Mais comentada

Marketplaces: como ajudam a atrair clientes e ampliar as vendas

A mudança no comportamento do consumidor, que a cada dia torna mais tênue as fronteiras entre o varejo físico e o digital, também exige adaptações por parte dos comerciantes

Publieditorial,
istock

O desejo de qualquer comerciante, seja em uma loja física ou virtual, é receber um tráfego relevante e consistente de consumidores ao longo do tempo. Entretanto, muitas vezes é difícil transformar esse sonho em algo concreto. Há inúmeros fatores que explicam isso: limitações do ponto de venda físico, baixa audiência no e-commerce, público consumidor reduzido, entre outros. Frente a essas barreiras, pode ser difícil vislumbrar uma solução eficaz. Mas elas existem.

A mudança no comportamento do consumidor, que a cada dia torna mais tênue as fronteiras entre o varejo físico e o digital, também exige adaptações por parte dos comerciantes. O mercado tem respondido a essas transformações, oferecendo novos recursos e plataformas que já começam a fornecer bons resultados para quem os utiliza.

Uma das melhores oportunidades no momento são os marketplaces. Não é preciso muito esforço para entender a popularidade do modelo. Os relatórios de resultados dos principais e-commerces nacionais frequentemente mencionam a modalidade em suas análises de desempenho, destacando indicadores como aumento no número de lojistas parceiros, volume de vendas e participação no faturamento.

O conceito é simples: trata-se de um grande shopping center virtual. Marcas já consagradas no varejo, com tráfego constante e uma infraestrutura de tecnologia e vendas altamente robustas, abrem espaço para que lojistas independentes também anunciem seus produtos. Um típico modelo em que todos os agentes envolvidos saem ganhando: grandes e-commerces ampliam o catálogo de produtos, lojistas parceiros fecham mais negócios e o consumidor conta com maior diversificação e poder de compra.

Essas vantagens fazem do marketplace um modelo em franca ascensão no Brasil. Na prática, ele serve como catalisador para as lojas. Negócios físicos conseguem diversificar as fontes de receita e expandem sua abrangência geográfica além dos limites locais. Comércios virtuais ganham fôlego extra em termos de tráfego e vantagens para os consumidores (meios de pagamento, credibilidade e até mesmo diferenciais logísticos).

Como em qualquer modelo de negócio, existem custos envolvidos nessa operação. Na maioria dos casos cobra-se uma comissão por cada venda concretizada. Entretanto, com um controle adequado é possível balancear esses gastos e obter uma rentabilidade positiva. Em algumas situações a performance pode, inclusive, superar o resultado da operação física ou via e-commerce próprio. O uso de recursos visuais, como o Canvas, ajuda a estruturar esse planejamento de forma mais eficaz.

Ao definir uma estratégia de atuação, é fundamental se atentar a elementos básicos do processo comercial dentro das grandes varejistas. Tratam-se de aspectos que praticamente não mudam em relação à gestão de uma loja física ou e-commerce próprio. Entre eles estão: produção de anúncios qualificados, cumprimento dos prazos de postagem e envio, atendimento cordial no pré e pós-venda, entre outros.

Também é preciso estar ciente de que se trata de um processo com evolução contínua. O lojista deve buscar otimizações constantes, seja identificando novos itens com bom apelo de vendas (aqui há uma lista útil) ou monitorando concorrentes e melhorando as condições comerciais (sobretudo em termos de preço e frete).

Assim, é preciso ter clareza de que os marketplaces são um ponto de partida para o êxito nas vendas. A simples presença dentro de determinada rede varejista não assegura um incremento automático no volume de consumidores e pedidos. É papel do lojista entender quais as possibilidades do canal e o que precisa ser feito para explorá-las plenamente.

Esse processo de descoberta e entendimento nem sempre gera efeitos imediatos, principalmente para um negócio que está iniciando a operação de venda nos grandes e-commerces. Para esses casos, soluções como o Olist tem um peso decisivo na jornada. Além de uma plataforma que centraliza a negociação e a gestão junto aos marketplaces, o lojista também expõe os produtos na maior Loja de Departamentos do gênero, com credibilidade e expertise de mercado já estabelecidas. Isso permite reduzir o tempo de aceleração, trazendo resultados ainda mais expressivos.