trabalhadores e da rotatividade pode resultar no aumento de demissões por justa causa em 2010, prática influenciada por uma possível estratégia da empresa em adiar o pagamento dos direitos ou até mesmo do funcionário provocar sua dispensa. Na comparação entre 2009 e 2010, o número total de demissões aumentou 10,2% e o de contratações, 29%.

 

O professor da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), José Cechin, também acredita que esse aumento de demissões por justa causa se deve, em parte, pelo crescimento do volume de empregos com carteira assinada.

 

A doutora em Direito do Trabalho e professora da PUC-SP, Fabíola Marques, pontua que a demissão por justa causa é caracterizada pela prática de uma falta grave. Segundo ela, a desídia no desempenho da função é uma das mais comuns. A situação é caracterizada quando o funcionário demonstra falta de interesse e chega atrasado frequentemente, por exemplo.

 

Quem é demitido por justa causa perde praticamente todos os direitos e recebe apenas pelos dias trabalhados no mês e pelas férias vencidas. Férias e 13º salário proporcionais, aviso prévio, saque do FGTS, multa de 40% sobre o FGTS e seguro-desemprego não entram no acerto. 



Tags: crescimento demissão justa causa

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração