Mais comentada

Pesquisa investiga inserção de administradores no mercado pós-faculdade

Estudo está em fase de coleta de dados; qualquer egresso dos cursos de Administração pode participar da pesquisa

Redação, Administradores.com,
iStockphoto

Uma das dúvidas mais frequentes dos aspirantes a administradores é a capacidade de absorção do mercado de trabalho. Em geral, o que se fala sobre o assunto é fruto de observações empíricas, fruto de vivências de outras pessoas que não representam uma realidade mais abrangente. Mas uma pesquisa acadêmica em andamento busca quantificar melhor esse quadro.

O estudante do mestrado em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Jhony Moraes é autor de um estudo que busca mapear o quadro de inserção dos egressos dos cursos de Administração no mercado. A pesquisa está em fase de coleta de dados e qualquer administrador formado pode participar respondendo ao questionário.

"Esta pesquisa surgiu a partir de uma série de estudos sobre inserção profissional, mercado de trabalho e carreira que desenvolvemos na Escola de Administração na UFRGS, em específico na área de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho", explica o mestrando.

Ele ressalta que o curso de Administração, junto com Pedagogia e Direito, é um dos que mais recebe matrículas tanto nas faculdades públicas quanto no ensino privado. Esse perfil do curso, segundo o pesquisador, requer um olhar mais aprofundado acerca das possibilidades profissionais dos egressos.

"É importante identificar a etapa pós-formação, pois observamos a ocorrência de um rebaixamento de diplomas que, em linhas gerais, mostra que mesmo pessoas com nível superior estão ocupando postos de trabalho inferiores à qualificação", conta. O trabalho também propõe uma tipologia de inserção profissional específica para a realidade brasileira, uma tendência comum em países europeus.

O mapeamento da absorção dos profissionais administradores pelo mercado se dá em três etapas: o levantamento do perfil dos egressos, a identificação da atuação ocupacional desses trabalhadores e a análise da contribuição do curso superior para a carreira.

Para que o estudo seja bem sucedido, é necessária uma amostragem mínima de 1000 respondentes.

"Temos poucos estudos sistematizados na área", diz orientador

Uma das justificativas para a realização de uma pesquisa ampla sobre a atuação do administrador no mercado de trabalho é a ausência de estudos segmentados por área de formação com esse propósito.

"No Brasil temos poucos dados sistematizados sobre mercado de trabalho por área de formação, se pensarmos inserção profissional praticamente não há estudos. Logo um levantamento nacional permite compreender em detalhes como são os anos de ingresso no mercado de trabalho", explica o orientador Sidinei Rocha de Oliveira.

Alguns desses detalhes incluem os tipos de atividade exercidas pelos administradores formados, o perfil das empresas onde atuam, a média salarial, dentre outros indicadores. "Assim, [os egressos] podem refletir sobre sua própria situação profissional e rever direcionamentos de carreira", afirma.

Por outro lado, a sociedade civil e o próprio Estado passarão a contar com dados fidedignos acerca de um fenômeno pouco investigado e que sofreu um forte impacto com a expansão da oferta de cursos superiores nas últimas décadas.

"Há alguns anos, a posse de um diploma de curso superior era garantia de acesso aos melhores postos de trabalho do mercado e, no caso da Administração, uma remuneração alta, em comparação com o total da população e mesmo com outras áreas de graduação", ressalta o orientador.

"No entanto, o acesso aos cursos superiores também era mais restrito e ficava muitas vezes concentrados em classes superiores. O processo de expansão permitiu o acesso de outras classes sociais aos cursos superiores, mas também resultou num elevado número de egressos, que tem levado a redução da média salarial e a um possível rebaixamento de diplomas", completa.

Após concluída, a pesquisa fornecerá um panorama sobre essa realidade e ajudará administradores aspirantes ou recém-formados a elaborarem seus próprios planos de carreira.