Mais comentada

Será que você, empresário, entendeu mesmo a reforma trabalhista?

Mudanças impactam não só aspectos burocráticos, mas também a forma como empresas atraem e retêm talentos

Renato Xavier, Publieditorial Cesta Nobre,
istock

A Lei n.º 13.467, que trata da reforma nas leis trabalhistas brasileiras, entrou em vigor em novembro de 2017 e até hoje gera questionamentos de todos os lados: dos trabalhadores e dos empregadores. E isso é normal. Afinal, tudo que é novo precisa de um tempo para ser absorvido em novas rotinas. Mas quanto antes você, empresário, entender os impactos dessas transformações, melhor. Por que elas não afetam apenas questões burocráticas, mas também a forma como sua marca empregadora atua, como seu negócio atrai e retém talentos.

A reforma formalizou algumas questões que já eram realidade e não tinham regulamentação, como a jornada de trabalho de 12x36 horas, o trabalho intermitente e a possibilidade de o trabalhador que pede demissão ter acesso ao FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). E também trouxe novidades, como a priorização dos acordos perante a legislação.

Nós da Cesta Nobre preparamos um guia que esclarece ponto a ponto todas as mudanças nas leis trabalhistas e os impactos que ela gera para as empresas. Clique aqui para baixar o guia.

Seus desafios

Neste artigo, não vou entrar ponto a ponto nas novas leis. Para isso, recomendo fortemente que faça o download do guia. Aqui, quero falar com você sobre os desafios que essas mudanças impõe. De um lado, os processos de contratação, gestão e demissão de pessoas ficou mais flexível. Por outro, surgem novos tipos de relação trabalhista, cada um com suas especificidades e, consequentemente, demandas próprias.

Por isso, a primeira postura a ser adotada pelo empresário nesse novo cenário é entender que, ao implementar mudanças em suas formas de contratar e gerir suas equipe, a cultura com a qual estava acostumado sofrerá impactos. E isso deve ser levado em conta na hora de decidir os critérios que serão estabelecidos.

Ser uma empresa atrativa para talentos de alto impacto

A reforma trabalhista regulamentou, por exemplo, a jornada intermitente e o home-office. No primeiro caso, a empresa convoca o trabalhador somente quando precisar dele e o remunera apenas com base nos dias trabalhados. Isso traz flexibilidade, por exemplo, para restaurantes e bares, que têm fluxo maior nos finais de semana e não precisam mais ficar com mão de obra ociosa durante toda a semana. O trabalhador pode considerar esse tipo de contrato positivo, por lhe permitir ter outras atividades em dias e horários diferentes. Mas também pode não gostar e considerar inseguro, do ponto de vista financeiro, por não oferecer tanta previsibilidade na remuneração. Esse colaborador não pensará duas vezes quando receber uma proposta que ofereça um salário fixo, talvez.

Com esse exemplo, você consegue perceber um pouco os melindres desse novo cenário? É importante você entender que nem sempre o que parece bom à primeira vista realmente é. O grande desafio de manter sua empresa atrativa para talentos de alto impacto deve vir à frente da busca por melhores condições financeiras de contratação. Enxergue suas equipes sempre como investimentos, não como despesas.

Pessoas são um ativo crucial para qualquer negócio e você precisa ter uma estratégia eficiente para atrair e, principalmente, reter os melhores. Isso pode ser feito através do mapeamento de perfil de talentos da organização. Assim é possível desenvolver um bom programa de benefícios e, consequentemente, fidelizar os seus talentos, evitando gastos com mais seleções e demissões e, por fim, retendo colaboradores mais produtivos, engajados e com chances reais de crescimento.

Diferentes perfis

Com o mapeamento de talentos, você poderá também organizar melhor a forma como suas equipes trabalham. A nova lei trabalhista regulamentou o home office, forma de trabalho que tem crescido bastante e atraído muitos profissionais. Com conhecimento sobre os perfis de seus colaboradores, você pode perceber que alguns, por exemplo, geram mais resultados trabalhando de casa do que dando expediente na organização. Imagine por exemplo aquele colaborador genial, que tem as melhores ideias, executa tudo de forma eficiente, mas mora longe, costuma se atrasar, trabalhar melhor sozinho etc. Por que fazer esse profissional marcar ponto todos os dias se o home office pode ser melhor para você e para ele?

O poder dos benefícios

Diante desse cenário, a oferta de benefícios se tornou um instrumento ainda mais poderoso. Esse é um caminho muito interessante e eficiente para manter em alta a reputação da sua marca empregadora, de atrair talentos, de retê-los e, principalmente, motivá-los.

Nós da Cesta Nobre atuamos em diferentes frentes e podemos auxiliar sua empresa nessa missão. Acesse o nosso site e saiba mais: http://www.cestanobre.com.br/.

 Renato Xavier é Diretor de Operações e Marketing da Cesta Nobre.