Marketplace cresce no Brasil e traz vantagens para PMEs

Antes de ingressar em um marketplace, no entanto, o pequeno empresário precisa se atentar para um detalhe primordial: o gerenciamento das operações

Robson Michel Parzianello, Administradores.com,

Marketplace cresce no Brasil e traz vantagens para PMEsParticipar de um marketplace é uma ótima escolha para empresas que buscam ampliar seus canais de venda, melhorar sua presença digital, posicionamento de mercado, atingir novos clientes e, consequentemente, aumentar seu faturamento em vendas on-line.

Para vender em um plataforma com esse perfil a empresa passa por um processo de credenciamento e após a ativação do cadastro, a mesma está apta para anunciar suas ofertas. O anúncio dos produtos pode ser automatizado por meio de integração com a loja virtual (API), integradores especializados, que normalmente fazem a ponte de integração entre as plataformas, ou até mesmo pelo painel administrativo (backoffice) do próprio marketplace.

Os custos para anunciar em marketplaces segmentados ou multi-departamentos, tal qual o Mercado Livre, variam conforme o segmento do varejista e os serviços oferecidos pela plataforma escolhida. Em linhas gerais, os mais praticados são o CPA (custo por aquisição), ou seja, percentual que varia em média de 5 a 20% sob as vendas efetivadas e o CPC (custo por clique), cobrado sobre os cliques realizados em cada oferta do vendedor.

O baixo investimento empregado pelos anunciantes auxilia no crescimento exponencial do modelo de negócio em todo mundo. No País, a realidade não é diferente. De acordo com o estudo Panorama dos Marketplaces no Brasil, realizado pela Precifica, em parceria com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o volume de vendedores em marketplaces obteve crescimento de 24% em 2017 comparado ao ano anterior.

Parte desse crescimento é oriundo dos pequenos e médios empresários, que cada vez mais apostam no segmento. Eles são atraídos pelas vantagens de poder disponibilizar seus produtos em um canal robusto e repleto de consumidores cativos, além de ter a chance de conquistar maior visibilidade por meio do marketing digital realizado pelos marketplaces.

Fazer o caminho oposto requer investimento - muitas vezes elevado - e trabalho de longo prazo. A PME que decide lançar a loja virtual por conta própria precisa vencer grandes obstáculos para obter resultados satisfatórios, incluindo o desenvolvimento do sistema e novas tecnologias, integrações entre plataformas, além de "queimar muita lenha" em marketing digital, remarketing, retargeting e os demais elementos que garantem o ciclo para a efetiva conversão das vendas on-line.

Vale lembrar também, que antes de ingressar em um marketplace, o pequeno empresário precisa se atentar para um detalhe primordial: o gerenciamento das operações. É fundamental estabelecer uma grande eficiência no atendimento e imprimir uma gestão unificada do estoque, uma vez que o negócio poderá ter uma demanda mais alta do que o costume. Nesse caso, bom controle de produtos e equipe para realizar contato com o cliente é uma exigência imprescindível. Outro ponto fundamental é a política de entregas e devoluções estabelecidas pelas plataformas. A mínima ocorrência de falhas e atrasos nas entregas é importante para satisfação geral dos usuários do marketplace. Quem não segue esses critérios corre grande risco de ter que ressarcir o cliente e até mesmo, na repetição dos casos, ser descadastrado do canal de vendas.

Apesar de tantos desafios a serem vencidos, a tendência é de que a quantidade de PMES nos marketplaces continue evoluindo em 2018 e nos anos subsequentes, uma vez que a oportunidade é ótima para alavancar as receitas. Aliás, estender os canais de vendas em marketplaces será um caminho sem volta para quem pretende conquistar nova gama de consumidores. O custo benefício se mostra altamente satisfatório e aumenta as possibilidades de expansão do negócio em si.

Robson Michel Parzianello — Engenheiro de computação e CTO do Farmácias APP, primeiro marketplace segmentado de saúde e beleza do Brasil, criado para aproximar farmácias, drogarias, cosméticos, perfurmarias e lojas de suplementos dos seus clientes.